Resenhas 20maio • 2018

Rastro de Sangue: Jack, o Estripadorpor Kerri Maniscalco

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Stalking Jack The Ripper
Gênero do Livro: Suspense, Young Adult, Ficção
Editora: Darkside Books
Ano de Publicação: 2018
1º livro da série Stalking Jack The Ripper
Número de Páginas: 354
Código ISBN: 9788594541000

Obs: Este livro foi cedido em parceria com o autor para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Audrey Rose não é a típica donzela inglesa do século xix. Quando ninguém está vendo, a jovem realiza autópsias no laboratório de seu tio, contrariando a vontade de seu pai e todas as expectativas da sociedade. Ela pode não saber fazer um penteado elaborado, mas faz uma incisão em Y num cadáver como ninguém. Seus estudos em medicina forense a levam na trilha do misterioso Jack, cujos assassinatos brutais derivados de uma terrível sede de sangue amedrontam a cidade. E Audrey Rose, empoderada desde o berço, quer fazer justiça às vítimas - ​​mulheres sem voz e marginalizadas por uma sociedade extremamente sexista. Na companhia de Thomas Cresswell, o aprendiz convencido e irritante de seu tio, ela decide seguir seus instintos e os rastros de sangue do notório assassino. Afinal, nenhum homem foi capaz de descobrir sua identidade. Esse é um trabalho para uma mulher. Rastro de Sangue: Jack, o Estripador é o primeiro volume de uma série que já prevê inspiração em outros personagens clássicos da era vitoriana, como o Príncipe Drácula e o Escapista Harry Houdini. É também o romance de estreia de Kerri Maniscalco, autora descoberta por James Patterson, que vem conquistando o coração de leitoras e leitores em todo o mundo. Aqui no Brasil, os fãs podem esperar aquele padrão de qualidade quase psicopata da DarkSide Books. Uma edição feita sob medida para acompanhar os leitores nessa investigação cheia de reviravoltas. E, como se fosse preciso dizer, em capa dura, é claro. Rastro de Sangue: Jack, o Estripador faz parte da linha editorial DarkLove, só com livros escritos por mulheres com grandes histórias para contar. Os detalhes sobre medicina forense aproximam também os fãs de livros da coleção Crime Scene, como O Segredo dos Corpos ou os Arquivos Serial Killers, de Ilana Casoy. Recomendado também para os amantes de CSI, Mindhunter, O Terror Gótico de Penny Dreadful e o Medo Clássico de Edgar Allan Poe.

Ninguém estava mais ansiosa pela leitura de Rastro de Sangue do que eu. E eu posso comprovar isso pelo escândalo que eu fiz quando a Darkside anunciou o lançamento desse livro. Eu estava ansiando pelo dia em que o selo Darklove iria trazer um serial killer para as minhas mãos e esse dia finalmente chegou, ladys and gents. Mas nem tudo são flores na vida de um leitor, não é mesmo? E apesar de eu ter gostado da leitura de Rastro de Sangue, alguns pontos do livro não foram tão positivos quanto eu esperava.

Eu quero começar essa resenha chamando a atenção para a atmosfera sangrenta do livro. Maniscalco tem uma escrita bastante sombria e não poupou detalhes para que o leitor pudesse se ambientar no clima de assassinatos e cadáveres que faz parte do enredo desde o primeiro capítulo. Você consegue visualizar cada detalhe do livro, inclusive os corpos violados pelo Jack, o Estripador e, se a sua imaginação for tão boa quanto a minha, eu acho que dá até para sentir o cheio de putrefação. O único problema é que a autora se estendeu demais nas descrições dos cenários e conforme a história ia caminhando, a narrativa se tornava um pouco maçante.

“Oh? Me mostre no dicionário médico onde está escrito que uma mulher não consegue lidar com essas coisas. Do que é feita a alma de um homem que não exista na alma de uma mulher? – provoquei.”

Dependendo do tipo de leitor que você é, a narrativa arrastada não chega a ser um problema, mas no meu caso foi um incomodo até o final do livro. Como o livro é narrado do ponto de vista da personagem principal, você acaba ficando preso apenas no que ela sabe e, se tem uma coisa que Audrey Rose tem conhecimento é em discecar cadáveres. Sendo assim, ficamos muito mais presos nos estudos científicos da personagem principal, do que nos aprofundamos, por exemplo nos motivos do serial killer está matando – que foi o ponto do livro que eu senti mais falta porque, apesar de ser explicado, não foi realmente aprofundado dentro da história.

