Clube Nacional 09jun • 2019

A Menina que Libertou o Pássaro veio para te emocionar

Não tem nada mais instigante para um leitor do que se deparar com um livro com o qual se identifica emocionalmente ainda na sinopse. Embora A Menina que Libertou o Pássaro tenha chegado nas minhas mãos a convite da autora, este nacional me conquistou já na sinopse com a proposta de um enredo emocionante, onde uma menina e um pássaro constroem uma amizade forte o bastante para superar obstáculos.

B. Sousa tem 22 anos e é publicitária. Escreveu A Menina que Libertou o Pássaro quando tinha apenas 15 anos, mas sua escrita sincera sobre a amizade de uma menina e um pássaro conquistou os leitores nacionais e, no ano passado, fechou contrato com a editora Pandorga para lançar seu primeiro livro pela editora.

Quando perguntada sobre o que a levou a escrever, A autora compartilhou que a escrita sempre fez parte da sua vida e que ser uma escritora sempre foi um sonho. Ao longo dos anos, a autora foi amadurecendo a sua escrita até que Rubem Alves inspirou seu primeiro livro.

“Eu lido com a depressão desde muito nova, dez anos, mas ela começou a piorar conforme eu ia crescendo. Como um refúgio, eu comecei a expressar meus sentimentos no livro, mostrar no ponto de vista do personagem como eu me sentia perante a sociedade. Ainda assim, não é uma história sobre mim, mas sobre o sentimento de não se aceitar, onde infelizmente é algo tão comum entre as pessoas. É uma história sobre os outros que também existem em mim.”, conta a autora em uma conversa com o blog.

O fato de A Menina que Libertou o Pássaro ser um espelho para o sentimento que provavelmente muito de nós compartilhamos quando adolescentes – e ainda como adultos, foi o que mais me atraiu para esse livro. Sousa usa a metáfora dos animais como uma forma de expressar como se sentia naquela época, ainda que o livro não seja exatamente sobre ela.

Eu lido com a depressão desde muito nova, dez anos, mas ela começou a piorar conforme eu ia crescendo. Como um refúgio, eu comecei a expressar meus sentimentos no livro, mostrar no ponto de vista do personagem como eu me sentia perante a sociedade.”, explica a autora. “É uma metáfora com animais que explora os mais diversos temas, entre eles os relacionamentos líquidos baseados em aparência, o amor próprio e a amizade. É um livro sobre existencialismo, onde procurei fazer com que o leitor embarcasse numa reflexão sobre si mesmo e que pudesse esclarecer conflitos internos.”

A Menina que Libertou o Pássaro promete ser um daqueles livros que fazem a gente chorar até os olhos ficarem inchados e, ao mesmo tempo, nos sentir abraçados porque alguém no mundo é capaz de entender exatamente como nos sentimos. Ainda não está convencido? Dá uma olhada na sinopse do livro:

“De tantas cores que a luz reflexiva podia produzir, por que escolhestes o preto para me definir?”

Esse é o constante questionamento do pequeno pássaro a respeito das suas cores pretas. Complexado com a sua aparência, ele é hostilizado pelos pássaros coloridos. Mas é graças a um presente do acaso, que uma criança humana entra em sua vida e passa a enxergá-lo com a beleza que o resto do mundo reluta a ver.

Em busca de uma resposta pela sua própria existência, o pássaro preto e a menina criam uma amizade digna de um livro. Mas será que esse laço será forte o bastante para enfrentar todos os obstáculos? E será que é mesmo preciso uma árdua busca pelo significado de nossas vidas?

A Menina que Libertou o Pássaro está disponível para compra na Amazon nas versões física por APENAS R$29,90 e eBook por APENAS R$ 11,86. E se você é assinante do Kindle Unlimited, o livro está disponível na plataforma, tá? Ou seja, não tem desculpa para não ler!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

3 Comentários

  • Tereza Cristina Machado
    11 jun 2019

    Gente eu amei esse título (sensibilidade)… a sinopse é fantástica … e a autora falando sobre a experiência de ter vivido isso desde novinha… ainda nacional… esse pacote inteiro me chamou a atenção, vou ler esse livro com toda a certeza (já incluso na lista) 😉

  • Elizete Silva
    11 jun 2019

    Olá! O livro parece ser lindo, trata de um tema tão sensível, mas infelizmente tão atual, que atinge um número cada vez maior de pessoas, e não faz distinção de idade, classe social ou gênero, uma doença tão difícil de ser tratada, é maravilhoso ter a oportunidade de descobrir um livro tão maravilhoso assim.

  • Angela Cunha
    10 jun 2019

    Confesso que não sabia nadinha da existência deste livro,mas como fã assumida de literatura nacional, fiquei encantada com tudo que li acima.
    Além da capa e título maravilhosos, o enredo é daqueles que jogam o leitor dentro da história.
    A depressão é algo tão dolorido, tão solitário e não há cura. Sinceramente não há. Pode sim e há, melhoras..mas cura? Não…. ;(
    Com certeza, vai para a lista dos mais desejados!!!
    Beijo

  • Siga o @laoliphantblogInstagram