livros
Categoria(s): livros

Clube do Livro dos Homens, de Lyssa Kay Adams

de Lyssa Kay Adams
Título Original: The Bromance Book Club
Gênero do Livro: Romance, Ficção, Contemporâneo
Editora: Arqueiro
Ano de Publicação: 2021
Número de Páginas: 320
Série: Clube do Livro dos Homens
Código ISBN: 9786555650907
Sinopse: A primeira regra do clube do livro é: não fale sobre o clube do livro Gavin Scott é um astro do beisebol, devotado ao esporte. No auge de sua carreira, ele descobre um segredo humilhante: a esposa, Thea, sempre fingiu ter prazer na cama. Magoado, Gavin para de falar com ela e acaba piorando o relacionamento, que já vinha se deteriorando. Quando Thea pede o divórcio, ele percebe que o orgulho e o medo podem fazê-lo perder tudo. Bem-vindos ao Clube do Livro dos Homens Desesperado, Gavin encontra ajuda onde menos espera: um clube secreto de romances, composto por alguns dos seus colegas de time. Para salvar seu casamento, eles recorrem à leitura de uma sensual trama de época, Cortejando a condessa. Só que vai ser preciso muito mais do que palavras floreadas e gestos grandiosos para que Gavin recupere a confiança da esposa.

resenha-o-clube-do-livro-dos-homens-de-lyssa-kay-adams

“Se as mulheres gostam de alguma coisa, a sociedade debocha delas automaticamente. O mesmo acontece com os romances. Se as mulheres gostam, é porque devem ser ridículos, né?”

Essa leitura me atraiu desde o primeiro momento em que li apenas a sua sinopse em que falava sobre homens que liam romances de época para entender mais sobre seus relacionamentos e suas esposas. Porém, Lyssa Kay Adams consegue ir muito além dessa premissa abordando temas tão importantes e atuais de forma leve mas necessária que logo me vi devorando cada página e torcendo pelo relacionamento dos protagonistas dessa história.

“A solidão do casamento é o pior tipo de solidão que existe”

Por causa de uma gravidez não planejada, Gavin e Thea se casam e veem sua rotina mudar completamente com a chegada de suas filhas gêmeas e o sucesso de Gavin como astro de beisebol, transformando por completo a vida de Thea que como boa parte da parcela feminina da sociedade que se vê em meio ao cenário materno, deixa de lado seus sonhos e carreira.

Nas primeiras páginas já somos inseridos no meio de uma crise matrimonial pelos protagonistas que se amam, porém, com os anos e as circunstâncias foram se afastando um do outro até o ápice acontecer: Gavin descobre que sua esposa finge ter prazer na cama. 

Sem grandes opções, ele se vê sendo acolhido pelos amigos do time de beisebol, porém os métodos escolhidos por eles para conseguirem salvar seus casamentos não é nada comum: ler romances de época. Logo, Gavin se depara com a leitura do livro Cortejando a Condessa e se vê na missão de reconquistar sua esposa.

Os capítulos ficam alternando entre a trama principal e o romance de época escolhido, o que eu achei uma boa sacada da autora.

Em meio a assuntos tão sérios como masculinidade tóxica, feminismo, falta de comunicação no matrimônio, gatilhos do passado, vemos a autora transformar o que seria um drama em uma comédia romântica que nos leva a dar boas risadas e, ao mesmo tempo, nos identificar com os pontos levantados. 

Parei diversas vezes na leitura com uma vontade enorme de conversar sobre esses assuntos e analisar pontos de vista diferentes tornando o livro uma boa opção para uma leitura coletiva.

Personagens que saem dos padrões de perfeição

Apesar de ser um romance e ter os seus clichês, o que mais me chamou a atenção foi a forma como Lyssa constrói cada personagem, principalmente Gavin.

Ora, o cara é um dos melhores naquilo que faz, reconhecido e adorado por seu público o que pode nos levar a um primeiro momento a pensar naquele estereótipo de esportista seguro de si com casamento e família perfeitos, porém, dentro do ambiente familiar, nos deparamos com um homem inseguro, gago, tentando ao máximo recuperar seu relacionamento e não perder a mulher que ama.

