Resenhas 09abr • 2018

O Cara dos Meus Sonhos (ou quase)por Jenn Bennett

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Alex, Approximately
Gênero do Livro: Ficção, Jovem adulto, Romance
Editora: Plataforma 21
Ano de Publicação: 2018
Número de Páginas: 480
Código ISBN: 9788592783457

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: E se você tivesse que atravessar o país para descobrir um grande amor? A cinéfila Bailey “Zibelina” Rydell troca mensagens com um nerd carismático igualmente apaixonado por filmes – Alex, seu crush virtual. Eles viviam separados por mais de mil quilômetros, até Bailey se mudar para a casa do pai na Califórnia – mais precisamente, para a mesma cidade de Alex. Insegura e temendo que o Alex da vida real seja muito diferente de suas idealizações, Bailey não conta a ele que estão na mesma cidade. Ou que conseguiu um trabalho num museu “caça-turistas” local. Ou que ela está, pouco a pouco, sendo fisgada por um rapaz irritantemente atraente que trabalha no lugar – Porter Roth, cujo berço é uma lendária família de surfistas. Só que a vida é muito mais complicada que qualquer filme, principalmente quando Bailey percebe a estreita fronteira entre ódio, amor ou seja lá o que estiver sentindo por Porter. Além disso, descobrir a verdadeira identidade de Alex mostra-se uma tarefa mais difícil do que ela imaginava. Assim, conforme o verão passa, Bailey precisa decidir se permanece apegada a suas projeções de um Alex que ela nem sabe se existe ou se arrisca uma relação com Porter. Afinal, o cara dos seus sonhos não pode ficar só no mundo virtual. Mas o que Bailey não sabe é que Porter também guarda um segredo…

resenha-cara-meus-sonhos-jenn-bennet

Eu conheci a Jenn Bennett muito por acaso, quando eu estava na saraiva uma vez e me deparei com outro livro dela, Night Owls. Desde então eu me tornei uma apaixonada por sua escrita e pela forma como ela criava os seus personagens e, quando a Plataforma 21 começou a divulgar o lançamento de O Cara dos Meus Sonhos (ou quase), eu fiquei bastante animada para compartilhar com mais pessoa a escrita maravilhosa dessa autora.  Em O Cara dos Meus Sonhos (ou quase), Bennett traz um romance adolescente que começa na internet e, acreditem quando eu digo que o relacionamento de Zibelina e Alex não vai te decepcionar.

O enredo de O Cara dos Meus Sonhos (ou quase) é narrado em primeira pessoa e nós temos a chance de conhecer muito sobre a história da Bailey. Apesar de vir de uma família com uma situação financeira razoavelmente boa, Bailey não é uma garota popular e nem está em busca de fazer parte de grupos de amigos. Seu passatempo favorito é assistir filmes e, foi assim que ela começou a conversar com um garoto da Califórnia chamado Alex. Claro que ela não sabe tudo sobre ele porque, bom… a internet às vezes pode não ser um lugar seguro, mas isso não a impede de se mudar para a casa do pai que, por coincidência fica exatamente na mesma cidade em que o tal Alex mora.

“Seus dedos dançam sobre minha mão,o toque de uma fina teia de aranha, e ele traça desenhos suaves na minha palma aberta, sinais de código Morse, insistindo gentilmente, enviando milhares de pulsos de correntes elétricas pelos meus nervos.”

Particularmente eu achei a ideia da Bailey inteligente. O pai dela tinha plena consciência de que ela estava em uma busca secreta pelo Alex e, ela sempre tomou um certo cuidado para não falar sobre isso com ninguém, o que não a colocava em risco caso Alex se tornasse um maluco qualquer da internet. O que eu não estava mesmo esperando nesse enredo foi que Bailey se interessaria por Porter, deixando todas essa história de conhecer o Alex de lado e, eu achei esse plot twist interessante. Não é todo dia que vemos uma personagem principal optar pelo real ao invés do virtual.

resenha-cara-meus-sonhos-jenn-bennet

Eu gostei muito da forma natural que os relacionamentos desse livro se desenvolvem. A maior parte dos Young Adults tem uma tendência de forçar certas relações, o que não acontece nesse romance de Bennett. A aproximação de Bailey e Porter me pareceu bastante natural, ainda mais para dois personagens que estavam trabalhando juntos e tendo várias oportunidades de se conhecerem melhor e de corrigirem as más impressões causadas no primeiro encontro. Ver esses dois personagens se aproximando e compartilhando suas inseguranças e medos foi uma das coisas que eu mais gostei no enredo de O Cara dos Meus Sonhos (ou quase).

