Cinema 10nov • 2018

Asiáticos Podres de Ricos: O livro ou o Filme?

Qualquer pessoa que leu a minha resenha de Asiáticos Podres de Ricos sabe que neste caso específico eu preciso dizer que o filme foi consideravelmente melhor que o livro. E assim, eu entendo que, durante a construção do enredo, Kwan precisou explicar a arvore genealógica de absolutamente todo mundo no livro, mas o fato do filme conseguir escapar de toda essa enrolação e focar no que realmente importa – o relacionamento de Rachel e Nick – já torna o filme melhor que o livro sem precisar fazer esforço.

Diferente do livro que conta várias histórias paralelas, a versão dos cinemas resolveu manter todo o foco no casal principal, mesmo que em alguns momentos a trama mudasse um pouco o foco para Astrid – assim como no livro. Eu gostei muito que o roteiro investiu mais em mostrar como era a verdadeira relação do Nick com a sua família e como a Rachel se sentia completamente deslocada naquele universo. Além disso, o filme deixou muito mais claro que a relação entre os dois era realmente muito forte e que existe uma conexão ali que o livro deixou escapar muitas vezes.

É claro que, por ser uma adaptação, mudanças foram necessárias. Neste ponto, eu não tenho muito do que reclamar, considerando que algumas coisas na narrativa de Kwan tenham sido um tanto quanto exageradas. Por exemplo, no filme eles reduzem todas as intrigas e vinganças das ex-namoradas de Nick a uma única cena e tiram completamente as provocações desnecessárias, onde elas jogam na cara da Rachel todas as coisas que o Nick costumava fazer antes de conhece-la.

Infelizmente, nessa onda de cortes, nós tivemos a história da Astrid – também conhecida como a parte mais interessante do livro – reduzida a algumas cenas apenas para pesar na história a realidade da família do Nick. Confesso que quando eu li o livro, por causa de todas as informações, eu não cheguei a pesar a história da Astrid da maneira correta, mas com o filme fica mais do que claro que fazer parte da família Young não é uma tarefa muito fácil e que Rachel não tem a menor ideia de onde está se metendo.

Não me surpreende nem um pouco que o filme tenha ganhado atenção de muita gente. A produção do filme não foi uma das coisas mais fáceis de se fazer, principalmente considerando a quantidade de itens caros utilizados para produzir as cenas. Ainda assim, Jon Chu conseguiu entregar para o público um filme com diálogos divertidos e cenas hilárias muito melhor do que Kevin Kwan conseguiu durante as extensas 487 páginas. E não é esse o objetivo, afinal?

E a gente precisa muito falar sobre como a cena da Radio1Asian é muito mais engraçada na tela do cinema do que lendo sobre. As vizinhas que ficam na janela tomando conta da vida dos outros não teriam capacidade de espalhar uma fofoca tão rápido como esses asiáticos, sério! Eu fiquei muito chocada como que em poucos minutos eles descobriram tudo sobre a vida da Rachel e absolutamente todo mundo de Singapura já estava sabendo até a cor da calcinha que ela estava usando.

Asiáticos Podres de Ricos é uma adaptação que a gente precisava há muito tempo. Não só pela questão da representatividade, até porque Para Todos os Garotos que Já Amei também foi uma grande conquista que tivemos esse ano, mas também pelo fato de que é uma comédia romântica saudável, sem estereótipos ofensivos e com diálogos engraçados, que realmente fazem com que você queira assistir esse filme mais de uma vez. E tem muito tempo que eu não assisto uma adaptação tão boa assim.

E tudo bem, embora eu tenha falado muito bem do filme, eu não vou dizer para vocês desistirem de ler o livro. Eu acho que a obra de Kwan se aprofunda muito mais na realidade dessas famílias tradicionais que o filme poderia se dar ao luxo de fazer, o que acaba sendo um bom contexto para quem quiser assistir ao filme depois – ou antes. Mas, é sempre bom deixar claro que se você não é muito fã de longas narrativas, você pode optar por assistir apenas ao filme que tudo vai ficar mais do que bem.

Ah, ainda não conhece essa adaptação? Confira o trailer abaixo:

Débora Costa ver todos os artigos
Uma intelectual contemporânea que entende a importância da convergência de mídias, telas e narrativas. Acompanhando mais séries do que deveria e não consigo fazer uma coisa de cada vez. Ainda quero escrever um romance de época um dia.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

12 Comentários

  • Luana Martins
    29 nov 2018

    Oi, Débora
    Ainda não li o livro, mas quero muito ler mesmo que seja extenso e cansativo.
    Gostei muito do trailer do filme espero poder assistir. Essa produção deve ser muito cara porque como eles são podres de ricos tem que mostrar, esbanjar.
    Beijos

  • Alice Pereira
    29 nov 2018

    Adiei a leitura desse livro justamente por me parecer bastante extensa e cansativa. Pretendia lê-lo antes de assistir a adaptação, como de costume, mas acho que acabarei fazendo o contrário desta vez rs A história ganhou muitos elogios e me empolgou. Agora estou empolgada com o filme, é raro a adaptação se sobressair assim diante do escrito original.

