SOSELIT 24fev • 2018

SOSELIT #2 – Nós precisamos falar sobre as resenhas

O tema do SoSeLit esse mês é algo que está me fazendo bater a cabeça na parede desde o início do mês. Nós decidimos falar sobre como é resenhar livros, principalmente aqueles que recebemos e não se encaixam muito bem no perfil do blog. Foi assim que eu percebi que muitos de vocês não sabem exatamente como é o dia a dia do blog por trás de todas as postagens e fotos e, acreditem, é muito mais complicado do que só ganhar uns livros legais para ler.

Resenhar um livro é muita responsabilidade, ou pelo menos eu vejo desta forma. Seja um livro por parceria com editora ou um livro enviado por um autor nacional, quando eu pego aquele enredo para ler com o objetivo de fazer uma avaliação daquela história, eu preciso ter um monte de coisa em mente antes mesmo de sentar na frente do computador para escrever a resenha. E é sobre isso que eu resolvi falar com vocês nesse segundo post.

Vejam, eu amo receber livros. Acho que não existe um blogueiro literário por aqui que não goste. Mas sendo bem honesta com vocês, e comigo, resenhar livros às vezes pode ser algo muito exaustivo. Primeiro porque não é sempre que você vai ler só o que você quer e, por mais que às vezes você queira escapar daquela leitura indesejada, você simplesmente não pode. É meio que um compromisso silencioso que você faz consigo e com seus leitores de entregar sempre sua opinião honesta e verdadeira sobre uma leitura, mesmo que seja uma leitura que você não quer fazer.

Qualquer pessoa que convive um pouco comigo sabe o quão exigente eu sou com as minhas resenhas. Eu gosto de entregar uma boa opinião para vocês, sabe? Levantar os pontos positivos e negativos do livro e, apesar de todas as minhas resenhas serem baseadas na minha experiência de leitura, eu tento ser parcial o suficiente para que vocês possam decidir sozinhos se dariam ou não uma chance para aquele livro. O problema é quando você simplesmente não está com vontade nenhuma de ler e a pilha de livros não lidos só aumenta a cada dia.

Sim, resenhar livros não se trata apenas de fazer uma leitura gostosinha atrás da outra. A maior parte de nós (blogueiros) tem prazos a cumprir para a entrega dessas resenhas e os prazos não mudam quando estamos exaustos ou só com vontade de maratonar uma série na Netflix. E de tudo, eu acho que a pior sensação – pelo menos para mim – é ter que me forçar a ler um livro que eu não estou com vontade, simplesmente porque eu preciso resenhá-lo até não sei qual o dia.

De todas as coisas maravilhosas do meu blog, essa é a parte mais cansativa, principalmente quando eu estou no meio de uma crise de ansiedade e só quero deitar no chão das americanas e sofrer. E não é apenas isso, sabe? Mesmo não querendo ler aquele livro, eu tenho que me manter focada no enredo para construir uma opinião honesta para compartilhar com vocês, filtrando completamente a forma como eu estou me sentindo naquele momento, da forma como eu me sinto em relação a leitura.

Parece complicado, não é? E realmente é, ainda mais quando você toma para si a responsabilidade de resenhar ou divulgar um livro nacional. A relação entre autores nacionais e blogueiros sempre foi cheia de altos e baixos e, quando você escolhe resenhar um livro nacional, a sua honestidade precisa ser cuidadosa para não ofender o autor ou não gerar um conflito desnecessário. É quase como andar numa corda bamba, só que muito pior.

Sabe aquela frase do Homem-Aranha que diz que com grandes poderes vem grandes responsabilidades? É exatamente assim que eu vejo as resenhas. É um compromisso que eu tenho com vocês e com todas as pessoas envolvidas no blog de entregar uma boa resenha, uma resenha real e honesta, seja de um livro que eu tenha amado demais ou de um livro que, para início de conversa, eu nem queria ler.

E ainda tem pessoas que acham que sentar na frente do computador e dar a sua opinião sobre algo é a coisa mais fácil do mundo. Só que não é. Você tem que considerar muitas coisas, filtrar muitas coisas, abrir seu pensamento para muitas coisas e, às vezes, isso te consome por inteiro. Resenhar livros não é tão fácil como parece, mas é a melhor coisa do mundo para mim, apesar de tudo, por causa de tudo.

Gostou do post? Então não se esqueça de se inscrever na newsletter do blog para acompanhar os próximos conteúdos.

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

12 Comentários

  • Ana I. J. Mercury
    28 fev 2018

    Parabéns Débora, você disse tudo!
    É bem isso mesmo.
    E o que torna tudo mais pesado, é a falta de maturidade de alguns autores/editoras que não aceitam a nossa opinião, sendo que parceria é justamente pra isso, colher opiniões, e não compra de elogios.

  • Suzana Chaves Linhares
    28 fev 2018

    Olá Débora! A rotina de um blog é bem intensa e algumas vezes cansativa. Principalmente quando estamos com mil coisas na cabeça e acabamos sem vontade de ler. O mais complicado é ter delicadeza ao falar dos pontos negativos de uma leitura. Dei uma pausa do blog, só estou no IG, ultimamente não estava conseguindo escrever nenhuma resenha e preferi pausar do que fazer algo malfeito. Estou amando essa coluna, beijos!

