Literaría 25abr • 2019

Como o hype de um livro pode afetar a sua leitura

Muitos de vocês provavelmente já sabem do meu projeto de leitura, Lendo Potter, onde eu finalmente decidi me entregar ao universo bruxo e formar uma opinião sobre o assunto. E eu não vou mentir, finalmente conhecer todo esse mundo criado pela J.K. Rowling tem sido uma grande aventura, o que me fez começar a pensar no impacto que o livro teve na vida de muito dos meus amigos e o impacto que ele está tendo em mim agora, tantos anos depois do último livro ser lançado e do último filme ter estreado nos cinemas.

Por causa de todo esse alvoroço que existe em torno de Harry Potter – Netflix que o dia – uma palavra muito comum no meio literário me veio à cabeça: hype. Muitos conhecem e utilizam essa palavra, nem todos sabem o que significa, mas com toda certeza, o hype já afetou o seu julgamento em relação a um livro ou qualquer outra coisa que tenha estado na boca do povo por muito tempo. O hype nada mais é do que a promoção extrema de uma ideia, produto ou pessoa. É o clássico “está dando o que falar”, como Game of Thrones, A Culpa é das Estrelas e, anos atrás, Harry Potter.

Eu nunca tinha percebido o quanto o hype poderia afetar o meu julgamento de um livro até reler “A Culpa é das Estrelas” e qualquer outro livro do John Green. Eu me lembro que, na época, todo mundo falava sobre o livro, as pessoas respiravam o que Green escrevia e existia apenas poucos gatos pingados no universo que realmente estavam dispostos a falar do livro como ele realmente era, sem toda aquela promoção de “é o melhor livro da minha vida, porque sim”.

Verdade seja dita, “A Culpa é das Estrelas” foi o primeiro e último livro que eu vi por causa do hype literário que sempre me persegue. Depois de ler Tartarugas Até Lá Embaixo e outros livros do John Green, eu percebi que talvez eu não achasse a escrita dele tão fabulosa quanto eu me lembrava de achar anos atrás e que, talvez, “sick-lit” não fosse exatamente um gênero literário que eu gostaria de ter na minha estante.

Mas o que realmente em chama atenção no hype é o fato de que as pessoas realmente conseguem fechar os olhos para problemas alarmantes na literatura quando o livro em questão está no auge do hype. Belo Desastre e After são apenas dois, de muitos outros exemplos, onde relações abusivas são romantizadas pelas suas respectivas autoras, mas que ganham um passe livre porque muitos leitores preferem focar nas coisas “boas” do livro, ao invés de questionar esses problemas.

Agora eu pergunto: vocês não acham isso no mínimo preocupante?

Eu sei que com a pressão que a gente sobre por causa das redes sociais, às vezes, não nos ajuda muito a nos posicionar sobre determinados assuntos. Então, quando tem muita gente, principalmente gente que se “destaca” entre outras, falando bem de um livro, nosso primeiro impulso é tomar aquilo como uma verdade absoluta e, muitas vezes, ignorar a nossa própria opinião para absorver outra que julgamos melhor.

O hype em torno de After, um romance que a própria autora já admitiu que não funciona na realidade (assim como não funciona no papel), faz com que muitas mulheres, adolescentes etc acreditem que seus parceiros abusivos possam se “transformar” assim como o protagonista do livro fez. O hype em torno de Belo Desastre, faz com que fechemos os olhos para o fato de que o protagonista é agressivo e que aquele relacionamento está muito longe de ser algo saudável.

E colocando isso tudo de um ponto de vista bem pessoal: eu já fiz isso. E acredito que vocês também.  Eu li Belo Desastre achando que Travis e Abby eram um casal perfeito, ignorando todos os sinais problemáticos do enredo que, eu só fui perceber anos mais tarde. Eu li Colleen Hoover por anos, ignorando o fato de que ela romantiza relacionamentos abusivos, até perceber que a coisa estava realmente fora de controle e que eu não deveria estar fechando os olhos para esse tipo de coisa.

Eu sei que o hype não é de todo ruim porque sem ele, as editoras não iriam começar a investir em mais livros de um determinado gênero, como os romances de época que eu tanto amo. Só que muito mais importante do que trazer mais do mesmo para o mercado literário, é a gente começar a se policiar sobre a nossa opinião, não é mesmo? Principalmente quando o hype vem de livros extremamente problemáticos que acabam ganhando muito mais atenção do que deveriam.

