Entrevistas 05maio • 2018

Uma conversa com Rysa Walker, a autora de Chronos

Não pensem vocês que eu não notei todo o frenesi quando eu coloquei Chronos no primeiro top comentarista do blog. Durante todo o mês eu vi vocês comentando o quanto queriam colocar esse livro na estante e, assim como eu sei que vocês estão loucos para ler esse livro, eu também sei que vocês iam gostar muito de conhecer mais sobre a autora dessa nova série da Darkside que vem dando o que falar entre os blogueiros, não é mesmo?

Foi pesquisando sobre a Rysa Walker que eu me deparei com essa entrevista dela no site Andrea Hurts & Associates, onde Walker fala muito sobre o processo criativo por trás de The Chronos Files e como foi que ela acabou decidindo fazer da escrita uma profissão. O interessante dessa entrevista não foi só conhecer mais sobre a história da autora, mas também ter uma visão fresca sobre o mercado editorial e, como eu adoro trazer entrevistas para vocês, eu resolvi traduzir o conteúdo.

Rysa Walker cresceu em uma fazenda de gado no sul, onde ela lia sempre que tinha chance. Nas raras ocasiões em que ela ganhou o controle da televisão, ela assistiu Star Trek e imaginou viver no futuro, em planetas distantes, ou pelo menos em uma cidade grande o suficiente para ter um sinal de trânsito. Ela é a autora da série best-seller Chronos Files. Chronos, o primeiro livro da série, foi o vencedor do Young Adult e do Grand Prize no Amazon Breakthrough Novel Awards de 2013. Rysa atualmente vive na Carolina do Norte, onde ela está trabalhando em sua próxima série.

Confira a tradução completa da entrevista:

Você já teve vários empregos, desde um salva-vidas de um tobogã até professora de história e, inclusive, trabalhou para o governo. O que te atraiu em escrever livros de ficção como carreira?

Eu sempre escrevi. Quando trabalhei no tobogã, escrevi poesia e letras de música na minha cabeça enquanto observava a piscina. Uma das coisas que eu mais gostei na faculdade foi escrever artigos e módulos de curso. Chronos foi escrito enquanto eu ainda estava ensinando na faculdade. Escrever ficção sempre foi o trabalho dos meus sonhos, mas eu não achei que fosse uma carreira viável por muito tempo. E eu posso estar correta em relação a isso. Há muito mais pessoas ganhando a vida como autores hoje do que há dez anos, então talvez seja uma coisa boa eu ter esperado o momento certo.

Seu primeiro romance foi auto publicado antes de você assinar com a Amazon Skyscape Publishing. Como sua experiência com a auto publicação foi diferente de trabalhar com um editor?

Por um lado, a Skyscape é muito melhor em marketing do que eu. O Chronos teve um começo fenomenal graças à colocação na seleção do Kindle First, quando o programa começou. Eu realmente acho que esse é o melhor lançamento que uma nova série pode ter. Eu também tive a vantagem de uma equipe maravilhosa de editores e um ótimo design de capa. Quando eu publiquei pela primeira vez o Time’s Twisted Arrow (o título original), era apenas eu e um editor voluntário. Eu criei a capa, e minhas habilidades a esse respeito eram bem ruins naquela época.

Outra coisa que eu realmente amo em estar com a Skyscape é que eles têm sido ótimos em me deixar publicar trabalhos menores. Há três novelas no The CHRONOS Files, e fazer isso sozinha me permitiu manter um pé no mundo indie.

Em sua série The CHRONOS Files, os historiadores viajam para o passado para testemunhar a história diante de seus olhos. Você sente que seu PhD em Ciência Política com foco na História Política desempenha um grande papel na sua escrita?

O lado histórico do curso definitivamente desempenhou um papel importante no The CHRONOS Files. Uma motivação que tive para escrever Chronos no início foi que, muitos dos alunos que chegaram nas minhas aulas de história já estavam convencidos de que história era algo entediante.

O principal motivo? Seus professores – provavelmente em um esforço para prepará-los para um teste de fim de série – deixaram de fora todos os pedaços que tornam a história divertida. Sim, você tem que aprender sobre os presidentes e as guerras e as crises econômicas e tudo isso … mas você também precisa aprender as outras partes que tornam essas eras mais vivas. Para muitos alunos, isso significa trazer as coisas em que estão interessados ​​- a música e outras formas de entretenimento popular, a moda, os escândalos e até mesmo os serial killers.

