livros
Categoria(s): livros

O Conde Enfeitiçado não é o melhor livro da série, mas entrega o que promete

de Julia Quinn
Título Original: When He Was Wicked
Gênero do Livro: Romance Histórico, Regencia,
Editora: Arqueiro
Ano de Publicação: 2015
Número de Páginas: 304
Série: Os Bridgertons
Código ISBN: 978-8580414400
Sinopse: Toda vida tem um divisor de águas, um momento súbito, empolgante e extraordinário que muda a pessoa para sempre. Para Michael Stirling, esse instante ocorreu na primeira vez em que pôs os olhos em Francesca Bridgerton. Depois de anos colecionando conquistas amorosas sem nunca entregar seu coração, o libertino mais famoso de Londres enfim se apaixonou. Infelizmente, conheceu a mulher de seus sonhos no jantar de ensaio do casamento dela. Em 36 horas, Francesca se tornaria esposa do primo dele. Mas isso foi no passado. Quatro anos depois, Francesca está livre, embora só pense em Michael como amigo e confidente. E ele não ousa falar com ela sobre seus sentimentos – a culpa por amar a viúva de John, praticamente um irmão para ele, não permite. Em um encontro inesperado, porém, Francesca começa a ver Michael de outro modo. Quando ela cai nos braços dele, a paixão e o desejo provam ser mais fortes do que a culpa. Agora o ex-devasso precisa convencê-la de que nenhum homem além dele a fará mais feliz. No sexto livro da série Os Bridgertons, Julia Quinn mostra, em sua já consagrada escrita cheia de delicadezas, que a vida sempre nos reserva um final feliz. Basta que estejamos atentos para enxergá-lo.

resenha-conde-enfeiticado-julia-quinn-imagem

De todos os personagens da série Os Bridgertons que eu conheci até agora, eu sempre estive um pouco curiosa sobre a Francesca.

Em todos os livros ela sempre se mostrou uma personagem bem mais quieta, um pouco diferente dos outros Bridgertons. Finalmente muita curiosidade foi sanada em O Conde Enfeitiçado, o sexto livro dessa série, onde Julia Quinn nos conta um pouco sobre a vida dessa personagem que, até então, teve tão pouco destaque – pelo menos pra mim.

Em O Conde Enfeitiçado conhecemos Michael Stirling, um famoso libertino de Londres que depois de passar anos colecionando conquistas, teve o seu coração roubado por Francesca Bridgerton. Mas para infortúnio do jovem, a que seria a mulher da sua vida estava prestes a se casar com seu primo, e também melhor amigo, John.

Anos se passam desde que Stirling se apaixonou a primeira vez por Francesca, e agora, com a morte de John, sua amada finalmente está livre para ele.

O único problema é que Michael não consegue se livrar dar culpa de ter passado tantos anos apaixonado pela esposa do seu próprio primo, principalmente porque ela nunca o viu da mesma forma. Mas, quando os dois se encontram inesperadamente em Londres, Francesca começa a perceber Michael de uma forma diferente, percebendo que, talvez, ela o deseje muito mais do que se permitia admitir. Porém, depois da morte do marido, a jovem acredita que nenhum outro homem a fará feliz, e agora cabe a Michael provara à ele que ele é o único capaz de provar o contrário.

“Em toda vida ocorre um momento decisivo. Um instante tão extraordinário, tão claro e tão nítido que temos a sensação de havermos sido golpeados no peito, deixados sem fôlego, sabendo, sem a menor sombra de dúvida, que a nosa vida jamais será a mesma.”

Confesso que esse não foi o meu enredo favorito da série.

Como eu não conhecia bem a personagem, principalmente porque ela não aparecia muito nos volumes anteriores, não tinha ideia do que a Julia Quinn iria apresentar neste sexto volume, e de certa forma, eu esperava um pouco mais. O enredo não é ruim, pelo contrário, a história se desenvolve bem, e diferente dos outros livros, neste temos uma personagem que já se apaixonou e já se entregou para o homem que ama, mas o perdeu e agora precisa começar do zero e construir sua vida com outra pessoa.

O problema está na construção, acredito eu. Apesar de ser uma Bridgerton, eu não consegui identificar muito bem a personalidade de Francesca.

Desde os volumes anteriores, ela sempre foi uma personagem muito oculta, e quando chegou a vez dela contar sua história, ela continuou oculta, sem revelar muito de quem ela era ou do porquê ter se apaixonado por John.

Senti muita falta de uma conexão entre esses acontecimentos, principalmente sobre o período de luto dela. Acho que o pouco destaque que ela recebeu na série até então contribuiu bastante – pelo menos pra mim – para que ela não fosse uma personagem com quem eu pudesse me identificar com facilidade.

