SOSELIT 16mar • 2018

SOSELIT #3 – Eu quero reclamar sobre romantização do relacionamento abusivo

O tema do #SOSELIT este mês propõe um tema que já é muito discutido aqui no blog, e uma tecla na qual eu vou bater enquanto eu achar que isso é um problema: romantização de relacionamento abusivo na literatura. E isso não poderia ter vindo em um momento melhor porque, justamente esse mês, eu terminei de ler mais um “romance”, onde a personagem principal sofre diversos abusos durante os capítulos, mas a história é vendida como um romance e aplaudida pelos leitores. Vocês conseguem enxergar onde está o erro nessa situação toda?!

Eu sempre fui uma grande apaixonada por uma boa história de amor,, não importando o gênero. Mas a minha visão sobre o que se caracteriza um bom romance veio mudando muito de uns anos para cá, principalmente depois que eu comecei a ter um contato maior com o movimento feminista e a me conscientizar de que certos comportamentos não são muito normais. Com isso, meu gosto literário foi mudando bastante e, alguns livros que antes eram um dos meus favoritos, hoje me deixam enjoada apenas de lembrar que um dia eu achei aquilo a oitava maravilha do mundo.

Mas hoje eu não estou aqui para fazer outra crítica a Princesa de Papel e nem para lembrar a vocês que o relacionamento da Abby e do Travis, de Belo Desastre, é abusivo. Na verdade, eu queria conversar com vocês sobre consciência literária e porque eu simplesmente não consigo me calar quando eu me deparo com um enredo que é completamente fora daquilo que eu considero um romance saudável dentro da literatura. Até onde vai a nossa responsabilidade quando damos cinco estrelas para um livro que, claramente, romantiza um relacionamento abusivo?

Eu sei que muitos de vocês ainda não pararam para pensar nisso. Sei disso porque Belo Desastre, Princesa de Papel e, a minha última leitura decepcionante, Atraída por um Highlander, são livros que retratam relacionamentos abusivos e que possuem avaliações acima de quatro estrelas no Skoob. E não, eu não estou aqui para apontar o dedo ou culpar alguém, mas eu queria entender como vocês se sentem quando entram em contato com esse tipo de enredo. Esses relacionamentos são realmente algo que vocês desejariam viver na vida real?!

Não sei se o tempo começou a me fazer questionar certas coisas, ou se foi o grupo de pessoas que começaram a fazer parte da minha vida, mas alguma coisa mudou na minha visão de leitora, sabe? Eu não tenho vergonha de admitir que livros como Belo Desastre já passaram na minha mão como a melhor coisa do mundo, mas depois de sentir na pele o que é um relacionamento abusivo, eu simplesmente não consigo deixar passar um romance que, não é exatamente um romance. Estaria eu, me tornando uma crítica muito chata de enredos?! Me digam vocês.

Não consigo deixar de pensar que, pelo menos enquanto blogueira literária, é meio que a minha obrigação alertar os meus leitores sobre esses pequenos gatilhos nos livros. Por mais que eu seja a favor da liberdade dos enredos, existe uma parte em mim que não consegue compactuar com a visão romântica de certos autores. E não é nada contra eles, porque eu também acredito que cada um escreve o romance que deseja viver, mas eu não acho que seja “legal”, a gente vender a ideia de um relacionamento onde a mulher é constantemente humilhada e abusada pelo nosso suposto herói.

E eu tenho que confessar que eu queria essa mesma consciência por parte das editoras. Eu sei que New Adult é um gênero romântico que esvazia as prateleiras da Saraiva muito rápido, mas por mais que isso seja ignorado, as editoras têm que admitir que precisa existir um bom senso. Uma mesma editora que publica livros feministas, não pode ser a mesma editora que coloca na mão de adolescentes livros que fazem apologia a relacionamentos abusivos. E ponto. Onde está as regras do politicamente correto que vocês cobram da televisão e outras mídias, quando se trata das editoras?!

Nós fazemos muito barulho quando vemos uma cena de estupro em séries como Game of Trones. Berramos no Twitter, criamos hashtags e #somostodosalguém quando o assunto é a televisão. Porque o mesmo não acontece com a literatura? Até hoje eu não vi ninguém levantando a questão do estupro totalmente desnecessário na série Os Irmãos McCabe, da Maya Banks. Ninguém fez textão no twitter porque Travis Maddox agrediu uma pessoa que deu um sorriso simpático para a Abbi e, eu não vejo ninguém problematizando o slut-shaming de Princesa de Papel.