Dê uma palestra sobre um cara que assassinou até 200 mulheres em um hotel que era tão bizarro quanto qualquer coisa na ficção, e de repente as crianças que estavam meio adormecidas estão ouvindo novamente. Diga-lhes que uma mulher que foi chantagista e a primeira corretora de ações dos EUA também concorreu para presidente em 1873 e você pode ensinar muitas outras coisas sobre a Era Dourada antes de eles dispersarem novamente. Mas todas as partes boas foram deixadas de fora no ensino fundamental e médio e, infelizmente, muitas delas ainda são.

O lado da ciência política entrará em cena um pouco mais na próxima série… mas apenas perifericamente.

Misturar ficção científica com história faz uma leitura envolvente. Como você teve a ideia de misturar os dois?

Eu sou fã de ficção científica desde que vi meu primeiro episódio de Star Trek e eu dei aula de história. Adicione os dois juntos e você conseguirá viajar no tempo praticamente o tempo todo.

Quanto do seu tempo é gasto pesquisando? Qual é o seu processo geral para pesquisar e, eventualmente, escrever a história?

Eu pesquiso ideias gerais antes de começar um livro, mas muito disso acontece enquanto escrevo e estou procurando mais detalhes para tornar os personagens e os locais mais vívidos. Eu gosto de pesquisar antes de escrever uma cena histórica, porque a localização parece mais real para mim, especialmente se houver imagens ou vídeos que possam ajudar a definir o clima em minha mente. E então eu posso andar pela cena enquanto escrevo.

A parte ruim sobre esse processo é que ele pode contribuir para que eu me distraia durante a pesquisa. Eu me propus a ver se uma gíria teria sido usada por Victoria Woodhull em 1873 e acabei clicando em um link sobre a mania espiritualista naquela época, e então eu estou olhando para as Irmãs Fox e Harry Houdini e logo estou a cinco décadas de distância do que eu estava pesquisando em primeiro lugar. Mas essas viagens também podem levar a algumas conexões interessantes, então eu permito que a internet me guie pelo buraco do coelho às vezes.

Seu primeiro livro na série CHRONOS File, Chronos, ganhou o Young Adult e o Grand Prize no Amazon Breakthrough Novel Awards de 2013. Parabéns! Como essa conquista impactou você e sua futura escrita? Sua carreira?

Não é exagero dizer que isso fez minha carreira. O Time’s Twisted Arrow, estava indo bem para um livro de estreia auto publicado, mas com um emprego em tempo integral, eu não tinha tempo para comercializá-lo do jeito que eu precisava, ou o tempo para escrever uma sequência. (Demorou cerca de cinco anos para escrever o primeiro livro.) O Grand Prize foi quase o que eu fiz em um ano de ensino. Isso me deu a confiança (e dinheiro!) para deixar meu trabalho diário e focar apenas em escrever as sequências. Também me deu a equipe maravilhosa que eu tenho na Skyscape. Foi uma competição incrível e eu conheci pessoas maravilhosas, tanto nas avaliações, quanto nós nervosamente esperamos os cortes de cada etapa, e na cerimônia em Seattle quando eu conheci os outros finalistas, que também ganharam contratos de publicação com a Amazon Publishing e prêmios em dinheiro.

O que fez você decidir escrever para um público mais jovem? Quais foram os desafios que você enfrentou ao escrever para os leitores da YA?

Eu tenho um adolescente como meu protagonista, então a série é YA. Mas eu não escrevo para um público mais jovem. Eu tentei, no começo. Kate, a heroína de The CHRONOS Files, inicialmente seria mais jovem, mas ela rapidamente me informou que tinha quase 17 anos e que eu estava escrevendo tudo errado. Ela estava certa. Se eu tivesse seguido o plano, teria acabado escrevendo de uma forma que não faria sentido, tentando moldar minhas ideias para a idade média de 12 a 15 anos. E não era a história que eu tinha na cabeça.