E até onde eu posso falar sobre a minha experiência lendo Harry Potter, podem ficar tranquilos que vamos bater um papo bem legal sobre tudo o que eu achei desse enredo, tá? Ah, e não esqueçam de deixar nos comentários quais livros vocês já leram por causa do hype e como vocês enxergam esses mesmos livros hoje.

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

9 Comentários

  • […] conhecemos o protagonista em seus 12 anos e o acompanhamos em boa parte das decisões e situações difíceis que acabam cruzando o seu caminho. Neste ponto, a escrita de Dalton faz o leitor imergir completamente em como o nosso protagonista […]

  • Patrini Viero
    30 abr 2019

    Eu acho que o hype sobre um determinado livro é exatamente o que faz eu me afastar dele, pelo menos durante o período mais comentado desse livro. Eu gosto de tirar minhas próprias conclusões ao longo da leitura e as vezes é simplesmente impossível ficar imune a tantas opiniões e discursos sobre a mesma obra. Isso acaba influenciado minha visão sobre o livro, de alguma forma, e é por isso que eu prefiro esperar toda essa euforia passar pra realizar (ou não) a leitura. Foi o caso de A culpa é das estrelas, que eu realmente não achei tão espetacular assim como leitora. Acho que quando falamos de livros problemáticos, como aqueles que romantizam relacionamentos abusivos, esse hype é capaz de influenciar não apenas a leitura, mas a própria ideologia de vida de um indivíduo, e é aí que mora o perigo. Por isso devemos realizar leituras cuidadosas e policiar nossos comentários com bom senso, afinal como leitores também somos responsáveis pelo sucesso e consequente influência que um livro gera na vida de todos nós.

  • Luana Martins
    30 abr 2019

    Oi, Débora
    Raramente releio livros, mas por esses dias tenho pensado sobre A Culpa é das Estrelas. Li bem depois de seu lançamento e como foi minha primeira e única experiência com o autor gostei. Mas pensei e se reler será que vou ter uma opinião diferente.
    Muitos livros não leio no auge do hype, agora sou mais exigente do que quando comecei a ler com 11/12 anos.
    Beijos

  • Fabiana Scola
    28 abr 2019

    Eu nunca tinha ouvido (lido) essa expressão, mas já fui atingida pelo “está dando o que falar”, por isso resolvi parar de seguir modinhas e ler no meu tempo. Bom, tenho duas coisa para falar: livros em alta nem sempre são tao bons assim, há muita especulação que nem sempre condiz com toda aquela euforia do lançamento. Quando há muita propaganda e se vai com sede ao pote, a chance de se decepcionar é bem alta, agora leio no meu tempo sem toda aquela expectativa e pressão, por isso não li a culpa é das estrelas entre outros. O segundo ponto é a questão que tu mencionou sobre After e Belo desastre… romantizar uma questão abusiva é um horror, não se pode humanizar uma situação dessas claro, mas sem querer entrar muito no mérito, quando li Lolita fui sedenta por outras opiniões. Amei o livro, a historia e a escrita e quando avacalharam o livro, com opiniões repulsivas eu parei, ou seja, fico com minha opinião e pronto. Só queria dizer que um leitor de verdade lê de tudo e sabe quando precisa separar o joio do trigo, sabe ponderar quando é uma simples leitura e ter mente aberta para não se deixar influenciar pela historia.
    Como tu disse o Hype, tem seu valor, mas cada livro chega nas pessoas de forma bem diferente, já amei os odiados e odiei os queridinhos. Opiniões são válidas, dicas mais ainda, mas o ponto final se gostou ou não, se valou aqueles momentos de leitura é tu.

  • Aline Bechi
    27 abr 2019

    Olá, tudo bom?
    Eu sou uma pessoa que não me sinto afetada pelo hype. É claro que um livro com grande dype me desperta a vontade de ler, mas no quesito avaliação não sinto que me afeta. Não gostei de muitos livros que todo mundo estava gostando (ou indicado por influencers que eu costumo confiar na opiniões delas), mas acho que isso é bem pessoal de cada um.
    Eu acho que quando um livro problemático é dado na mídia como maravilhoso, a tendência é os problemas passarem batidos… porém hoje em dia o pessoal já fala o contrario de after. Antes diziam ser um livro maravilhoso, e hoje ele é conhecido por romantizar um relacionamento abusivo.
    Mas a questão de ter o julgamento 9gostar ou não), é de cada um. Eu nunca iniciei um livro com medo de ser afetada e nunca me senti também. Acho que o que pode afetar mesmo é a expectativa que os comentários sobre um livro fazem você criar sobre ele….