  • Patrini Viero
    28 nov 2018

    Eu tenho a tendência a sempre esperar um livro melhor que o filme, mas depois de ler a tua resenha sobre esse livro em particular, já esperava que, nesse caso, acontecesse o oposto. Eu tenho a teoria de que algumas coisas na comédia funcionam melhor sendo mostradas do que lidas, e acho que isso pode ter interferido aqui, sem falar do extenso contexto genealógico que o livro traz. Fiquei bem curiosa pra assistir a adaptação, e acho que vou parar por aí mesmo, pelo menos nesse momento.

  • sarah castro
    15 nov 2018

    Esse foi o filme que me deu vontade de ler o livro, foi a primeira vez que abri exceção e eu simplesmente amei. Li muitas pessoas dizendo que o livro por contar o ponto de vista de quase todos os personagens era uma leitura meio difícil até repetitiva, porém quero arriscar depois de assistir, se me entregar pelo menos ali uma parte da sensação que tive vendo o filme eu vou ficar muito feliz pois foi divertido, agradável e não foi um romance exagerado e diálogos e cenas incríveis e a representatividade (sim, estou toda elogios mesmo) que entrou para a lista de favoritos pois realmente me visgou forte. Aguardo MUITO ansiosa para os dois próximos filmes e para a leitura também.

  • Bianca Melo
    13 nov 2018

    Confesso que quando li a resenha do livro, me desanimei um pouco. Mas a animação voltou a ler suas impressões sobre o filme haha. Ainda não sei se quero ler o livro, mas com certeza quero assistir o filme. Se eu o achar realmente interessante, quem sabe não dou uma chance à leitura? 😉

    bjs!

  • Aline M. Oliveira
    13 nov 2018

    Olá! Eu sempre tive vontade de ler o livro, mas agora sabendo que ele é tão descritivo e detalhista com coisas não tão interessantes ou importantes pra história geral, eu acho que dei uma desanimada.. Gosto da ideia do filme ser mais leve e bem focado na relação do casal, sem tanta agressividade desnecessária, como você disse. Achei que isso foi a parte que mais me interessou, sem mencionar a comédia que parece estar bem gostosa.. Obrigada pela dica!

    Bjoxx

  • Maira Schein
    13 nov 2018

    O livro está na minha tbr desde o lançamento, mas confesso que estou com muito mais vontade de ver o filme antes de ler. Parece ser aquelas comédias romanticas super gostosinhas!

  • Vitória Pantielly
    13 nov 2018

    Oi Débora,
    Eu ainda não li o livro, e sim, pretendo, mas, sem dúvidas a adaptação está incrível.
    Primeiro, como você também citou, tem a questão da representatividade, acho bacana que o diretor manteve todos (ou a maioria) dos atores asiáticos. “Ah Vitória, mas os personagens são asiáticos”, sabemos que isso não costuma contar muito em adaptações para o cinema né? Kkkk
    Segundo, é uma comédia romântica tão gostosa, o próprio trailer já passa isso, aquele clichê que queremos assistir várias vezes sabe?
    Enfim, não vejo a hora de assistir!
    Quando as descrições do livro, aprendi a entender que ele sempre vai ser mais descritivo, e as vezes, até um pouco cansativo, mas, pensando pelo lado bom, isso faz com que quem leu, tenha outra visão do filme.
    Beijos

  • Pamela Liu
    12 nov 2018

    Oi Débora.
    Eu assisti esse filme com meu namorado e com seus pais (todos somos chineses) e foi bem divertido.
    São poucos os filmes que abordam a cultura chinesa de forma não estereotipada e gostei do humor do filme.
    Ainda não li o livro e confesso que não tenho muita vontade de lê-lo, pois vi muitas críticas negativas sobre ele.
    Também gostei bastante da Radio1Asia rsrs Achei bem divertido e inteligente a forma como os produtores incorporaram as tecnologias e mídias de hoje.
    Beijos

  • Ludyanne Carvalho
    11 nov 2018

    Não sinto muito interesse em conhecer essa história, confesso. Chega um momento que temos tantos na lista que é preciso ser mais seletiva.
    Mas se eu tiver a chance de assistir, vou assistir.

    Beijos

  • Angela Cunha
    11 nov 2018

    Acho que este é o tipo de filme e livro que verei antes de ler!rs(deu para entender)
    Mas é que ainda não tenho o livro e com certeza, o filme já está aí, prontinho para ser visto. Então, pretendo ver em breve e me divertir.
    Pois pelo que li acima, há diversão, entretenimento e muito mais coisa neste longa!!!
    Beijo

  • Kleyse Oliveira
    11 nov 2018

    Bom dia Débora, como não tenho o livro e vai demorar um pouco para eu ter então não li ainda, mais quero muito assistir ao filme pois muitas vezes eu prefiro assistir a adaptação do que ler o livro.

  • Siga o @thelaoliphantInstagram