Audrey Rose foi exatamente a personagem que eu esperava que ela fosse. Apesar de ser uma garota de apenas 16 anos, ela tem uma personalidade forte e uma ideia do que quer fazer para sua vida que não é abalada pela vontade de terceiros. Eu admiro a forma como ela enfrenta as pessoas a sua volta e faz com que a sua vontade seja ouvida. Mesmo quando proíbida de fazer algo ou obrigada a seguir determinadas regras, ela não deixa de verbalizar o quanto está revoltada com aquela situação, o que para época não era muito comum para moças da idade dela. Além disso, a sua coragem diante do mistério em torno de Jack, o Estripador é realmente interessante de se conhecer, porque não é toda mulher que se arrisca nas vielas de Londres para pegar um assassino, não é mesmo?!

O romance do livro, por outro lado, eu achei um pouco fora de mão. E eu admito, não tem nada que me conquista mais do que um casal que não se suporta no começo do enredo, mas que, aos poucos vai encontrando os seus objetivos e gostos em comuns e, apesar de isso ter acontecido com Thomas e Audrey, eu realmente não consegui sentir que os dois tinham uma química verdadeira. Apesar disso, eu até consegui comprar o romance entre eles, mas não foi algo que veio naturalmente para mim. Espero que nos próximos livros da autora eu consiga ter uma profundidade muito maior do relacionamento desses dois personagens que funcionam muito bem juntos.

“- (…) Aquele lá precisa de alguém pra falar que ele é maravilhoso. Direto me pergunto se aqueles milhões de espectadores são suficientes, se ainda é desesperado pra ser adorado como era naquela época. Ele nunca conseguiu enxergar um valor nele mesmo se não fosse refletido nos olhos de outras pessoas.”

Mas nós temos que admitir que o Thomas carrega nas costas todos os melhores diálogos do livro e, graças ao seu humor muito bem desenvolvido ao longo do enredo, nós temos um pouco de ar fresco no meio de toda a tensão em torno da investigação de quem é o serial killer por trás dos assassinatos que vem acontecendo. Além disso, ele é um personagem muito interessante de se conhecer e eu fiquei satisfeita com o fato da autora ter explorado a personalidade dele ao máximo dentro do enredo. Eu acho que esse toque racional da personalidade dele equilibra bem o lado emotivo da Audrey e, por isso, eles interagem muito bem juntos nas cenas de investigação.

O ponto que realmente me incomodou foi a parte do serial killer, que apesar de ser o centro do enredo não foi tão bem trabalhado quanto eu estava esperando. Eu acho que a autora focou muito na questão dos assassinatos e muito pouco no serial killer. Os personagens estavam mais envolvidos em tentar pará-lo do que tentar entender o porquê de ele estar fazendo aquilo. Faltou profundidade na construção do que seria o “vilão” do livro, assim como eu acho que os motivos que os motivos para os assassinatos estarem sendo cometidos foram um pouco sem sentido.

Confesso que, quando se trata de um livro de serial killer, ainda mais um como o Jack, o Estripador que tem todo um mistério sobre quem ele é e porque ele estava matando aquelas mulheres, é necessária uma construção psicológica do personagem para que quem está lendo consiga se envolver com aquelas mortes e criar o desejo de descobrir quem é o assassino. No caso de Rastro de Sangue, a autora foi muito superficial nessa questão, tanto que o homem por trás dos assassinatos ficou óbvio para mim antes da página 100 e, com isso, o resto enredo foi apenas para confirmar o que eu já sabia.

“- Está me falando que eu perdi um dos meus policiais por causa de um machismo chauvinista tradicional de Yorkshire? – perguntou, incrédula. (…)
– Ninguém achava que um negócio assim ia acontecer.”

Eu gostei muito da leitura de Jack, o Estripador: Rastro de Sangue. Acho que a protagonista era realmente algo que estávamos precisando e que, até um certo ponto, o enredo é realmente interessante para quem estava atrás de algo sombrio, mas não tão sombrio. Eu só realmente esperava mais profundidade na escrita da autora e uma construção melhor do vilão do enredo. Espero que nos próximos livros dessa trilogia eu possa conhecer melhor os personagens da Kerri.

E vocês? Já leram Rastro de Sangue? Conta para mim nos comentários o que acharam dessa leitura!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

12 Comentários

  • Lily Viana
    30 out 2018

    Olá!
    Adorei o livro e tem uma premissa ótima..Eu fiquei um tanto curiosa pelo livro, ainda mais me deixou com aquele ar de curiosidade em conhecer mais sobre os mistério de Jack..

    Meu blog:
    Tempos Literários

  • suzana cariri
    30 jun 2018

    Oi!
    Mesmo não gostando de narrativas muito arrastadas e livros muito descritivos, fiquei curiosa sobre esse livro, achei interessante principalmente todo esse mistério acerca de Jack, o Estripador e principalmente a Audrey que foi uma personagem que me conquistou e me deixou curiosa para ler mais sobre sua historia !!