    Beijos

  • sarah castro
    26 abr 2019

    Eu sou a pessoa que TUDO que envolve hype eu perco a vontade, seja com livros, filmes, seriados etc, não consigo sentir vontade, sabe? Apenas não rola no calor do momento e geralmente quando rola é um tempinho depois. Harry Potter é meu caso particular nesse contexto, as pessoas sempre colocaram o livro em um patamar tão grande, falavam tanto e ficavam gritando “Netflix, cadê hp” que eu desanimava absurdamente, se não fosse o projeto acho que eu leria sei lá, realmente não sei hahaha.
    Mas resumidamente falando sobre né, eu acho que o que falta nas pessoa é claramente o senso crítico, ta tudo bem você gostar de um livro, gostar da escrita do autor(a) e criticar ele, isso não faz que você seja digamos “menos” fã ou algo do tipo, mas muitas pessoas veem isso como traição, um absurdo, sendo que não é. O caso de After mesmo, eu fiquei assustada em como as pessoas não aceitavam as críticas, ver como elas queriam justificar com tipo”tem que ler os cinco livros pois no último ele fica bom e justifica tudo” ou “Ah, autora já disse que fez tudo pelos fãs, quem não gostou cala a boca”, NÃO TEM UM PINGO DE SENTIDO NISSO. Formar opinião, expor ela de forma coerente e educada é essencial, alertar também sobre esse tipo de enredo é mais ainda. O próprio autor também pode admitir que pisou na bola, todo mundo muda suas perspectivas e ta tudo bem falar sobre isso, alertar os leitores e tudo mais.

  • Elizete Silva
    26 abr 2019

    Olá! Realmente acabamos sendo bastante influenciados por esses movimentos hypes, e concordo totalmente que alguns desses livros nem são tão bons assim, e não deveriam ter todo esse destaque (After e CoHo são ótimos exemplos mesmo), uma série que eu comprei e li influenciada pelo hype foi A Garota do calendário, um enredo para lá de batido e que não cumpriu com a sua proposta, tiveram livros bem maçantes, uma escrita rasa e que terminei apenas por não conseguir desistir de largar um livro.

  • Angela Cunha
    26 abr 2019

    Acredito que desde que me aventurei neste universo da leitura, esse tal Hype exista e eu vou admitir que não fazia nem ideia do significado..rs Prefiro falar “modinha”. E oh, modinha nem sempre é passageira, ainda bem!!!
    Já acabei lendo muitos livros por simplesmente estarem na moda sim e minha visão ficou meio…turva? rs
    Vou citar o último livro que li por estar na moda, Vox! Puxa, todo lugar que eu ia, lá estava Vox…e quando o li, fiquei segurando o livro nas mãos e me perguntando onde eu tinha me metido!
    Não curti a leitura, não me conectei. Simples assim.
    Colleen também mostrada aí acima me decepcionou um tanto bom…(espero que isso mude com o tempo ou que ela retome a velha fórmula do Tigre)
    Harry se tornou um ícone e não só para os mais jovens, mas certamente marcou toda uma geração e continuará marcando!
    Beijo

  • Tereza Cristina Machado
    25 abr 2019

    Eu comecei a ser uma leitora assídua ano passado, antes disso eu lia muito pouco apesar de sempre ter rolado um sentimento hahaha nunca li Potter e confesso não gostar de nada que as pessoas falam demais, eu fico meio desconfiada de comprar rs!( um problema meu, confesso.). Resolvi comprar alguns livros “da onda” mais ainda não os li, eu e minha ordem louca de fazer as coisas. Nesse mundo da internet você ser o do “contra” é difícil pq muitas vezes as pessoas não sabem o significado da palavra respeito, mas é sempre bom ter os dois lados.
    Gostei do post “hype” hahahahaha

  • Siga o @laoliphantblogInstagram