A escrita de Bennett é muito gostosa, o que torna ainda mais fácil que a gente se conecte com os seus personagens. Eu gostei da personalidade da Bailey, de ela não ser o tipo de garota que se isola do mundo. Aliás, para um romance adolescente, todos os dramas do enredo são plausíveis e os personagens não são adolescentes birrentos que querem as coisas do jeito deles como acontece em grande parte dos livros do gênero. Eu senti um tom de realidade muito bom em O Cara dos Meus Sonhos (ou quase), não só em relação aos personagens principais do livro, mas também em relação aos secundários, que tiveram suas histórias muito bem apresentadas – o que foi uma surpresa.

“Talvez o poeta Walt Whitman tivesse razão. Todos de fato nos contradizemos e temos multidões dentro de nós. Como é que poderemos descobrir quem somos de verdade, então?”

Mas nem tudo são flores no mundo da literatura e até mesmo um dos seus autores favoritos podem cometer erros e, um dos motivos de eu não ter conseguido dar cinco estrelas para esse livro foi o plot twist entre Bailey-Porter-Alex. As coisas começam a ficar claras no livro por volta do capítulo 20, mas eu não estava esperando que personagens que pareciam ser maduros até então, fossem ter reações tão infantis logo no clímax do livro, o que aconteceu com Porter. Isso me deixou bastante decepcionada com a história, porque eu acho que o conflito poderia ter sido resolvido de uma forma completamente diferente. Talvez, Bennett ainda precise amadurecer algumas ideias, não sei.

resenha-cara-meus-sonhos-jenn-bennet

Outro ponto que me deixou bastante incomodada foi a falta de profundidade em relação ao personagem que tinha um problema com drogas. Eu acho que se vamos falar de um assunto tão pesado em um livro adolescente, é preciso que a história tenha embasamento e profundidade para causar um certo impacto em quem está lendo. Infelizmente, em O Cara dos Meus Sonhos (ou quase), isso é tratado mais como um “conflito” que atrapalha os personagens principais, do que realmente um “problema” que precisa ser resolvido dentro da história. Acho que é algo que a autora poderia ter trabalhado de outra fora ou só não trabalho, sabe?

Ainda assim, Jenn Bennett me entregou uma leitura muito gostosa de se fazer. Bailey é uma personagem muito fácil de a gente se identificar e todo o seu relacionamento com Alex-Porter realmente acaba prendendo o leitor até o final do livro. Também gostei muito de que a autora tenha escolhido deixar várias pistas da identidade do Alex ao longo do livro para que o leitor pudesse descobrir quem ele era muito antes da personagem principal. Isso, inclusive, me deu aquela ansiedade boa de “pelo amor de deus, como ela ainda não percebeu”, sabe?

“É difícil pensar na semana seguinte quando não se tem certeza de que vai sobreviver ao dia de hoje.”

Jenn Bennett ainda não é uma autora de YA que muitos de vocês conhecem, mas se você for como eu e simplesmente adorar esses romances adolescentes que começam na internet e se desenrolam naqueles dramas gostosos de filme de sessão da tarde, eu tenho certeza de que O Cara dos Meus Sonhos (ou quase) vai ser uma leitura tão maravilhosa para você, quanto foi para mim. Ah, e não esqueça de deixar aqui nos comentários se você já conhecia a escrita da Jenn Bennett e o que você achou do enredo desse YA, ok?

Gostou da resenha? Então se inscreve na nossa newsletter para receber os próximos conteúdos do blog!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

12 Comentários

  • Ana I. J. Mercury
    30 abr 2018

    Gostei demais da sua resenha!
    A capa é linda!
    E como amo romances adolescentes fiquei encantada com esse kkkk
    ainda mais por mostrar abertamente o mundo/relacionamento virtual. Eu que adoro passar horas navegando na net, já surtei aqui kkkk
    Parece ser bem divertido e ter boas reflexões.
    Além de ser romântico e a Bailey parece ser uma boa adolescentes, sem mimimi kk
    bjss

  • Iêda Cavalcante
    27 abr 2018

    Oiee!
    Estava tão animada com o livro e de repente, eita, uma derrapada da autora. Porém mesmo com os “defeitinhos” que o livro tem, sinto que quero ler ele, apesar de já ter largado os YA, esse me fisgou de um jeito diferente. Espero conseguir lê-lo em breve.
    Bjokas!