Eu tenho leitores que são adolescentes (até mesmo alguns pré-adolescentes), mas a maioria dos meus leitores são, na verdade, adultos que gostam de YA. Eu fiquei um pouco surpresa com esse fato inicialmente, embora eu realmente não saiba por quê. Eu gosto de ficção YA e eu escrevi os livros que eu queria ler. Os anos da adolescência e início da idade adulta são a melhor tela para o tipo de história que eu gosto – uma em que o protagonista enfrenta mudanças e crescimento e grandes decisões.

O que você descobriu ser as estratégias mais eficazes para comercializar seus livros? Você tem algum conselho para novos autores?

Eu estava falando sobre isso com um amigo recentemente. Muitas das decisões de marketing dos meus livros são tratadas pela Skyscape, e eu estou muito feliz com elas. Quanto aos short-stories, eles tendem a ter um bom desempenho variável em meio aos principais livros da série. Eles estão em uma boa rede, e há pouco que eu possa fazer que tenha mais impacto do que a equipe de marketing da Amazon.

Mas eu faço muito marketing de mídia social, especialmente com o lançamento de novos livros. Comemorações de lançamento são um grande foco para mim. Eu faço todos os meus no Facebook, e tento ter jogos, prêmios, autores convidados, etc. Eu tenho um monte de pequenos prêmios (cartões da Amazon, Starbucks, livros gratuitos) etc., para que haja pelo menos vinte vencedores. Também descobri que vale a pena investir para ter um prêmio principal substancial, porque você atrairá algumas pessoas que não estão necessariamente no seu círculo. (Eu gosto de usar um Kindle, principalmente porque isso garante que as pessoas que passam por lá provavelmente são * leitores * – não faz sentido marketing para pessoas que não gostam de ler!) Eu tenho leitores em uma grande variedade de fusos horários, então eu deixo os jogos abertos por um dia inteiro e tento voltar e conversar com eles mesmo depois que a comemoração oficial já estiver encerrada.

A principal coisa que vi trabalhando para novos autores independentes, é ter algo que você possa usar para se promover antes de lançar seu primeiro livro. Muitos leitores hesitam em comprar um livro de um autor de estreia. Se você tem alguns trabalhos mais curtos antes de publicar o primeiro romance, é muito mais provável que eles se arrisquem. Kindle Worlds é uma opção. Minha série CHRONOS está no programa, e eu trabalhei com vários autores iniciantes que querem sentir a temperatura da água antes de mergulhar com um primeiro romance. (E você pode fazer algum dinheiro fazendo isso.) Ou você pode postar conteúdo que seus leitores desejam.

Jen Foehner Wells, por exemplo, escreveu uma fan fiction de Stargate por vários anos e postou em seu blog. Ela conseguiu uma grande quantidade de seguidores no Twitter depois de fazer isso. Quando ela terminou seu livro, Fluency, e autopublicou, ela twittou para seus seguidores – “ah, a propósito, publiquei um livro caso você esteja interessado.” E muitos deles estavam interessados. E, graças ao fato de ele ter chegado ao topo da lista Hot New Releases, os algoritmos da Amazon entraram em ação e ela ficou lá por um bom tempo. Portanto, a primeira moral aqui é: dê aos seus seguidores das redes sociais uma razão para segui-lo antes de lançar o seu primeiro livro. Não precisa ser fan-fic – pode ser também um conteúdo legal que você encontra na web ou um blog realmente interessante, como o Chuck Wendig. Construa seus seguidores enquanto você escreve seu livro.

A segunda parte, no entanto, é a mais importante – escreva um bom livro.

Vocês gostaram? Conhecer um pouco mais da história por trás da criação de Chronos só me fez querer ler ainda mais esse livro. Eu acho que a Rysa tem uma visão muito interessante sobre o mercado editorial e ainda teve muita sorte de trabalhar com uma editora que lhe dá uma liberdade maior para publicar suas histórias. Todo mundo sai ganhando, né? Tanto a autora, quanto os seus leitores. Agora eu quero que vocês me contem nos comentários o que acharam dessa entrevista e, se já chegaram a ler Chronos, o que acharam do livro?!