  • Ana Carolina Venceslau Dos Santos
    30 jun 2018

    O que eu mais gostei nessa releitura foi o fato de terem colocado a protagonista feminina nela e ter conseguido habituar ela tão bem na história e eu não preciso nem mencionar o com linda ficou essa edição muito bem trabalhada da Darkside

  • Atraentemente Evandro
    16 jun 2018

    Os livros da Darkside dispensam comentários quanto à edição. Um enredo super conhecido e que já inspirou tantas outras histórias merece ser lido. Eu também ficaria um pouco frustrado em relação a não explorar tanto o lado do serial Killer, afinal ao mesmo tempo que nos assusta, exercem um certo fascínio (desde que bem longe de mim). Andrey parecer ser uma personagem fascinante.

  • Jade Sibalde
    31 maio 2018

    Fiquei apaixonada pela capa desse livro e morrendo de vontade de ler depois de conhecer a sinopse. Admito que sou uma leitora mega medrosa então estou enrolando para pegar esse livro. Porém a ideia de uma jovem dissecando cadáveres e indo atras de um estripador na era vitoriana é realmente envolvente.

  • Elizete Silva
    28 maio 2018

    Olá! Que chato a história não ter agradado tanto e ter pontos que podem decepcionar o leitor. Gostei da personalidade forte da Audrey, uma pena não ter rolado aquela química com Thomas. Apesar disso, a edição esta maravilhosa e já merece lugar aqui na minha estante.

  • Bianca Melo
    24 maio 2018

    DarkLove costuma trazer boas surpresas, principalmente quando envolvem personagens mulheres que são fortes como Audre parece ser. Amo histórias inspiradas em Jack, o estripador. Todo o mistério em torno dessa figura me deixa muito intrigada, então me decepcionei um pouco quando vi na resenha que as motivações do personagem não são bem trabalhadas. Mesmo assim me interessei muito pela história, quero ler assim que possível (assim como os outros livros da série).

  • Micheli Pegoraro
    23 maio 2018

    Oi Débora,
    Quem é que não faz um escândalo cada vez que a DarkSide publica um livro? Eu mesma fiquei louca quando vi o lançamento desse livro, pois adoro essas protagonistas fortes e determinadas.
    Estou ansiosa para conhecer a Audrey Rose e essa profissão peculiar que ela escolheu para a época em que se passa a história. É um livro completinho, que traz um drama familiar muito bem construído, e os dilemas e as dificuldades da protagonista pelo simples fato de ser mulher. Uma trama muito bem elaborada, onde muitos dados e fatos são reais, com uma mistura de realidade com fantasia de uma forma única. Sem falar no suspense que permeia a narrativa, e esse toque de romance de época, que adoro.
    Uma pena que a descoberta do assassino é pouco surpreendente, mas nada que prejudique a minha leitura.
    Estou curiosa para saber quais serão os próximos assassinos abordados nos demais volumes da série.
    Beijos

  • Lili Aragão
    21 maio 2018

    Dos pontos que você citou dois podem realmente me incomodar a falta de profundidade do porque ele assassina e a perspectiva só da protagonista, acho que vou sentir falta de ter mais de uma perspectiva, mas esse é um livro que já esta na minha meta, comprei numa promoção e pretendo lê-lo logo e espero gostar 😉

  • Bruna Lago
    20 maio 2018

    De início fiquei maravilhada com a sinopse; adoro livros que se passam em épocas passadas, imagina esse com mortes e uma mulher tão forte!
    Fiquei um pouco triste quando logo de início você falou que tiveram alguns pontos negativos, sabe quando a gente espera só maravilhas do livro?? Fiquei preocupada com a questão das descrições, realmente quando um autor extrapola nos detalhes, a leitura não flui. Bem, adorei sua opinião sincera do livro, deu pra ver todos os pontos que chamaram ou não sua atenção; vou analisar pra ver se coloco na lista de leitura. Obrigada! Beijos

  • Theresa Cavalcanti
    20 maio 2018

    Oi Débora,
    Já faz um tempo que vejo muita gente comentando sobre esse livro, e to com vontade de ler. Só que não é uma das minhas prioridades, então acho que vai demorar um pouco para eu ler. Achei a capa muito bonita.

  • Kleyse Oliveira
    20 maio 2018

    Oi Débora!
    Como eu não tenho o livro então ainda não cheguei a ler, mas futuramente mesmo já estando ultrapassado o livro irei comprar para ler. Gostei bastante da capa e do enredo parece ser aquelas história que prendem a atenção total do leitor. Bjs

  • Siga o @laoliphantblogInstagram