Entrevistas 07ago • 2018

Conheça Katie Cotugno, a autora de 99 dias

Ter uma ótima experiência de leitura com um autor que você acabou de conhecer, é uma das melhores coisas que pode acontecer com um leitor. E Katie Cotugno foi uma surpresa inesperadamente boa. O enredo do seu livro, 99 Dias, não é só tudo o que eu já estava desejando colocar na estante, mas o fato da protagonista não ser aquela garota extremamente perfeita roubou completamente o meu coração. Com uma narrativa única e personagens que vão te conquistar desde a primeira página, 99 Dias é um lançamento da Rocco que vocês precisam ter na estante para ontem!

E o que eu faço quando eu gosto muito de um autor? En-tre-vis-ta! E desta vez eu encontrei uma conversa da autora com um dos sites que eu mais amo acompanhar: Hellogiggles. Como 99 Dias foi um livro que me emocionou e abordou diversos assuntos que eu considero importantes, nada mais justo do que conhecer melhor o cérebro responsável por essa história maravilhosa e, por isso, eu traduzi a conversa da Katie com a Kerry Winfrey, que aconteceu em Abril de 2015.

Confira a entrevista completa do Hellogiggles:

O verão antes de você ir para a faculdade é uma época divertida. Mas para Molly Barlow, a protagonista de 99 Dias? Não muito. O verão dela em Star Lake é cheio de olhares sujos, comentários mesquinhos e um ou dois ovos. Molly é a inimiga número um de Star Lake depois que ela teve algum drama de relacionamento que meio que envolvia dois irmãos. Todos na cidade descobriram porque a mãe de Molly colocou toda a história sórdida em seu último romance, e Molly fugiu da cidade para um colégio interno para seu último ano. Mas agora ela está de volta, enfrentando 99 dias infelizes em sua cidade natal com uma mãe que ela não pode confiar, ex-amigos que a odeiam e (é claro) os caras que a colocaram em muitos problemas em primeiro lugar.

99 Dias é uma leitura viciante, mesmo quando os personagens estão cometendo erros. Molly está longe de ser uma personagem perfeita, mas é difícil não torcer por ela enquanto ela tenta descobrir as coisas. Afinal de contas, todos nós cometemos alguns grandes erros, mesmo que nossos erros não tenham sido divulgados em um romance best-seller? Eu amei a complicada, bagunçada, romântica e emocional de 99 Dias tanto que eu pedi a Katie Cotugno para responder algumas perguntas. Nós conversamos sobre o ensino médio, personagens que não são perfeitos e conselhos sobre escrita.

Você pode nos contar um pouco sobre como você era no ensino médio?

Eu não chamava muita atenção, mas de vez em quando aprontava uma coisa ou outra. Eu era muito inteligente, fazia parte do teatro, e queria concorrer a um conselho estudantil, mas nunca cheguei a fazer isso porque eu temia que ninguém votasse em mim. Eu escrevi histórias na aula de matemática e tinha um emprego na biblioteca. Eu ficava acordada a noite toda rindo com minhas amigas nos finais de semana. Eu fui muito dramática. Eu tinha um casaco pesado da Abercrombie que era minha peça favorita de roupa. Eu queria um namorado com mais intensidade do que jamais quis antes ou depois.

Uma das coisas que eu realmente admirei em 99 Dia foi o quanto você estava disposta a deixar Molly tomar algumas decisões ruins. Ela nem sempre pensa, diz ou faz a coisa certa. Foi difícil escrever um personagem que comete grandes erros?

Foi totalmente assustador! Porque você sempre – ou pelo menos, sempre – quer escrever um personagem que as pessoas vão amar e torcer, e Molly nem sempre facilita isso. Reena, a personagem principal do meu primeiro livro, provavelmente odiaria Molly. Mas eu a amo. Eu não estou interessada em garotas perfeitas. Eu não conheço garotas perfeitas. E eu quero que isso seja “Ok”, na ficção e na vida.

Uma das minhas coisas favoritas sobre 99 dias (além disso, você sabe, tudo) foi o cenário. Star Lake parecia um lugar tão sonhador e insular. Como você criou um ambiente tão realista e atraente?

Muito obrigado! De muitas maneiras, 99 Dias é uma homenagem a dois dos meus filmes de verão favoritos – Dirty Dancing e Mystic Pizza. Eu sinto que o lugar é tão importante em ambos os filmes – Kellerman, por exemplo, realmente se sente como outro personagem. Eu queria que Star Lake tivesse o mesmo tipo de personalidade intensa, especialmente porque Molly gasta muito do livro sendo ofendida pelas pessoas que moram lá. Eu queria que ela se sentisse como o tipo de lugar em que, quando você está nele, você pode esquecer que o resto do mundo existe.

Como escritora, você faria o que a mãe de Molly fez – expor os segredos de outra pessoa em seus livros?

Bem, a resposta curta é não! Mas a resposta longa é, provavelmente em algumas formas indiretas e indiretas que eu já fiz isso? Minha vida real e a vida real das pessoas próximas a mim (e a vida falsa das pessoas que vejo na TV) penetram na minha escrita o tempo todo, quer eu queira ou não.

Que conselho você daria aos leitores que querem ser (ou já são) escritores?

Leia tudo. Escreva tudo. Não deixe ninguém fazer você se sentir mal por assistir muita televisão. Não deixe ninguém fazer você se sentir mal por amar as coisas que você ama.

O que podemos esperar dos seus próximos projetos?

Meu terceiro livro é um romance condenado contextualizado em um cenário pop teen que se passa em Orlando, no ano de 1997. Eu sinto como se estivesse esperando para digitar essa frase para toda a minha vida.

E agora, para a pergunta mais importante que faço a todos: se você pudesse comer apenas uma coisa pelo resto de sua vida, o que seria?

Como alguém responde a essa pergunta com algo além de “queijo”?

Muito obrigado a Katie pela entrevista! Você pode conferir o trailer do livro 99 Dias abaixo e aproveitar as promoções da Amazon para comprar o livro clicando aqui.

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

2 Comentários

  • Daiane Araújo
    07 ago 2018

    Oi, Débora,

    Apesar da entrevista ser curta, gostei da mesma. De saber como ela enxerga a situação e personagens do seu livro!

  • Kleyse Oliveira
    07 ago 2018

    Hello!
    Adorei conhecer a autora desse livro maravilhoso que estou querendo comprar há muito tempo.
    E tão bom quando você posta essas entrevistas pois assim podemos conhecer melhor de onde vem a inspiração para escrever lindas histórias impactantes.

  • Siga o @laoliphantblogInstagram