14nov • 2018

Um Acordo e Nada Maispor Mary Balogh

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: The Arrangement
Gênero do Livro: Romance de Época, Regencia, Romance Histórico,
Editora: Arqueiro
Ano de Publicação: 2018
2º livro da série Clube dos Sobreviventes
Número de Páginas: 304
Código ISBN: 9788580418798

Obs: Este livro foi cedido pela editora em parceria para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Embora Vincent, o visconde Darleigh, tenha ficado cego no campo de batalha, está farto da interferência da mãe e das irmãs em sua vida. Por isso, quando elas o pressionam a se casar e, sem consultá-lo, lhe arranjam uma candidata a noiva, ele se sente vítima de uma emboscada e foge para o campo com a ajuda de seu criado.No entanto, logo se vê vítima de outra armadilha conjugal. Por sorte, é salvo por uma jovem desconhecida. Quando a Srta. Sophia Fry intervém em nome dele e é expulsa de casa pelos tios sem um tostão para viver, Vincent é obrigado a agir. Ele pode estar cego, mas consegue ver uma solução para os dois problemas: casamento.Aos poucos, a amizade e o companheirismo dos dois dão lugar a uma doce sedução, e o que era apenas um acordo frio se transforma em um fogo capaz de consumi-los.No segundo volume da série Clube dos Sobreviventes, você vai descobrir se um casamento nascido do desespero pode levar duas pessoas a encontrarem o amor de sua vida.

Qualquer um que chegou a ler a minha resenha sobre o primeiro livro da série Clube dos Sobreviventes sabe o quão ansiosa eu estava para colocar as minhas mãos no segundo livro. Para a minha sorte, a Arqueiro é uma editora maravilhosa e não demorou mais do que alguns meses para colocar Um Acordo e Nada Mais nas livrarias. E ainda bem, não é mesmo? Com um enredo simples, porém emocionante, o segundo livro de Mary Balogh nos traz um romance que começa na praticidade mas aos poucos se transforma numa paixão verdadeira.

Eu acho que sempre vou me impressionar com a maneira que a Balogh constrói o seus enredos. Nós começamos Um Acordo e Nada Mais com dois protagonistas com problemas próprios e situações de vida complicadas a sua maneira. Enquanto Vincent precisa encontrar uma forma de escapar de um casamento forçado, Sophia precisa encontrar uma forma de sair da casa dos seus parentes horríveis, que se recusam a notar a sua existência. Dois protagonistas opostos, mas com feridas que os unem de uma forma muito inesperada.

“ O senhor me oferece conforto material e eu lhe ofereço coragem para se tornar o senhor de si mesmo?”

Esse é o segundo romance de época que eu leio onde um dos protagonistas é cego e eu adorei a forma como Mary Balogh incorporou isso dentro do seu enredo. Por mais que você saiba que Vincent não consegue enxergar, seus outros sentidos ajudam a compor sua personalidade de uma forma tão completa que você consegue esquecer desse pequeno detalhe sobre o personagem. Também achei que a diversidade na aparência de ambos os personagens foi um passo novo para os livros de Balogh, algo que eu aprovei muito.

A narrativa de Um Acordo e Nada Mais pode ser um pouco cansativa, mas eu não vi outra forma de contar essa história sem colocar todos os detalhes possíveis. Logo nos primeiros capítulos a autora nos mostra a necessidade de caminhar num ritmo um pouco mais lento para esse enredo. Diferente do primeiro livro, os nossos protagonistas estão se casando tendo trocado meia dúzia de palavras e para que o romance possa se desenvolver de forma coesa é preciso de mais capítulos e mais tempo.

Não vou mentir e dizer que Sophia é uma personagem com a qual eu me identifiquei. Na verdade, Balogh fez um trabalho tão bom tentando passar a ideia de invisibilidade da personagem que, em alguns pontos do livro eu conseguia me esquecer que ela existia. Eu não digo isso de uma forma ruim, tudo bem? A personalidade da Sophie não é tão marcante como estamos acostumados e ela também não é uma mulher cheia de ideias e vontades como outras heroínas da autora, mas a sua jornada para encontrar amor próprio é muito bonita e muito válida nesse tipo de enredo.

“Sonhos são desejos que provavelmente nunca serão realizados. Eu poderia fazer meus sonhos se realizarem. Na verdade, é o que pretendo.”

 

Eu gosto como Vincent não se comporta como um patife sedutor. Eu realmente gosto quando os heróis não se comportam dessa forma. O que fez com que eu me apaixonasse por ele nesse livro é perceber como ele tem compaixão pelas pessoa a sua volta e como está sempre tentando fazer com que todos estejam bem e felizes, mesmo que essa felicidade acabe o tirando do sério em algum momento. Eu acho que já falei isso em outras resenhas, mas precisamos muito de mais heróis românticos assim.

Ainda que Um Acordo e Nada Mais tenha sido um livro delicioso de ler, não consigo dizer que ele foi melhor que o primeiro livro. Acho que ele foi uma boa continuação para a série e nos ajudou a conhecer mais sobre os personagens que estão por vir, mas não foi uma leitura tão arrebatadora quanto o primeiro livro. Acredito que, pelo fato do romance nunca ter tido o teor de “paixão avassaladora” entre os personagens principais, tudo nesse enredo foi um tanto morno demais pra mim.

