Resenhas 05abr • 2018

Boleruspor Vanderley Sampaio

O livro no Skoob e no Goodreads.

Gênero do Livro: Poesia
Editora: Scortecci Editora
Ano de Publicação: 2017
Número de Páginas: 120
Código ISBN: 9788536653556

Comprar: Amazon

Sinopse: É com poemas sensíveis e extremamente bem feitos como este que Vanderley Sampaio elabora um livro que dificilmente pode ser esquecido com facilidade. O autor trabalhar forma, métrica e ritmo de uma maneira moderna, ideal para os novos tempos da literatura e para os leitores cada vez mais exigentes.

Boleros são canções, Bolerus é um besouro. É com essa ideia em mente que Vanderley Sampaio inicia seu livro de poesias, Bolerus. Como dito antes, Bolerus é um inseto, um animal frenético e barulhento, que voa pelos ares sempre inquieto. O livro de Vanderley tem muito da alma do besouro, seja nos poemas, na diagramação ou na maneira de compor os versos.

O livro é lançado pela editora Scortecci e muitos dos poemas presentes no livro foram publicados em jornais, sites e redes sociais, em destaque para o blog Absurtos. Vanderley é natural Garça, interior de São Paulo, e começou a escrever poesia ainda na adolescência. Depois das indas e vindas da vida, Bolerus nasceu.

“A saudade que eu tenho / É como uma chama infinita  Ardendo no peito. / Não há nada que possa apagá-la. / Nem mesmo as cachoeiras que deságuam de meus olhos nulos. / Nem mesmo o sangue que corre teimoso / Por minhas veias trêmulas.”

Para compor seus poemas, o autor se utiliza muito da aliteração e dos jogos de palavras, tudo para nos trazer a mente o zumbido característico do besouro. Essa brincadeira com os sons traz muito riqueza para a poesia de Vanderley, o que parece a primeira vista um acaso, na verdade tem um propósito muito bem construído. A poesia concretista também encontra seu espaço no livro, e junto da diagramação, traz muita vida às páginas, estas parecem sempre estar em movimento.

Tudo é muito bem dosado e feito para ajudar a contar o poema. Se algo está sendo destruído, nada mais certo do que as palavras caírem junto, correndo em direção ao chão. A coletânea conta com um bom prefácio, escrito por Rose Almeida, bacharel em Letras pela USP e poeta no blog Absurtos. Ela ajuda muito o leitor de primeira viagem entender o que os poemas de Vanderley buscam trazer: um pouco da loucura e da inquietação do Bolerus.

Em meio a tantos poemas, não foi difícil encontrar alguns favoritos, destaco da minha leitura os poemas: Boleros ou Bolerus, Nascente, Nus Estados, Sem Explicação, Algo Abstrato, Saudade Infinita, As Coisas e Dúvidas. Grande parte da diversão em ler Bolerus para mim foram justamente as aliterações.

“Inusitados / Os nus estados / Que se deitam em nós / Que se deicam em nós / Que se desatam em nós / Que se deságuam em nós / Que se embaraçam em nós / Que se entrelaçam em nós / Que os sinos dobram por nís / Que se vão”

Sou bastante fã do seu uso na poesia, justamente por dar tanta cor ao poema quando lido em voz alta, a poesia nasceu para ser dita em plenos pulmões, aliterações e jogos de palavras fazem dela ainda mais divertida quando recitada. Vida foi o que encontrei no livro de Vanderley Sampaio, por vezes li os poemas em voz alta, experimentando o sabor das palavras.

Mesmo que você não tenha o costume de ler poesia, a leitura de Bolerus é recomendada, quem sabe assim não surge o gosto por um novo gênero? Não basta nunca lembrar que a nossa prosa nasceu há muito tempo atrás, vinda da poesia oral, se hoje temos tanto livros é justamente devido à poesia e sua arte de narrar em versos tudo que sentimos e vemos neste mundo.

Gostou da resenha? Não esqueça de se inscrever na newsletter do blog para acompanhar os próximos conteúdos.

Beatriz Kollenz ver todos os artigos
Queria ser mesmo uma garota mágica, infelizmente não deu nessa vida. Amo borboletas, mangas shoujo, desenhos animados e livros. Quando não estou voando nas nuvens costumo tocar piano, assistir um dorama ou sentar ao ar livre. Apesar de ser leonina sou muito tímida, a vida é assim, repleta de contradições.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

11 Comentários

  • Iêda Cavalcante
    30 abr 2018

    Oiee!
    Apesar do livro ser bom, pra mim não rola. Já tentei várias vezes ler livros nesse formato e em praticamente todas as tentativas acabei demorando muito pra terminar a leitura, isso quando não larguei o livro pra la. Acabei desistindo do gênero, melhor não forçar quando sei que não me identifico.
    Bjs!

  • Ana I. J. Mercury
    30 abr 2018

    Não gosto muito de poemas/poesias, pois não entendo bem.
    No entanto, curti muito sua resenha, deu pra ver que é um livro bem feito, que toca a alma e nos faz refletir.
    Vou deixar anotadinho aqui!
    bjsss

  • Theresa Cavalcanti
    14 abr 2018

    Confesso que não gosto de livros de poemas, e é uma coisa que tenho que mudar. Tenho que começar por algum lugar, alguém sabe um livro pra indicar?

  • Vitória Pantielly
    11 abr 2018

    Oi Beatriz.
    Acho a poesia tão bela, mas confesso que se me pedirem para pegar um livro inteiro delas e ler eu não seria capaz, acho que são feitas para se saborear momentaneamente… Que bom que o autor fez um trabalho tão lindo, se tiver oportunidade tentarei ler sim!
    Beijos

  • Camila Rezende
    10 abr 2018

    Olá Beatriz,
    Não sou fã de poesia, e não sou fã de insetos.
    Não conhecia o autor e não sei se um dia vou ler seu livro.
    Mas vou confessar que fiquei curiosa pra terminar o poema Esqueceu? da foto do post.

  • Samantha correa
    09 abr 2018

    Não sou muito fã de poesias, sempre tento ler, mas não é meu gênero favorito.
    Sempre tento dar uma chance, e já li várias resenhas positivas e muitas pessoas estão recomendando, quando for ler esse gênero novamente com certeza vou comprar esse livro.

  • Pamela Liu
    05 abr 2018

    Oi Beatriz.
    Fiquei bem curiosa para conhecer esse livro de poesias. Não sou muito de ler poemas e posesias, mas eu os acho lindos e sensíveis.
    Adorei a ideia do autor de usar a aliteração e brincar com os sons das palavras para tentar imitar o barulho de besouros. Genial!
    Beijos

  • Kleyse Oliveira
    05 abr 2018

    Adoreeeei, desde pequena sempre gostei de ler poemas e poesias, eu até me arriscava escrever algumas especialmente em dias comemorativas como dias das mães e dos pais, mas quando entrei no ensino ffundamental eu parei de escrever. Fiquei interessada nesse livro, achei bem interessante a capa e o título, bem diferente do que sou acostumada a ver em livros de poemas. Bjs

  • suzana cariri
    05 abr 2018

    Oi!
    Ainda não conhecia o autor nem suas poesias, pelas resenha, gostei muito dos seus poemas, os trechos parecem bem interessantes e me deixou curiosa para pode ler mais poemas do autor, gostei desse jogo de palavras dele e essa brincadeira com os sons, achei sua inspiração para os poemas meio inusitada o que me deixou ainda mais curiosa !!

  • Daiane Araújo
    05 abr 2018

    Oi, Beatriz.

    Essa junção que o autor fez, é algo bem característico e significativo.

    Não sou fã de poesia, mas pretendo a, quem sabe, começar a ler esse ano, por fazer parte do meu desafio anual.

  • Lili Aragão
    05 abr 2018

    Oi Beatriz, apesar de gostar de poesia não sou muito de comprar livros sobre elas e gostei muito de conhecer um pouco mais sobre essa obra e suas peculiaridades. A resenha tá bem interessante e apesar de não ter curtido muito a capa mesmo ela tendo a ver com os poemas, acho que o livro deve agradar aos leitores desse gênero 😉

  • Siga o @laoliphantblogInstagram