Está ansioso para colocar Chronos na estante? Então acesse a Amazon agora para garantir o seu exemplar!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

9 Comentários

  • Jade Sibalde
    31 maio 2018

    Chronos desde o começo me pareceu um livro muito interessante e a entrevista com a autora deu ainda mais vontade de ler. Adorei o fato dela não encarar um livro YA como restrito a um único público, afinal não é, só define a idade do personagem e não dos leitores, é ótimo quando o autor entende isso.

  • Bianca Melo
    21 maio 2018

    “Eu tenho leitores que são adolescentes (até mesmo alguns pré-adolescentes), mas a maioria dos meus leitores são, na verdade, adultos que gostam de YA.” – Fato kkkkkkkk.
    Acredito que esses adultos que curtem YA (eu incluída nesses dados) passaram sua adolescência tendo contato com esse gênero e nutrindo muita paixão por ele. Claro que com o tempo evoluímos nas nossas leituras, mas o YA é um universo tão abrangente que sempre tem um ou outro que ficam guardados no meu coração.
    Estou doida pra começar a ler esse livro!!
    Essa entrevista foi maravilhosa, o legal foi ver que a autora também deu ótimas dicas pra quem quer entrar nesse mercado.

  • Vitória Pantielly
    10 maio 2018

    Oi Débora,
    Sim, eu quero mto Chronos na prateleira, principalmente pelos comentários que a história bem tendo.
    Que bom que a autora sempre gostou de escrever, e melhor, que ela deixou sua personagem conduzir a história, acho isso bem legal.
    Enfim, não vejo a hora de ler.
    Beijos

  • Bia Toledo
    06 maio 2018

    MEU DEUS! Eu sou apaixonada por Chronos, um dos melhores livros que li sobre viagem no tempo! Gostaria de saber como and a escrita do proximo livro da serie … Falando em escrita, me identifiquei bastante quando ela falou que a faculdade dela ajudou o processo de escrita, eu faço RI e, realmente, tem certos momentos na aula que eu comeco a viajar pensando que aquilo daria uma boa historia kkkkkkk

  • Micheli Pegoraro
    06 maio 2018

    Oi Débora,
    Adoro conhecer um pouco mais sobre os autores e autoras, e a Rysa Walker é bem pé no chão né? Soube o momento certo para publicar o seu primeiro livro, agarrando uma ótima oportunidade com a editora.
    Que interessando essa história por trás da criação de Chronos, a autora sendo fã de ficção científica e juntando a isso as aulas de história que ela deu, resultou em um livro que todos estão loucos para ler.
    Já estava ansiosa para ler esse livro, agora fiquei ainda mais, sem falar que essa edição é maravilhosa!
    Beijos

  • Isabelle Menezes do Nascimento
    05 maio 2018

    Olá!
    Amei q vc nós trouxe a entrevista, já estava querendo ler este livro agr depois de conhecer um pouco mais o sobre a autora aumentou mais ainda a vontade,
    Bjs.

  • Theresa Cavalcanti
    05 maio 2018

    Eu não tava tãooooo animada para ler esse livro, mas depois dessa entrevista, eu fiquei sim!
    Gosto muito quando os blogs trazem entrevistas com os autores, porque é ótimo ver como foi o processo criativo para eles. O que os levaram a escrever os livros. A vida deles em si. É tudo muito interessante e importante para você compreender o meio literário.

  • Lili Aragão
    05 maio 2018

    Tenho acompanhado resenhas positivas desse livro e achei super bacana conhecer um pouco mais da autora dele e descobrir que ela já teve outras profissões como salva-vidas de um tobogã foi bem legal. A forma como ela conduzia as aulas de história, tentando atrair os alunos que fatos que prendessem a atenção dele também me chamou a atenção… Gostei de ler a entrevista e espero ter a oportunidade de ler o livro mais a frente 😉

  • Bruna Lago
    05 maio 2018

    Vou te confessar que sou uma das poucas pessoas que ainda não sabiam nada desse livro, hahaha. Estava muito desconectada dos blogs literários por conta da faculdade, então não sei muito das novidades bombásticas do momento. Claro que fui procurar saber alguma coisa desse livro e fiquei bem curiosa pra saber mais sobre ele e como a história se passa. Deve ser uma leitura e tanto, tentar entender toda a confusão que a avó de Kate está, e a própria confusão que a personagem criará. Além da capa ser linda!!

  • Siga o @laoliphantblogInstagram