Literaría 19jul • 2017

Por favor pare de pedir meus livros emprestados.

Talvez essa seja a publicação mais chata que eu vou escrever, e talvez, muito provavelmente, vocês me odeiem bastante por escrevê-la. Porém, eu cheguei naquele ponto da minha vida que certas coisas precisam ser ditas antes que eu enlouqueça mais um pouco. Então aqui está: parem de pedir meus livros emprestados, por favor. Obrigada. De nada.

Eu sei, parece um pouco egoísta da minha parte, afinal, livros são feitos para serem lidos. Acreditem, minha mãe teve uma longa conversa comigo sobre isso quando eu chorei muito ao descobrir que a minha cópia de A Caminho do Altar, da Julia Quinn tinha sido completamente destruída dentro da bolsa dela. E eu entendo, eu juro, que para vocês são apenas um punhado de papéis colados em uma brochura bacana, mas para mim… bem, meus livros são muito mais do que isso.

Vocês têm ideia de como é difícil dizer “não” para alguém quando você foi criada para sempre dizer “sim”? Pois é mãe, essa culpa é totalmente sua. Lá estou eu, no meio de uma aula da faculdade quando uma das minhas colegas de turma se aproxima e pergunta se eu poderia emprestar o primeiro livro da série do Percy Jackson para ela. Na mesma hora eu tentei montar uma lista de desculpas aceitáveis para dizer “não”, mas eu realmente não tinha nenhum motivo para dizer sim, e mesmo sabendo que aquele exato momento poderia ser a condenação de um dos meus livros, eu disse “Claro, sem problemas”.

Tudo bem, eu preciso dizer que eu nunca emprestei o livro para ela. Foi uma série de semanas constrangedoras onde eu “esquecia” o livro em casa e prometia trazer no dia seguinte. Por sorte, ela se distraiu com alguma outra coisa e eventualmente parou de me perguntar. Foi uma saída bastante evasiva e eu realmente não me orgulho de ter feito isso, mas como é que você confia um livro da sua estante a uma pessoa que você nem sabe se realmente vai ler aquele livro?! Ela poderia muito bem deixar ele jogado em qualquer canto do quarto de baixo de uma pilha de roupa ou usá-lo de apoio para um copo de refrigerante. Quem é que consegue me garantir que não?

Eu realmente gostaria de acreditar que não é porque sou uma esnobe literária com problemas de emprestar livros, mas a verdade, provavelmente, é pior: eu não gosto de emprestar livros, especialmente para pessoas que não vão cuidar deles, mesmo com todas as repetidas garantias de que eles vão ter o maior cuidado com o meu exemplar, que eu definitivamente sei que eles não vão ter. Acreditem quando eu digo que, se a pessoa não tem a mesma paixão que leitura que eu, eu tenho absoluta certeza que ela não vai cuidar tão bem do meu livro.

Vamos ser sinceros, todo mundo já teve livros que foram devolvidos com capas dobradas (ou faltando), danificados por que foram “sem querer” acidentalmente molhados – o que eu não entendo, sério! A pessoa estava tentando afogar o livro ou algo do tipo? Anotações aleatórias nas margens das páginas e, às vezes, desenhos – o que tem na cabeça de uma pessoa que escreve num livro, de caneta? Ou páginas que foram dobradas ou dobradas com tanta força que, às vezes, se descolam. E nem me faça começar com os livros que são devolvidos com uma página, misteriosamente, faltando. E isso é se eles chegarem a realmente serem devolvidos – olá minha cópia de “O Segredo”, que nunca mais foi vista.

Quando eu era mais nova, minha mãe era a primeira a querer emprestar meus livros para o primeiro ser humano que expressasse o menor interesse neles. Graças a Deus hoje ela entende o risco que é sair emprestando as minhas coisas e, mesmo quando eu ainda corro o risco e empresto para uma pessoa ou outra, eu já vou logo pesquisando o preço do exemplar para comprar, só em caso aconteça alguma coisa com a minha cópia. Afinal, é sempre bom a gente se prevenir, não é mesmo?!

Olha, eu sei que tratar o “empréstimo de livros” como uma negociação de reféns na qual eu realmente não quero lhe dar nada é um pouco insano – talvez muito, não sei. E eu totalmente entendo. Mas certamente eu não posso ser a única pessoa no mundo que tem a aversão a se separar dos seus livros, mesmo que seja apenas por uma semana? Além disso, por que é tão difícil para algumas pessoas entenderem que devolver um livro danificado, ou nunca o devolver, não é legal? Principalmente se alguém confiou em você com aquele livro.

