SOSELIT 03set • 2018

SOSELIT #8 Carta aberta aos autores nacionais

Estou há dias pensando em como trabalhar o tema do SoSeLit de Agosto aqui no blog e, a minha dúvida foi tanta que ele, inclusive, está saindo com atraso. Sabe aquele tema que não tem um jeito de falar sem gerar polêmica e discussão, então… esse é um deles. Quem nunca presenciou uma treta entre blogueiros e autores nacionais está vivendo em um mundo paralelo. Embora eu ache que ela briga nem ao menos deveria existir, ela existe e é um dos motivos da nossa relação profissional ser cheia de dedos e, é exatamente sobre isso que nós vamos falar hoje.

Não é a primeira vez que eu trago um pouco sobre a minha relação com os meus autores parceiros. Nesses cinco anos de blog, graças a Deus, eu consegui me cercar de autores que conseguem entender que o que eu estou fazendo aqui é um trabalho e que este merece ser valorizado tanto quando o de qualquer outra pessoa. Mas não é todo mundo que tem a mesma sorte que eu e, por conta disso, esta publicação é uma carta aberta aos autores que acreditam que blogueiros não devem cobrar pelo seu trabalho.

Posso começar contando um segredo? Eu sempre quis ser autora nacional também. Inclusive, comecei a trabalhar nisso recentemente. E eu não vou fazer a hipócrita e dizer que a luta de vocês nem é tudo isso, porque eu sei que é. Outro dia eu vi uma autora da minha região pagar quase 4 mil reais para publicar um livro com uma editora que nem material de divulgação fez para ela, sabe? E me doeu muito não poder fazer mais do que eu podia para ajudar.

O problema é que essa empatia não é recíproca, entende? Outro dia mesmo rolou uma polêmica de um autor nacional reclamando dos preços cobrados por uma Booktuber famosa. Eu não sei quem era, mas o posicionamento que o cara tomou me deixou mais do que chateada. Tudo bem, eu entendo que nem todo o autor tem dinheiro para fazer certos investimentos, mas exigir que blogueiro faça um trabalho de divulgação por amor apenas porque você quer que seja assim, não é justo, não é?

Lembra quando eu falei do famoso “se eu gostar, eu compro”? Do lado de cá, dos blogueiros, isso rola bastante. Quantas propostas eu não recebi dizendo que me mandariam muitas coisas e se eles gostassem, pagariam o valor cobrado na proposta? Já perdi a conta. E eu sei, para vocês enviarem um livro requer um investimento e tudo mais, mas para que eu leia o seu livro, também requer um investimento da minha parte, embora ele não seja exatamente monetário, ele existe.

Parece muito fácil, não é? Basicamente, eu sento na frente do computador, escrevo uma resenha e leio um livro. Ou pelo menos é isso que a maior parte de vocês acredita que a gente faz aqui. Então, seria certo eu dizer que você só senta na frente de um computador e escreve um livro? Eu acho que não. Para fazer esse blog funcionar eu tenho que criar um conteúdo bacana e, só nessa parte o “sentar na frente do computador e escrever” já cai por terra. Depois eu tenho que revistar, editar, revisar mais uma vez e quando você pensa que acabou, tem que fazer fotos, editar fotos, editar vídeo. E aí vem a parte da divulgação, né? Facebook, Twitter, Instagram, Stories etc. tudo mais de uma vez por dia, tá?

Cansou? Eu também, mas ainda não acabou. Depois de fazer isso tudo para cada um dos posts que eu publico 4 vezes por semana, eu ainda tenho que pagar os investimentos em impulsionamento, anúncio, domínio do blog, manutenção do layout, hospedagem, envio de livros para sorteio etc. Por mês, meu gasto com o La Oliphant passa de 350 reais e, tudo isso, para ouvir que eu não deveria cobrar pelo meu trabalho, que eu deveria fazer de graça, por amor.

Eu já ouvi muito autor nacional falando que não queria enviar o livro dele “de graça” para blogueiro ler e, eu preciso demais que vocês entendam que não é exatamente de graça, mas sim um investimento. O mesmo investimento que vocês fazem, sem pensar duas vezes, em Facebook Ads e Instagram Ads. A única diferença é que, ao invés de uma máquina, tem uma pessoa se esforçando o máximo que pode para que seu livro seja lido e muito apreciado pelos leitores brasileiros.

