resenha-duque-e-eu-julia-quinn-arqueiro-imagem-scaled. 29 dez, 2020

O Duque e Eu, de Julia Quinn

Minha primeira experiência lendo romances de época. Não consigo acreditar que já fazem 7 anos que eu coloquei O Duque e Eu na minha estante pela primeira vez. Com uma narrativa picante e personagens de língua afiada, Julia Quinn fez com que eu me apaixonasse pelo período regencial ainda mais do que eu já era — e preciso dizer que foi a melhor coisa que já me aconteceu. Se é a sua primeira vez lendo romances de época, provavelmente irá estranhar o clichê constante em todos os enredos, a ausência de acontecimentos impactantes e plots bem desenvolvidos. Mas o gênero tem o seu apelo, não se engane. A atmosfera regencial em O Duque e Eu é algo que contribuiu muito para o envolvimento do leitor, os diálogos sempre tem um ritmo provocante e as cenas românticas são de deixar qualquer um suspirando pelos cantos.[...]
continue lendo
mor-daniel-glattauer 26 dez, 2020

@mor, de Daniel Glattauer

Tenho esse livro na minha estante há algum tempo, acho que até mencionei ele nos stories algumas vezes. Daniel glattauer escreve sobre duas pessoas que se conhecem acidentalmente por e-mail e, através dele, acabam desenvolvendo uma relação virtual. O leitor acompanha a troca de e-mails de leo e emmi e, apenas através das palavras, observamos sentimentos serem construídos, vividos, superados. Eu sempre tive um fraco por livros narrados através de cartas e e-mails, não é atoa que eu sempre recomendo teto para dois por aqui. @amor tem um toque diferente, são duas pessoas com vidas encaminhadas — emmi é casada enquanto leo está navegando um relacionamento fracassado. As conversas começam de forma inocente, descontraída, mas é difícil não se sentir tentado pelas palavras um do outro.[...]
continue lendo
radio-silencio-blog-post-scaled.jpg 21 nov, 2020

Rádio Silêncio e a pressão de tomar uma decisão definitiva sobre o seu futuro

Rádio silêncio tem várias facetas: você pode ler  a amizade da frances e do aled, você pode ler os relacionamentos secundários ou, no meu caso, você pode ser a pressão pela qual os dois personagens passam para tomar uma decisão definitiva sobre o seu futuro. Frances é a melhor aluna do seu colégio. Tem as melhores notas, é representante de classe e leu todos os livros clássicos possíveis. Tudo isso com o único objetivo de impressionar as universidades e conseguir entrar a tão sonhada vaga nas mais disputadas. As universidades querem os melhores alunos, então ela tinha que ser a melhor.[...]
continue lendo
20 nov, 2020

A Memória de Babel, de Christelle Dabos

Existe muito que pode ser dito sobre A Memória de Babel – talvez esse seja o melhor livro da série inteira, mas ainda não é possível afirmar. Mas ao invés de falar de forma genérica sobre essa leitura, quero falar sobre a jornada da ophélie até então. A habilidade de passar espelhos foi a primeira coisa que me chamou atenção. Não pela magia de passar espelhos em si, mas tudo o que isso demandava da personagem: coragem & autoconhecimento. Ao longo do primeiro e segundo livro, vemos ophélie se envolver em tramas e situações completamente fora da sua zona de conforto. Seu noivado com thorne a colocava em uma posição perigosa, não só fisicamente como emocionalmente. Não me surpreendeu em nada quando, no terceiro livro, ela já não conseguia atravessar espelhos como antes.[...]
continue lendo