Isso é exagero?! Absolutamente, e eu sei disso. Eu vou te dar comida. Eu vou te dar roupas. Eu vou te dar jóias ou minha senha da Netflix se você precisar, mas tire suas mãos dos meus livros!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

13 Comentários

  • Michele Lopez
    02 ago 2017

    Olá,
    Gostei bastante do texto e com certeza muitos leitores se identificarão!
    É uma grande preocupação quando alguém pede meus livros emprestados, porque tenho esse mesmo questionamento: Será que fulano vai tomar cuidado da mesma forma que eu?
    Quando casei foi intenso, porque meu marido sempre queria pegar meus livros e eu tinha medo dele estragar porque tenho alguns bem antigos e que gosto muito, mas ele percebeu que sou meio doida e toma até mais cuidado do que eu rsrs

    LEITURA DESCONTROLADA

  • Andy
    24 jul 2017

    ”A pessoa estava tentando afogar o livro ou algo do tipo? ” hahaha adorei esse quote! Uma pena que, infelizmente, ele seja tão verdadeiro! Confesso que quando eu ainda estava começando a adquirir livros, nem imaginava em colecioná-los, eu era bem abdicada dos meus exemplares, emprestava sem problemas e eles sempre voltaram inteiros, mas logo que eu comecei a ter um apresso maior por eles e a tratá-los como um objeto além do que eles de fato são, eu comecei também a entrar nessa ”nóia” de não gostar de emprestar. Sempre emprestei sem problemas para amigas que assim como eu amam esse universo literário e cuidam dos meus livros, assim como eu cuido dos delas, é uma troca. Todavia, para aqueles que eu não conheço o coração chega a ficar apertado. Minha mãe mesmo, por exemplo, dobra todo o livro que ela está lendo, meu coração fica na mão quando ela me pede um emprestado, pois não posso dizer não (se não lá vem aquele sermão sobre egoismo, sobre ser apenas um objeto material e que ela compra outro se necessário; sem falar na mágoa envolvida) logo, já vou me despedindo do meu exemplar quando passo para as suas mãos.

    Adorei o texto e com certeza me identifico!
    Emprestar para conhecidos sim, para os que ainda não entraram no círculo de confiança… quero provas de que são cuidadosos!

    Beijos,
    Andy – StarBooks Blog

  • Jéssica Melo
    24 jul 2017

    Olá Debora, adorei seu texto, eu também tenho muito apego pelos meus livros, já emprestei muitos que sumiram misteriosamente ou voltaram totalmente destruídos então hoje em dia só empresto para minha mãe e irmão, que não tem como evitar, e para meus amigos mais próximos que eu sei que vão cuidar tão bem quanto eu.

  • Falkner Moreira
    23 jul 2017

    Oi Débora! Super te entendo, viu? Harry Potter são os livros que não tenho coragem de emprestar pra ninguém hoje, porque foram meus primeiros, estão velhinhos e quero preservar as edições por algumas décadas. Mas não acha que negar todo e qualquer livro a um amigo seria o mesmo que negar uma conversa, uma troca de ideias sobre aquele livro? Estou há 2 anos com o livro de um amigo, e emprestei há 5 um livro a uma amiga, e ninguém se importa de fato em ter o livro de volta, porque temos as nossas estantes abertas entre nós. Assim, dividimos experiências, impressões e repertório. Mas óbvio: sempre tem aquele lembrete: cuida direito, não risca (ou pelo menos usa post its), não dobra, não quebra lombada, etc…

  • Mari
    23 jul 2017

    Sinceramente, não tenho problemas nenhum com emprestar livros, mas entendo o que você quer dizer e acho que quem tem que decidir se vai emprestar ou não é você. Respeito sua opinião.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

  • NIZETE RIBEIRO
    22 jul 2017

    Não se sinta só nesse barco. EU também odeio emprestar livros. Não porque eu nunca tenha tentado, pelo contrário. Sempre gostei de motivar as pessoas a ler,mas… elas simplesmente não me devolvem o livro! Ou quando devolvem, estão irreconhecíveis. Daí gritei pra mim mesma.CHEGA! Passei a presenteá-las. “NIzete vc tem o livro X?” “Pode me emprestar?” “Claaaaaaroooo…”
    No dia seguinte estava eu com o embrulho e dentro dele um livro que comprei. E ainda explico “Não gosto de emprestar livros, desculpe, mas achei legal te presentear” A pessoa sem ação, ganha o livro, não fico 100% ruim com ela e ela passa a respeitar minhas regras não me pedindo mais. Re-sol-vi-do! 😉