Complicado, não é? Mas eu vou repetir aqui uma coisa que a Ray Tavares, autora de Os 12 Signos de Valentina disse: “Todo trabalho tem valor e quando vocês desvalorizam o trabalho do coleguinha, está automaticamente desvalorizando o seu, porque, afinal, a pessoa pode pensar “por que falar de livro não deveria ser pago, mas escrever livro deveria?”. Sendo assim, termino esta publicação na esperança de que um dia possamos viver em um mundo onde todo mundo se ama e se respeita.

Antes de ir embora, aproveita para conferir o post dos outros blogs participantes do SOSELIT: Pétalas da Liberdade, Eu Insisto, My Dear Library, Diário de uma Leitora Compulsiva.

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

9 Comentários

  • […] quando eu acordei numa manhã e resolvi que o La Oliphant seria o meu próximo projeto pessoal, eu não acreditava mesmo que ele fosse resistir por 5 longos anos. Honestamente? Eu acho que ninguém do meu círculo de amizade achou que eu conseguiria levar isso […]

  • Patrini Viero
    17 set 2018

    Acho bastante complicado toda essa rixa que se cria cada vez que uma polêmica como essa é criada. Só quem vive nesse mundo da blogosfera, do bookstragram ou do booktuber sabe como é complicado e exige esforço se dedicar a trazer um conteúdo legal praticamente todos os dias. Desvalorizar ou menosprezar esse trabalho é não perceber a real importância dele. Seria muito mais produtivo para a literatura brasileira, ainda em expansão, uma união de todas as partes para criar um cenário propício e fértil ao desenvolvimento e sucesso de títulos tão incríveis quanto os que estão sendo lançados recentemente.

  • Michelli Prado
    06 set 2018

    Eu acho bacana as pessoas saberem como é as coisas na realidade, pois a gente participa dos blogs e é importante a gente realmente ler e comentar sobre o trabalho daquela pessoa. Porque se a gente mesmo fizesse isso, a recompensa de tempo pelo trabalho é o reconhecimento daquilo que você esta fazendo. É tempo e trabalho feito. É uma linha que tem duas vias. Recentemente vi um vídeo do Segredos entre Amigas que falava bem sobre esta temática e acho que cada vez mais as blogueiras merecem reconhecimento pelo trabalho. Excelente postagem.

  • Daiane Araújo
    04 set 2018

    Oi, Débora,

    Você tocou em um ponto importante e delicado, porque de fato, acho que falta muita valorização e reconhecimento da parte de quem quer a sua obra devidamente divulgada.

  • Kleyse Oliveira
    04 set 2018

    Oi Débora!
    Adoroooo esses posts que você faz, sobre os livros nacionais esse ano estou lendo mais nacional do que internacional, pois quero ajudar os autores brasileiros a alcançar mais e mais alcance.
    Continue a fazer post assim, pois estou amando.

  • Ludyanne Carvalho
    03 set 2018

    Eu realmente amo essa coluna!
    E o que dizer desse post?
    Confesso que estou sem palavras porque concordo com tudo o que disse.
    É uma dedicação de ambos os lados, e ambos precisam ser valorizados.
    E blogueiros são de extrema importância na literatura, ainda mais na nacional que é tão pouco vista.

    Beijos

  • Luana Martins
    03 set 2018

    Olá, Débora
    Gostei muito do tema que você abordou nesse Soselit.
    Eu entendo os dois lados da moeda. Nem todo autor tem muito dinheiro para investir e nem blogueiro trabalha de graça.
    Mas é só uma questão de conversar, ter entendimento dos dois lados, fiquei sabendo dessa treta aí. O autor em questão poderia ter procurando outro blogueiro ou ter conversado para ela abaixar um pouco o preço e tal, e não sair falando o que ele disse.
    Beijos!

  • Pamela Liu
    03 set 2018

    Oi Débora.
    Esse relacionamento entre autores nacionais e blogueiros é algo que não deveria existir.
    Não sei porque é tão difícil para os autores entenderem que o blogueiro tem todo um trabalho para ler o livro, resenhá-lo, tirar fotos bacanas, fazer a divulgação… e o autor quer todo esse trabalho de graça? As pessoas precisam parar de pensar só em si mesmo e refletir sobre o trabalho que o outro irá ter. Essa história de “ganhar livro de graça” não poderia ser mais errônea.
    Adorei o tema do soselit!
    Beijos

  • Debyh
    03 set 2018

    Eu acho que a parte que desandou toda a treta foi o fato do autor não vê que o que o blogueiro faz é um trabalho, e que assim ele cobra por ele. Se isso fosse entendido todo o resto se resolveria, na teoria lógico. Ótimo texto!

  • Siga o @laoliphantblogInstagram