Não é muito difícil a gente perceber que existe um certo “passe livre” para o errado quando se trata de publicações editoriais. Outro dia mesmo eu estava vendo em um grupo do whatsapp, algumas blogueiras tentando justificar o comportamento dos personagens de Princesa de Papel quando todo mundo sabe que não existe motivo no mundo que justifique um homem ameaçar a integridade física de uma mulher simplesmente porque ele pode fazer isso. E então eu me pergunto: Como vocês conseguem fazer textão sobre a Clara apanhando do Gael na novela das 21hrs, mas são totalmente compreensivos quando o herói do livro humilha e agride verbalmente a personagem principal com a desculpa de uma paixão reprimida?!

Eu não acredito que exista justificativa para que a gente coloque nas prateleiras romances que incentivam nossos leitores a acreditar que, quanto mais o homem te maltrata, mais apaixonado por você ele está. Mas essa nossa realidade não vai mudar enquanto a maior parte dos leitores ficar dando cinco estrelas para livros como Belo Desastre, Princesa de Papel, Atraída por um Highlander – e toda a série dos Irmãos McCabe. É preciso criar uma problematização muito maior com esses tipos de enredo, até que autores e editoras entendam que existe formas muito mais bonitas e saudáveis de se escrever uma história de amor.

Não sei se temos espaço para isso ainda, mas gostaria de deixar aqui o meu pedido aos leitores do blog e aos meus amigos blogueiros: não compactuem com enredos que retratam relacionamentos abusivos como algo positivo, por favor. Eu acredito que os blogs literários tenham um poder muito grande para ajudar a melhorar essa nossa realidade literária e, enquanto alguns blogs continuarem achando esses enredos a coisa mais maravilhosa do mundo, nada vai mudar. Nós precisamos ter consciência de que o é retratado nos livros influência muito o que vamos buscar na vida real e que, por isso, não podemos deixar esse tipo de enredo passar batido, por mais maravilhoso que ele seja.

Eu realmente espero que esse texto tenha ajudado, de alguma forma, a vocês entenderem como é grave dar uma nota de cinco estrelas para um livro romântico abusivo. E eu realmente espero que, daqui em diante, todo mundo tenha um olhar um pouco mais crítico quando se trata de romances. É preciso falar sobre isso, é preciso fazer textão e problematizar. A literatura também precisa de um ambiente saudável onde abusadores não passarão e isso começa aqui, com a gente.

Como vocês se sentem com a romantização do relacionamento abusivo na literatura? Deixa aqui nos comentários e vamos falar sobre isso!

CRÉDITOS DE IMAGEM: FOTO 1, FOTO 2, FOTO3.
Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

10 Comentários

  • Ana I. J. Mercury
    31 mar 2018

    Débora, olha, sinceramente, cada dia eu te admiro mais, mulher!
    Que texto! Que tudo!
    Perfeito, disse tudo!
    Realmente não devemos jamais compactuar com esse tipo de livro.
    Abusos físicos e psicológicos não são normais, não devem serem aceitos e muito menos propagados como “amor demais” ou “amor reprimido”.
    Quem ama protege, cuida e principalmente, aceita quando não é correspondido.
    Eu acredito que quando uma “coisa” é muito falada como boa, sendo ruim, as pessoas acabam “aceitando” como algo bacana e bom. Por isso devemos sempre recusar e lutar contra esse tipo de livro sim, e jamais acreditar que a violência tem justificativa, porque nunca terá!
    Parabéns pelo post!
    bjs

  • Ana Carolina Venceslau Dos Santos
    31 mar 2018

    Eu também odeio essa romantização desnecessária de Atos abusivos Eu já vi essa cena de vários livros que sinceramente me causavam muita repulsa e a autora justificava o quê a sensação de posse que o protagonista tinha sobre a mocinha era apenas em relação à proteção só que não era era completamente abusivo e sufocante

  • CATARINE HEITER MORAES BONESS
    24 mar 2018

    Post perfeito! Não importa o contexto, se é romance de época, se o personagem é descompensado… estamos lendo no hoje, no agora e isso será lido por muito mais tempo adiante… é uma bola de neve a reforçar no tempo presente algo que não é mais cabível, que se discute tanto! Se já somos capazes de criticar as várias mídias, que passemos a fazê-lo também aos livros e aos autores.