    Abs
    Nizete
    Cia do Leitor

  • Roberta Gouvêa
    22 jul 2017

    Ai, guria. Te entendo e compartilho da tua opinião. Me senti completamente contemplada com a atua fala. Todos os livros que empreste voltaram estragados ou não voltaram. Hoje, é regra: não empresto pra ninguém. E quando conheço alguém que curte ler, já vou falando “tu também não gosta de emprestar livros?” antes que a pessoa pense em me pedir.
    Beijos <3

  • Valéria
    21 jul 2017

    bem, já eu sou de tipo que empresto para amigos que sei que terão cuidado, e que se por um acaso der algo errado e o livro vier danificado, certamente nao foi por querer… já me neguei a emprestar livros pra determinadas pessoas e em outros casos até emprestei e depois disse: pode ficar com ele pra vc.

    eu gosto de presentear com livros as pessoas que gosto, e volta e meia ganho mtos livros assim…

    sobre riscar e afins, eu risco quando são meus. faço anotação, caneta, marca-texto e o escambau, mas se pego emprestado o de alguem, jamais farei isso…

    mas entendo sua raiva, total compreensível…
    bjs…

  • Kah Fernandes
    21 jul 2017

    Aonde eu assino embaixo? Amiga, tirando a parte que a minha mãe não chega NEM PERTO dos meus livros eu me identifico plenamente com tudo que disse. Eu não gosto, com a diferença que eu já falo para a pessoa, eu NÃO empresto meu livro, não adianta, quando eu compro ou ganho eu crio um laço e me tirar ele por mais que eu não esteja mexendo nele por hora me deixa doida, eu não consigo, então somos iguais nesse quesito. Mas para você talvez eu emprestasse, pois sei que os cuidados extremos que tenho com os meus você teria também. Mas só por isso heim. kkkk

    Beijos

  • Sandra Mendes
    20 jul 2017

    Hey, Débora!

    Não é exagero nenhum, não. Até porque, pelo que você conta, eu acho até que sou um pouco pior, porque não dou desculpa nenhuma. As pessoas me pedem livro emprestado e eu digo numa boa: “Não. Eu não empresto meus livros.” ahahahahaha Não tenho o menor problema com isso. Já emprestei muito no passado e perdi vários, ou porque voltaram destruídos, ou porque nunca mais voltaram mesmo. Então cansei. Você conta nos dedos de apenas uma mão as pessoas para quem eu empresto, porque sei cuidam bem, que vão ler mesmo e devolver logo.
    Agora, pro resto, eu nego mesmo. Não tô nem aí.

    Beijos!

  • Marcia
    20 jul 2017

    Olá!
    Vivo emprestando meus livros(odeio) mas amo sempre tenho aquela sensação de depois trocar ideias.
    Sempre quebro a cara e já tive que comprar exemplar que era importante na minha estante..
    Agora estou tentando não fazer mais isso , digo emprestar, mas me sinto tão mal, tão egoísta.
    Bem, acredito que meu lado maldoso provavelmente irá vencer, mesmo que tenha um diabinho ou anjinho dizendo para mim do que adianta guardar conhecimento só pra si. Vamos ver! rsrsr

  • Amanda
    20 jul 2017

    Oi! Super entendo seus pontos, eu gosto de emprestar e não tenho muito problemas com isso, mas confesso que é muito chato quando ele vem todo amassado, já passei por isso! Livros são preciosos demais <3

    Beijos!

  • Letticia Gabriella
    20 jul 2017

    Meu reino por nunca emprestar livros para ninguém, nem que seja alguém da família! Eu te entendo completamente e vi minha própria postura nas suas palavras, porque também odeio emprestar e realmente nunca empresto. As pessoas ficam com raiva, me chamam de egoísta… algumas até já se afastaram de mim. Mas em uma semana onde estamos vendo tanta discussão sobre a propriedade de cada um por causa da treta dos colecionáveis, acho que é válido trazer a questão dos livros à tona. “Ah, mas você tem um monte”. É, mas são meus, eu trato eles como filhos e não gosto de emprestá-los. Cabe a cada um respeitar isso, e, caso eu empreste, me devolver da mesma forma que pegou. Acho que isso é o básico, mas como as pessoas parecem não compreender isso, prefiro que eles fiquem bonitinhos na estante! Um beijo :*

  • O Usuário laoliphantblog não existe ou é uma conta privada.