O romance em si não me decepcionou em nada. Principalmente pelo fato do Michael estar apaixonado pela Francesca desde o começo da história. Ele teve tempo para conhece-la, assim como ela pode conhecer um pouco de quem ele era antes de perceber que eles poderiam construir um futuro junto. E ainda tínhamos a problematização do John, o primeiro marido da Francesca.

“Ele achava que escondia bem os sentimentos, mas e se ela soubesse?”

Eu gostei muito de ver que a autora simplesmente não descartou os sentimentos que a personagem tinha antes de se apaixonar por Michael, e achei legal que esses mesmos sentimentos fizeram parte da construção do romance entre os personagens principais.

Michael foi, pra mim, um personagem interessante como par romântico.

Foi difícil visualizá-lo como um libertino considerando que desde o começo eu conseguia perceber que ele era completamente devotado a Francesca. É interessante ver como a autora conseguiu explorar esses sentimentos proibidos sem deixar a história clichê. Além disso, Michael tem uma personalidade mais humilde, o título e o dinheiro nunca foram algo que ele perseguiu, e isso me fez gostar ainda mais dele.

O Conde Enfeitiçado acabou se mostrando um livro mais morno do que os seus antecessores e acho que deveria ser mesmo assim.

Mesmo que eu não tenha me identificado muito com a Francesca, acredito que ela tenha uma personalidade que vai encantar outros leitores do livro, e só por isso a leitura já me valeu muito a pena. Esse é aquele volume para quem quer fugir um pouco do enredo dos outros livros dessa série e encontrar outros desafios e um romance completamente novo.

Gostou? Compartilhe!pinterest twitter facebook
Débora Costa

Uma intelectual contemporânea que entende a importância da convergência de mídias, telas e narrativas. Acompanhando mais séries do que deveria e não consigo fazer uma coisa de cada vez. Ainda quero escrever um romance de época um dia.

Deixe seu comentário

  1. Olá.
    Adoro romances de época. Esta semana li um post que apresentava algumas autoras atuais de romances de época e a Julia estava entre elas.
    Confesso que não li nada dela, mas quero muito ler.
    Adorei suas fotos!
    Abraço.

  2. Ola. comprei o primeiro.livro dessa serie e estou Mega ansiosa pra começar a leitura.. O incrível é que toda vez que vou ler uma resenha da serie Bridgertons sempre é esse mesmo livro haha. Adorei a resenha e as fotos estas maraas. Parabéns

  3. Carol comentou:

    Oi Débora.
    Adoro romances históricos mas ainda não peguei nenhum dessa série da Julia Quinn para ler (#ShameOnMe), mas espero fazer isso em breve. Adoro romances onde o rapaz é apaixonado e tenta fazer de tudo para demonstrar o seu amor e provar que vale a pena. Isso me deixou ainda mais curiosa para conferir este livro. Adorei a sua resenha e o vídeo. Parabéns.
    Beijos
    Carol
    http://www.sobrevicioselivros.com

  4. Déborah Araújo comentou:

    Débora, adoro romances de época e estou bem atrasada nessa série agora que li o primeiro…
    Mas estou mega curiosa para ficar em dia e conhecer a história de Francesca e Michael melhor.

    Lisossomos

  5. Olá, tudo bem? O Conde Enfeitiçado foi o que eu menso gostei da série, e eu AMO Os Bridgertons! Concordo com você, Francesca sempre me pareceu distante e oculta e mesmo após o seu livro eu não consegui identificar os traços de sua personalidade, não consigo vê-la como uma Bridgerton. Também gostei do Michael, achei fofo, principalmente pela parte de não estar de olho em dinheiro e títulos.

    Beijos,

    Mari
    cantinhodeleituradamari.blogspot.com.br

  6. Oi, Débora!

    Nossa, só agora que vi que não era inscrita em seu canal. Problema resolvido! rsrs Enfim, sempre ouço críticas muito positivas acerca dessa série. Tão positivas que me deixam um pé atrás… Gostei do tom sincero de sua resenha ao dizer que não se identificou muito com a personagem e de que é um livro morno. Você não engrandeceu a obra mais que o necessário e isso fez com que eu tenha vontade de ler a série que tanto reluto a ler… Confesso que o excesso de elogio por vezes me deixa irritada. Mas, por outro lado, quando penso que tem seis livros pra ler fico beeeem preguiçosa rsrs Enfim, sua resenha está ótima e você está de parabéns!

  7. Olá Débora, essa é uma série que eu morro de vontade de ler, adoro romances de época <3 Uma pena que você não tenha conseguido se identificar com a protagonista, mas é bom saber que mesmo assim a autora conseguiu criar um bom romance.

    http://meumundo-meuestilo.blogspot.com.br/

  8. Ei, tudo bem?
    Eu não comecei a ler essa série ainda, mas estou super curiosa com ela, principalmente pelos vários comentários positivos. Acho que eu iria gostar bastante desse livro, por conta da personalidade mais quieta de Francesca. Estou ansiosa para ler essa série e eu espero curtir bastante.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura