Literaría 13abr • 2017

Porque as heroínas de romances de época são tão importantes?

Sempre que eu vou falar sobre algum romance de época, eu tenho que começar com “eu simplesmente amo romances de época”, e já que vamos falar de um assunto um tanto quanto importante, acho que repetir essa afirmação é mais do que fundamental para que vocês possam entender o que eu estou querendo fazer aqui. Bem, eu já estive do outro lado. Eu já fui uma das pessoas que teve muito receio de dar uma chance a um romance de época. Eu já critiquei sem ler e já criei vários pontos negativos para o gênero sem nem mesmo experimentar. Até que eu li O Duque e Eu, e as coisas mudaram desde então.

O pronto forte dos romances de época, como todo mundo sabe, são as suas heroínas. Cada uma delas tem uma característica própria de pensar, uma vontade a ser realizada e um pensamento muito à frente do seu tempo. Suas representações variam desde a mocinha inocente em busca do cavalheiro perfeito, até mesmo a moça mais difícil que se recusa a casar por menos do que o amor da sua vida. Apesar de parecer muito água com açúcar, as heroínas de romances de época são muito importantes para que possamos entender os conflitos sofridos pelas mulheres daquela época e como essas moças com “pensamentos diferentes” são importantes para entendermos como a nossa sociedade chegou aonde está hoje.

Sim, eu estou aqui para dizer para vocês que romances de época não são apenas sobre encontrar um Duque ou um Marquês. Muitas pessoas acreditam que o gênero é só mais uma história de amor maravilhosa, mas a verdade é que as suas heroínas escondem nas entrelinhas personalidades cativantes e desejos que vão muito além de uma casa confortável e um marido amável: elas querem a sua própria voz. E é justamente aqui que eu quero começar a mostrar para vocês o porquê é tão importante darmos atenção a esse gênero literário que, muitas vezes, é negligenciado porque as pessoas não gostam mais de um bom romance.

Em Romance com o Duque, a personagem principal Izzy, publicava contos no jornal sob o nome do seu pai que, durante anos ganhou uma fortuna considerável com as histórias escritas pela sua filha. Izzy colocava no papel tudo aquilo que desejava viver na sua pacata vida de moça da sociedade escocesa. Izzy esconde o segredo mesmo depois da morte do pai, porém, quando recebe o incentivo do seu par romântico para continuar a escrever, Izzy recebe uma carta muito interessante do antigo editor de seu pai, dizendo que o seu trabalho talvez não fosse tão bom assim. Acredito que a gente conheça situações bem parecidas nos dias de hoje, não é mesmo?

O mesmo acontece com Minerva, em Uma Semana Para Se Perder. No enredo do segundo livro da série Spindle Cove, Minerva é uma personagem apaixonada por geologia e passa anos atuando como geóloga sem que ninguém suspeite que ela, na verdade, é uma mulher. Bem, até que ela precisa apresentar sua mais recente descoberta em um simpósio e seu trabalho é automaticamente desqualificado por causa do seu sexo. Entendem onde eu quero chegar com tudo isso? Apesar das histórias girarem em torno de paixões avassaladoras, os romances de época retratam através de suas heroínas algumas dificuldades que, infelizmente, ainda vivemos em pleno século 21.

Os romances de época também é um gênero que explora muito da sexualidade feminina de uma forma bastante positiva. Afinal, porque os homens podem abertamente satisfazer os seus desejos e as mulheres precisam ser finas e recatadas, não é mesmo? Vemos isso de forma bem clara em Codinome Lady V, onde a personagem principal vai a um clube chamado Nightingale, criado justamente para que as mulheres possam explorar sua sexualidade sem ter sua identidade revelada. Além disso, outros romances de época, como os de Julia Quinn e Mary Balogh, exploram a sexualidade feminina através do romance, onde o par romântico da heroína apresenta para ela os prazeres da vida conjugal de forma que ela se sinta completamente à vontade ao estar ali.

A verdade é que vivemos em um período onde os autores tem cada vez menos cuidado nos enredos que criam. A ideia de um cara controlador, ciumento e absurdamente possessivo tem tido cada vez mais espaço no mercado editorial e não de uma forma negativa. E os romances de época, querendo ou não, são uma válvula de escape para esses enredos mais “pesados”. Eu gosto da ideia de um enredo onde a minha heroína não abaixa a cabeça com facilidade, onde ela não aceita menos do que ela quer, mesmo por um título de nobreza. Eu gosto de ler sobre mulheres que querem se apaixonar por alguém, mas não querem apenas isso.