  • suzana cariri
    22 mar 2018

    Oi!
    Gostei muito desse post, realmente esse é um lado que esta me incomodando muito ultimamente, acho que quando comecei nesse mundo da leitura, por ser menos critica ou talvez mais nova, não tinha esse olhar sobre minhas leitura, por isso acabamos lendo muito coisa que achamos boa, mas que depois de alguns anos quando lemos acabamos vendo que não era bem assim, de todos esses livros só tive contato com princesa de papel e concordo, esse livro me incomodou muito principalmente da forma que vemos os irmãos tratarem a menina, só que infelizmente não é só esse livro que vemos essa situação de abuso romantizada e infelizmente o romance parece acabar fazendo as pessoas esquecerem sobre os abusos, pois sempre vejo todas as pessoas comentarem o final, mas ninguém nunca comenta os começos, os abusos, por isso gostei muito que você trouxe essa questão nesse post !!

  • Ane Reis
    21 mar 2018

    Oie miga =)

    Eu me sinto muito incomoda com essa romantização. E de verdade não aceito que aquilo que na vida real é visto como violência, as pessoas acham normais dos livros, sei lá uma espécie de fetiche.

    E o que mais me dói é que são livros escritos por mulheres para outras mulheres, ou seja nós mesmas tentando nos convencer que relacionamento abusivo é amor.

    Adorei seu texto!

    Beijos;**
    Ane Reis | Blog My Dear Library

  • Lily Viana
    21 mar 2018

    Olá!
    Primeiramente, eu não sou desses coisas de relacionamento abusivo, já passei por isso é sei como é. Realmente concordo com você de que eles querem sempre romantiza esse problema em um romance mas o que podemos realmente fazer e continua batendo sobre o tema.

    Meu blog:
    Tempos Literários

  • Oi, Débora!
    Acho muito legal a tua coluna, porque ela dá espaço para discussão sobre temas tão importantes, como o relacionamento abusivo, seja ele em qualquer meio. Concordo contigo que no ambiente literário exista ainda menos cuidado que em outras mídias com relação aos romances abusivos e que o que acaba chegando nas mãos dos leitores, muitas vezes, são cenas de violência e humilhação, vistas, infelizmente, como o ideal de amor e proteção. Conheço pessoas que tentam justificar essas atitudes e episódios a todo custo, e eu simplesmente não consigo entender como alguém pode fechar os olhos e fingir que não é exatamente o que está escrito ali o problema. Já li livros de romance incríveis, nos quais o casal se dá bem, respeitando e amando um ao outro, sendo solidário às dores do companheiro, aplaudindo e vibrando com as conquistas de cada um. Esse é o tipo de amor que devemos disseminar por aí, não importa se em meio televisivo ou literário. E eu sou das pessoas que ainda acredita no poder do coletivo pra uma mudança significativa de pensamento e visão de mundo.

  • Raquel Rodrigues
    19 mar 2018

    Gostei muuiiito do seu texto, e totalmente concordo com você, hoje vemos muitos relacionamentos abusivos sendo romantizados em livros, e isso não é certo geente, meu Deuus. Acredito que somos nós leitores que podemos mudar essa realidade dentro dos livros e editoras, agr se continuarmos dando 5 estrelas para esse tipo de situação, isso nunca irá parar, temos que ter uma posição, se não daqui um tempo não iremos saber o que é de fato um romance de verdade !!

  • Daiane Araújo
    18 mar 2018

    Oi, Débora.

    Dentro de um contexto geral, o relacionamento abusivo é cada vez menos destacado.

    Na minha opinião, passa, diversas vezes, despercebido.

    Isso pode parecer absurdo, mas também é algo bem realístico.

  • Pamela Liu
    16 mar 2018

    Oi Débora!
    Adorei o post! É realmente um tema que precisa ser abordado mais frequentemente nas mídias.
    Eu, particularmente, não gostei de Belo desastre por causa do comportamento do Travis. Para uma pessoa que dizia amar outra, ele era extremamente possessivo, ciumento e agia de forma insana.
    Ainda não li a série Princesa de papel nem a trilogia dos Irmãos McCabe, e nem quero, depois dos seus apontamentos. Acho que as editoras precisam colocar uma nota (warning trigger) sobre o conteúdo do livro quando há romantização de relacionamentos abusivos e outros temas que podem desencadear fortes emoções em pessoas que passaram por essas situações ou que são mais sensíveis para temáticas mais densas.
    Geralmente leio resenhas ou assisto videos resenhas antes de ler algum livro. Se na resenha a pessoa aponta a existência de romantização de relacionamento abusivo, eu nem leio. Realmente não é saudável expor os leitores a essas situações como algo normal e até bonito.
    Parabéns por ter escrito esse texto!
    Beijos

  • Siga o @laoliphantblogInstagram