Já Thea se vê engolida pelo universo doméstico e materno e a figura engessada de uma “esposa de atleta” nos é revelada de uma forma totalmente diferente do que estamos habituados, deixando de lado uma perspectiva romantizada de glamour e luxo, na figura de uma esposa e mãe que precisou abandonar uma promissora carreira nas artes.

Um mau relacionamento com seus pais transforma os traumas desse passado em reflexos presentes em seu relacionamento com Gavin, fazendo com que ela se sinta cada vez mais diminuída e incapaz de voltar a ser quem era e ao longo da trama vemos os dois ora fugindo ora encarando esses problemas para conseguir enfim caminhar juntos na mesma direção.

O clube do livro e seus personagens secundários

Outro ponto que merece nossa atenção são o dos personagens secundários, sério, boa parte das risadas estão nos diálogos rápidos e sarcásticos dos amigos de Gavin que compõem o clube do livro e tentam de alguma forma ajudar ele com seus problemas.

Acaba rolando além de conselhos matrimoniais, uma ida às compras, tudo para impressionar a esposa. 

Não pude deixar de perceber que outros casais também nos foram apresentados de forma tímida, ou seja, já conseguimos ter um vislumbre dos protagonistas e suas questões nos próximos livros da série.

Um dos únicos pontos que não achei muito legal foi a postura de Liv, irmã da Thea, em relação ao comportamento dela diante da crise do casamento. 

Houve momentos em que eu achei que ela não queria que todos os esforços de Gavin dessem certo, como se estivesse torcendo para o relacionamento acabar e isso me incomodou bastante, mas, como eu disse acima, por se tratar de uma série de livros quem sabe não entendemos este seu posicionamento quando conhecermos mais da sua história.

Uma opinião masculina

Sou o tipo de leitora que panfleta todos os livros que ama e durante a leitura me surgiu a ideia de ouvir uma opinião masculina sobre a principal questão abordada no livro, ou seja, eu precisava de uma cobaia, ou seja, essa cobaia seria o meu marido.

Eis as suas tímidas palavras sobre essa experiência: 

“ Logo de cara me surgiu um estranhamento muito grande em relação a estar lendo um romance. Colocamos na cabeça que isso ou é coisa de mulher ou em nada vai nos acrescentar ou ensinar, mas conforme fui lendo reparei que os problemas dos protagonistas eram bem reais e válidos, eram questões que qualquer casal pode ter e me vi pensando se apenas livros técnicos podem nos ensinar algo. Precisamos em algum momento deixar de lado esses sensos comuns que não cabem mais na realidade do mundo atual em que vivemos”.

Bom, diante de tudo isso que escrevi, posso afirmar que O clube do livro dos homens foi uma das minhas melhores leituras desse ano e espero ter despertado a curiosidade de mais pessoas conhecerem a história de Gavin e Thea que em meio a leitura de um romance de época do século 19 encontraram e renovaram os motivos para ficarem juntos no século 21.

Gostou? Compartilhe!pinterest twitter facebook
Livia Rocco

Lívia Rocco é administradora pública, apaixonada por todos os clichês que um romance de época pode ter, aspirante a escritora nas horas vagas e entusiasta em estudar fatos históricos. Ainda acredita no amor verdadeiro.

Deixe seu comentário

  1. Angela Cunha Gabriel/O Vazio na flor comentou:

    Eu fico tão triste quando vejo esse livro rs Vou explicar.
    Eu o ganhei há meses e o Ig nunca me mandou :/ como não sou de cobrar, deixei pra lá. E assim que tiver oportunidade, irei comprar, pois penso que seja uma obra que tenha todos os elementos para trazer diversão, sorrisos e aprendizados!!!
    Quero muito ler!!!
    Beijo

  2. Vanessa comentou:

    Foi um dos melhores livros que eu li esse ano. Gostei demais de como a autora colocou o romance que eles liam ao longo da história, foi como ler dois livros ao mesmo tempo.

  3. Aurea comentou:

    O legal desse livro é que o assunto é bem próximo de todo mundo que tem um relacionamento, são problemas comuns a quase todos rsrs e sempre vemos o problema tentar ser resolvido pela ótica feminina e nesse livro nos mostra um outro lado. Adorei os diálogos entre os homens da história.