  • suzana cariri
    19 abr 2018

    Oi!
    Ainda não conhecia a autora, mas lendo a resenha fiquei curiosa, gostei da historia parece que a autora consegue desenvolver bem esse relacionamento dos personagens de forma natural, mas concordo com você quando o autor jogo um tema mais denso no livro ficamos esperando ele desenvolver ele ou ter um significado para a trama !!

  • Theresa Cavalcanti
    14 abr 2018

    Gosto muito desse tipo de livro, e já quero ler esse. Não vai ser em um futuro próximo, já que eu tô tentando ler livros de outros gêneros, pq os últimos que eu li, foram todos assim.

  • […] o livro e quais são suas grandes influências ao criar um enredo. Ah, e não se esqueça de conferir a resenha de O Cara dos Meus Sonhos (ou quase) que já está disponível aqui no blog, […]

  • sara maia
    12 abr 2018

    um ya diferente mesmo, me surpreendeu o que tu falou da bailey e do porter… e também dela ser sensata em mudar pra casa do pai e o papis dela saber do migo virtual dela e tal. isso me surpreendeu, eu estaria esperando outra coisa totalmente diferente 🙂
    pena que o final tenha decepcionado, pena mesmo :/
    mas enfim, me interessei por esse livrinho!! espero poder lê-lo

  • Vitória Pantielly
    11 abr 2018

    Oi Débora.
    Eu não conhecia a autora, mas fiquei feliz de saber que mesmo sendo uma história adolescente ela conseguiu trazer uma certa maturidade para os personagens, e olha, fiquei aqui tentando adivinhar como esse romance ia desenrolar entre os três (ou só dois?), achei o enredo uma surpresa, só de ler sua resenha fiquei muito curiosa.
    Concordo que temas que são tão importantes devem ser tratados com mais delicadeza, mas também entendo que não era o foco da autora no momento, uma pena…
    Enfim, eu gostei bastante, vou procurar mais sobre a autora.
    Beijos

  • Samantha correa
    09 abr 2018

    Não conhecia a autora e nem a história, mas eu gosto muito desse estilo, é daqueles livros que lemos rapidinho e é como um descanso para a mente.
    Acho que como você falou se ela vai tratar de um assunto tão importante quanto drogas deveria trazer uma carga bem grande com ele, e não como se fosse uma coisa banal.
    A ideia desse misterio é bem legal, adoro esse negócio de descobrir quem é.

  • Pamela Liu
    09 abr 2018

    Oi Débora.
    Achei a premissa desse livro bem interessante e como não li nada da autora, sempre gosto de ler resenhas sobre os livros antes de comprá-los.
    Parece que a autora trabalhou bem a trama no geral. Pena que houve esses pontos negativos. Uma coisa que me incomoda um pouco é quando os personagens são retratados de uma forma, como pessoas maduras, mas depois suas atitudes contradizem isso.
    Quanto ao não aprofundamento do uso de drogas. Acho que a autora devia ter desenvolvido isso melhor. Não se pode passar a ideia de que algo assim é simples de se resolver ou que não tem grande importância.
    Espero ter a oportunidade de ler esse livro e gostar tanto da escrita da autora como você.
    Beijos

  • Daiane Araújo
    09 abr 2018

    Oi, Débora.

    Pouco a pouco, mesmo sem saber, a Bailey acabou, inesperadamente, construindo um outro relacionamento não com base em seu amor pelo Alex. Ou, seriam eles, a mesma pessoa? É só uma dedução… Pois, aí, o destino poderia surpreendê-la, e ela teria a oportunidade de, sem querer, conhecê-lo verdadeiramente.

  • Lili Aragão
    09 abr 2018

    Primeira resenha que leio desse livro e achei bem interessante apesar de nem tudo ser maravilhoso no livro, o fato dos personagens serem “maduros” em grande parte da história mesmo sendo adolescentes é bem interessante e me anima a conhecer a escrita da autora 😉

  • Kleyse Oliveira
    09 abr 2018

    Bom dia Débora, eu não tenho uma opinião formada desse livro pois não li ele ainda, mas já li ótimas resenhas sobre a história e etc. E mesmo tendo alguns pontos fracos, eu não deixaria de ler, pois como você falou é um YA totalmente diferente dos que somos acostumadas a ler, e é por isso que ele já está na minha wishlist para eu comprar esse ano ou quando eu tiver uma base mais firme financeiramente. Bjs e uma ótima semana.

  • O Usuário laoliphantblog não existe ou é uma conta privada.