  • Daiane Araújo
    28 fev 2018

    Oi, Débora.

    Acho que resenhas devem expressar a mais sincera opinião, mesmo que soem ofensivas. É difícil ter que lidar com autores.

  • Aléxia Macêdo
    28 fev 2018

    Mais uma vez você disse todas as verdades necessárias! Sério! Eu lembro que foi você mesma que me ensinou a resenhar livros, com mais qualidade. E até hoje eu sigo o que você me disse. Resenhar é um trabalho DIFICIL, com todas as letras maiúsculas. Para mim é horrível receber livro de parceria, especialmente livro nacional, e nao gostar da leitura, porque eu sei que a autora vai ler aquilo e pode vir me falar várias coisas chatas – como já vi acontecer varias vezes. Enfim, são muitos desafios.

  • Vitória Pantielly
    28 fev 2018

    Oi Débora!
    Imagino e sei um pouquinho como esse trabalho é difícil, confesso que acompanhamos vários blogs e poucos deles tem uma opinião tão sincera quanto a sua, e o melhor, que faz isso sem desdenhar de nenhuma história, mostrando de fato seus pontos bons e ruins. Passei a enxergar alguns livros com outros olhos ultimamente, inclusive a ser mais críticas com romances, antes qualquer um me agradava, hoje já vejo muitos pontos que não enxergava, e isso acontece porque sempre busco mais e mais resenhas!
    Parabéns pelo compromisso e responsabilidade.
    Beijos <3

  • Alison de Jesus
    27 fev 2018

    Olá, esse post só ressalta a responsabilidade envolvida na hora de resenhar. Acredito que essas esporádicas lidas de livros inatrativos só tem a enriquecer o administrador de um blog, pois ele aprende a trabalhar de maneira mais profissional, afinal nem sempre temos que cumprir obrigações que nos agradam, mas mas parte da ética. Beijos.

  • Catarine Heiter Moraes Boness
    27 fev 2018

    Falo por experiência própria, como blogueira de gastronomia (ex): sei exatamente como você se sente! Já comi o que não gostava, já comi quando não queria e já escrevi tendo medo de como esse ou aquele restaurante/chef vai entender a minha crítica. É um mundo de ônus que nem sempre será ofuscado pelo bônus. Da minha parte, fique tranquila. Sei exatamente o trabalho que dá manter este espaço aqui!

  • Michelli Prado
    27 fev 2018

    Olá Debora, tudo bem?
    A gente como leitor alguma vez na vida já tentou fazer a resenha de algum e livro e eu pelo menos senti muita dificuldade de escrever, sem ser tão critica aos pontos que não me agradaram tanto ao livro. Excelente postagem, creio que por isso é tão importante a gente ler toda a resenha e comentar sobre isso, pois sabemos do esforço que fazem para fazer aquela postagem.

  • Ane Reis
    26 fev 2018

    Oie Débora =)

    Eu sempre sinto que estou pisando em ovos quando começo a resenhar um livro de cortesia de um autor, pois morro de medo de ofender o autor e ser a vítima de algum textão nas redes sociais.

    Sobre os prazos o bom de ter poucas editoras parcerias é que consigo intercalar bem entre os livros que recebo e os meus sem ficar muito presa a questão dos prazos. Acho que esse tipo de desespero tira o prazer da leitura =(

    Beijos ;**
    Ane Reis | Blog My Dear Library 

  • Debyh
    26 fev 2018

    Acho que uma das maiores dificuldades é o que você citou: resenhar livros de cortesia de autor. Eu sempre tomo tanto cuidado, e ainda assim acho que devo arrumar, refazer, porque é aquilo, a gente quer dar uma opinião honesta, mas também não quer ofender o autor.
    Nem me lembre de prazos… hoje em dia tento deixar uma folga, mas quando aparece essas épocas sempre bate um desespero né?

  • Janaina Silva
    26 fev 2018

    Nunca tive um blog,mas imagino que realmente não deve ser nada fácil.
    Ler por obrigação deve ser desconfortante mesmo. Principalmente quando à leitura não é bem do nosso gênero,ou simplesmente por não estar com vontade de ler naquele momento.
    Um exemplo disso é que sempre
    leio sobre maratonas ,e sempre digo que para mim não dá.
    A leitura deixa de ser prazerosa e ler com rapidez é frustrante.

    Realmente resenhar não deve ser fácil não! 🙂

  • Paac Rodrigues
    25 fev 2018

    Ler por obrigação é muito muito ruim, eu por exemplo quando leio forçada perco parte da obra porque não tem apego e nem emoção e acho que uma boa leitura ela tem emoções envolvidas e na força isso não acontece, quantos livros não deixei de lado pra poder descansar vendo série e depois me senti culpada? Ser blogueiro é ótimo mas os compromissos e obrigações as vezes pesam demais.

  • Siga o @laoliphantblogInstagram