Acho que, se você estava esperando aquela leitura que tira o fôlego e faz você ficar pensando no enredo por dias – o que aconteceu comigo quando li Whitney, Meu amor – Um Acordo e Nada Mais não vai ser esse livro. O romance entre Vincent e Sophia é mais racional, construído com o tempo. Embora nós tenhamos cenas de amor quentes, como todo o romance de época, a química entre os personagens não entrega aquele fogo ou aquela tensão que deixa a gente com os cabelinhos do braço arrepiados, sabe? Não significa que a leitura seja ruim, mas deixou um pouco a desejar nesse ponto.

Por fim, dentro do que eu conheço de Mary Balogh, Um Acordo e Nada Mais foi um livro muito bom. Acho que toda a autora de romance de época deve aproveitar a oportunidade de explorar o ato de se apaixonar de formas diferentes e eu gostei muito de como ela desenvolveu o romance de Vincent e Sophia, embora eu ainda prefira os arrebatadores. Mal posso esperar para ver o que o terceiro livro dessa série me reserva, viu?

Posts relacionados

Deixe seu comentário

9 Comentários

  • Luana Martins
    novembro 29, 2018

    Olá, Débora
    Estou desejando muito essa série Clube Dos Sobreviventes, ainda não li nada da autora.
    Gostei do primeiro livro, mas prefiro o segundo, colocar um mocinho bem amorzinho que nem percebemos ao longo da leitura sua deficiência é fascinante.
    Quero muito ler, ansiosa para a resenha do próximo livro.
    Beijos

  • Alice Pereira
    novembro 29, 2018

    Essa série já passou muitas vezes pelos meus olhos, mas nunca tive curiosidade de procurar saber mais sobre ela. Me parece uma leitura leve e os personagens apaixonantes. Apesar de não curtir muito enredos lentos e aparentemente não ser uma série que nos toma o coração por completo, fiquei empolgada.

  • Patrini Viero
    novembro 28, 2018

    Nunca li nada da autora, mas já ouvi vários elogios a ela e sua escrita e acho as capas dessa série encantadoras, pela delicadeza e simplicidade que encerram. Encantador também achei o enredo do livro. Trabalhar com personagens diferentes e com suas próprias inseguranças e dificuldades não é fácil, e a autora conseguiu fazer isso da maneira mais sensível possível. Acredito que, apesar de o romance não ser extremamente arrebatador, é algo comovente ver a mudanças das personagens e o próprio desenvolvimento do amor entre os dois. Com certeza um livro que eu leria!

  • Pamela Liu
    novembro 18, 2018

    Oi Débora.
    Ainda não li nada da autora, mas estou doida para ler essa série de tanto que as pessoas falam bem delas.
    Não li nenhum romance de época com personagens cegos. Apenas surdos.
    Fiquei bem curiosa para saber como a autora descreve a parte sensorial de Vincent e suas impressões. Imagino que a narrativa deva ser um pouco mais lenta por causa dessas descrições.
    Sophia parece uma boa personagem, que sofreu bastante com seus familiares. Espero que ela reencontre a sua voz e consiga se impor um pouco mais, deixando de ser invisível.
    Beijos

  • Maira Schein
    novembro 16, 2018

    Nunca tinha ouvido falar da autora e nem dessa série, mas fico feliz por ter encontrado a tua resenha. Gosto muito quando os autores trazem personagens com “limitações” como nesse caso, o herói ser cego. Já li um livro com personagem assim e gostei muito porque o autor acabou explorando muito os outros sentidos que as vezes nem são descritos na história.
    Com certeza vou procurar o primeiro livro da série pra ler.

  • Vitória Pantielly
    novembro 16, 2018

    Oi Débora,
    Também quero muito ler esse livro.
    Apesar de amar mocinhos que são mais “soltas”, também gosto de romances mornos, em que o desenvolvimento da “paixão” é maior…
    Nunca li nada que tivesse um personagem cego – não que me lembre – menos ainda o protagonista, e acho tão legal que a autora tenha se preocupado com isso, com a diversidade em suas histórias, só me deixa mais curiosa pelo livro.
    Bem, morno não quer dizer ruim, como você mesmo citou, então, sei que também, vou me encantar mais uma vez com a Mary!
    Beijos

  • Aline M. Oliveira
    novembro 15, 2018

    Gosto desses romances que começam com um acordo, depois o interesse de um pelo outro vai surgindo aos poucos, vão se conhecendo e até mudando para melhor, nada daquela pressa desesperada. E parece que ambos conquistam o leitor fazendo com que torça por eles. Os protagonistas são cativantes e possuem uma química palpável.

    Bjoxx

  • Angela Cunha
    novembro 15, 2018

    Mesmo que não tenha lido o livro anterior, claro que li algumas boas resenhas dele e não vejo a hora de poder começar a série!
    Mary é fabulosa em criar seus enredos, trazendo sempre personagens muito bem estruturados e com essa carga de drama já impressa em cada um deles!
    Outro ponto bacana, a deficiência, usada não como forma de piedade, mas sim, de provar que se poder viver normalmente e carregar todo o sentimento nas paixões que irão surgindo!
    Com certeza, espero ter e ler em breve.
    Beijo

  • Kleyse Oliveira
    novembro 15, 2018

    Oiiii.
    Essa série eu não tenho mais depois de muitas resenhas positivo fiquei com vontade de adquirir para ler. Já está na minha wishlist tanto o primeiro quanto esse para futuras aquisição. Bjs