As heroínas de romances de época têm uma característica feminista muito forte. Elas estão sempre questionando os costumes da sociedade em que vivem e, mesmo aquelas que querem um casamento, você percebe que o desejo dela é algo pessoal e não algo imposto socialmente. E eu acho que esse contato com personagens de pensamento independente é importante, considerando que vivemos em um mundo que está cada vez mais difícil de ser mulher. Por isso, mais uma vez, eu repito: se você ainda não deu uma chance a um romance de época, essa é a sua chance de começar. Eu tenho certeza que você vai se surpreender.

Gostou desse post? Então curta nossa página do Facebook para acompanhar as novidades.

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

7 Comentários

  • Olá
    uau que legal sua resenha, fiquei impressionada com o seu texto, eu não leio romances de epoca e até entao nunca tive taaaaanta curiosidade mas depois dos seu ponto de vista e saber a importância das protagonistas, com certeza é algo para se repensar, parabéns mesmo, lindo post

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

  • Lilian Farias
    17 abr 2017

    Eu li romances de época e não gostei, realmente não é algo que me apetece. ‘Suas representações variam desde a mocinha inocente em busca do cavalheiro perfeito, até mesmo a moça mais difícil que se recusa a casar por menos do que o amor da sua vida.’ Esse é o tipo de personagem, que hoje, não me atrai mais em uma leitura. Mas não duvido que as personagens tenham personalidades cativantes, só acredito que tenha seu público alvo. ‘A verdade é que vivemos em um período onde os autores tem cada vez menos cuidado nos enredos que criam. A ideia de um cara controlador, ciumento e absurdamente possessivo tem tido cada vez mais espaço no mercado editorial e não de uma forma negativa.’ Concordo plenamente.

  • Maria Luíza
    16 abr 2017

    Oi Débora, tudo bem?
    Como você, eu também tinha um certo preconceito com romances de época. Achava que as histórias eram superficiais e que eram todos iguais. O livro que me fez mudar de ideia foi justamente “O Duque e Eu”.
    O que mais chamou minha atenção naquele livro foi a personalidade forte da Daphne, e o modo como ela defende suas opiniões e não se satisfaz com a ideia de casar com qualquer um só para não ficar solteira.
    Ainda não li os outros livros que você citou, mas estão na minha meta de leitura.Adorei seu post e achei legal você mostrar que há mais nos romances de época do que as pessoas pensam.
    Beijos!

  • Alzinete Rodrigues
    16 abr 2017

    Oiiiiiiii,Acho que gostei de ”romance de época” parece ser bastante interessante,Sua resenha ficou show bastante organizada,Arrumada e o ponto principal,Meu parabéns ficou ótimo o post.

  • Nuccia
    15 abr 2017

    Débora, você conseguiu um feito inédito! Acabei de me interessar por romances de época! Pq, olha, eu jurava que eram romances focados em achar marido e isso, essa visão simplista, me deixa bem irritada.. Mas!!! Eis que você me apresentou um lado que quase nunca vejo nas resenhas! Agora irei prestar mais atenção ao contexto histórico e irei começar pela Tessa! 😉

  • Thainá
    15 abr 2017

    Oie, tudo bem?

    Gostei bastante do seu post, porque sou APAIXONADA por livros de época e concordo com você, as mocinhas, apesar de estarem vivendo uma história de romance, passam por umas coisas que nossa… e muitos temas de fundo que são importantes são abordados. Mas ao mesmo tempo tbm curto livros com o famoso “cara controlador, ciumento e absurdamente possessivo”. Mas acho que isso vai de cada um e da forma como leva essas histórias.

    Abraços

  • Karine Fernandes
    14 abr 2017

    DEBBBB, sua linda me abraça. Você bem sabe que esse gênero é meu ponto fraco, eu sempre fiz resenhas desse tipo de livro eu AMO demais, tem muitos ainda que preciso ler, comprei milhares e ainda não li todos mas indico. Fico tão feliz de ver que as pessoas estão reconhecendo que romance de época é bem mais do que procurar marido. Gente estamos tendo tantas personagens fodas, que se eu for enumerar não paro mais. Amei, você me deu até inspiração para falar sobre isso no meu blog. O que mais temos são pessoas criticando sem nem conhecer, precisamos parar com isso. AMEI AMEI AMEI. Já disse que amei? kkkk

    Beijos

  • O Usuário laoliphantblog não existe ou é uma conta privada.