14nov • 2019

A Chama de Emberpor Colleen Houck

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: The Lantern's Ember
Gênero do Livro: Young Adult, Fantasia, Romance
Editora: Arqueiro
Ano de Publicação: 2019
Número de Páginas: 336
Código ISBN: 9788530600068

Obs: Este livro foi enviado em parceria com a editora para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Quinhentos anos atrás, Jack fez um pacto com um demônio e acabou condenado a uma eternidade de servidão. Como um lanterna, seu único dever é guardar um dos portais que levam ao reino imortal, garantindo que nenhuma alma se infiltre onde não é bem-vinda. Jack sempre fez um excelente trabalho... até conhecer a bela Ember O’Dare.Há tempos, a bruxa de 17 anos vem tentando enganar Jack para atravessar o portal. Insistente, sem temer os alertas dele, Ember enfim consegue adentrar a dimensão proibida com a ajuda de um vampiro afável e misterioso, e então tem início uma perseguição frenética através de um mundo deslumbrante e perigoso.Agora Jack precisa resgatar Ember antes que os universos terreno e sobrenatural entrem em colapso e se tornem um caos.

Colleen Houck está de volta, meus caros. Para quem não conhece este nome, ela é a autora de A Maldição do Tigre, um dos poucos livros românticos e fantásticos que eu realmente amei ler. Ou seja, este novo livro da autora chega com grandes expectativas para mim, afinal, eu não consegui ler sua última série e precisava saciar a minha vontade de voltar a um universo mágico. Infelizmente, A Chama de Ember não chegou nem perto do que eu estava esperando, e eu vou explicar o porquê.

O problema não está na escrita da Colleen, mas sim na sua escolha de construção de enredo. A primeira coisa que me incomodou foi o fato de as coisas não terem nome. O outro mundo, o mundo dos sobrenaturais, se chama “Outro Mundo”. Depois disso, nós temos uma péssima construção do universo já que eu não conseguir visualizar como era esse outro mundo, menos ainda entender a tal da luz de bruxaria que movia todas as coisas ali.

“Você não está errado. Antes de Ember eu observava mais do que agia. Agora, sou vagalume preso no pote dela. Ela me leva para onde bem entende. Até que me liberte, preciso estar nessa estrada com ela.”

Eu não senti que a escrita da Colleen Houck estava exatamente conectada neste livro. Sendo bem honesta, pelo pouco do que eu conheço dessa autora, eu acho que que faltou um certo feeling durante a criação desses personagens, entende? É como se todos os detalhes do livro tivessem sido colocados ali sem um objetivo, apenas para fazer a história andar, mesmo que sem nenhum sentido.

Por incrível que pareça, eu gostei muito do Jack. Não sei que ele teve o espaço que merecia nesse primeiro livro, já que boa parte da sua vida gira em torno de ficar correndo atrás da Ember, mas o fato de ele ter feito um acordo de 500 anos com um demônio foi muito interessante. Uma pena que a sua história se perdeu quando ele conheceu a Ember e achou uma boa ideia não reportar que havia uma bruxa na sua cidade, não é mesmo?

E por falar em Ember, eu já li protagonistas chatas, mas igual essa garota não. Ember é uma bruxa sem nenhum tipo de experiência. Ela não conhece o mundo sobrenatural de onde veio e não tem ideia dos perigos que a rondam. Mesmo quando Jack explica para ela os motivos de ela ter que se esconder de tudo e de todos, ela continua determinada a passar pelo portal e ver o que tem do outro lado – mesmo que isso coloque em risco a vida de Jack e Finney, as pessoas que mais se preocupam com ela.

“Quando vi você no espelho, quando você finalmente se revelou, eu sabia que não era minha imaginação. Eu sabia que você era real e que era mais bonito do que eu sonhava, até nos desejos mais secretos do meu coração.”

A relação de Jack e Ember é bastante forçada. Você não compra, em nenhum momento, que realmente existe uma atração física entre eles. Mas muito mais do que essa tensão entre os protagonistas, é o fato de que todos os personagens do sexo masculino neste livro se sentem atraídos pela Ember de alguma forma. Não temos um triangulo amoroso, é quase uma suruba amorosa, na verdade. E preciso dizer, é cansativo, ainda mais quando você percebe que a Ember não merece essa atenção toda.

A Chama de Ember não era o que eu estava esperando, leitores. Depois de A Maldição do Tigre, eu realmente achei que essa seria uma leitura sem erros, ainda mais com a ressaca literária depois de ler Teto Para Dois. Honestamente? Terminar esse livro foi uma tortura. Eu não via a hora de acabar porque eu só não aguentava mais a Ember e toda essa confusão que ela arrumou.

Não tenho ideia do que aconteceu com a Colleen Houck neste livro, mas gostaria de saber. Eu senti falta de química, de emoção, daquela conexão especial com os personagens. Faltou tudo e um pouco mais nessa história e, sendo sincera, é aquele livro que é único mas que precisava de uma continuação.

 

Posts relacionados

Deixe seu comentário

1 Comentário

  • […] romance era apenas uma pequena parcela da história da Rosa, mas ainda tínhamos muita coisa para explorar. Ela conseguiria ir para Cuba? Sua mãe finalmente […]