Resenhas 19maio • 2019

Dorothy Tem Que Morrerpor Danielle Paige

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Dorothy Must Die
Gênero do Livro: Young Adult, Fantasia, Ficção
Editora: Rocco
Ano de Publicação: 2016
1º livro da série Dorothy Must Die
Número de Páginas: 384
Código ISBN: 9788579802737

Obs: Este livro foi cedido pela editora em parceria para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Primeiro de uma série, Dorothy tem que morrer engrossa um filão de sucesso no mercado editorial, no cinema e na TV: o reconto de clássicos infantis com nova roupagem para os jovens. Nesta releitura sombria do clássico de L. Frank Baum O mágico de Oz, Amy Gumm é uma nova garota do Kansas, que, em meio a um tornado, é enviada à terra de Oz com a missão de remover o coração do homem de lata, roubar o cérebro do espantalho, tomar a coragem do leão e destruir a garota dos sapatinhos vermelhos. Livro de estreia de Danielle Paige, Dorothy tem que morrer chega ao Brasil depois de figurar na lista dos mais vendidos do The New York Times.

Nós já falamos muito sobre releituras aqui no La Oliphant. Seja um conto de fadas, ou uma história clássica da literatura, é sempre interessante ver uma história que já conhecemos sendo interpretada de uma forma completamente nova. Então como vocês podem imaginar, eu fiquei bem interessado quando vi a sinopse de Dorothy Tem Que Morrer. E apesar de ter me divertido com essa leitura, não consigo largar a sensação de que esse livro poderia ter sido mais legal.

Em Dorothy Tem Que Morrer, a jovem Amy Gumm não tem uma vida fácil. Vivendo em um trailer com sua mãe depressiva e viciada no estado do Kansas, para Amy, as coisas parecem não ter como piorar. Até o momento em que um tornado carrega o seu trailer e a deixa no meio da estranha terra de Oz. Amy descobre que a realidade de Oz é bem mais sombria do que o que foi mostrado nos filmes, e que Dorothy se tornou uma rainha cruel e autoritária.

“Não sei o que era pior: Ter uma chance e estragá-la ou nunca ter a chance.”

Pra começo de conversa, eu não tenho um grande conhecimento sobre o universo de Oz, o que pode ter diminuído um pouco o meu aproveitamento dessa leitura. Eu reconheci alguns dos elementos do filme, mas no geral não me senti muito envolvido no worldbuilding de Dorothy Tem Que Morrer. Em alguns momentos, me pareceu que a narrativa estava forçando demais os elementos mágicos do mundo, de um jeito que as vezes beira no caricato. Me lembrou um pouco do que o Tim Burton fez com Alice no País das Maravilhas (e isso não é um elogio).

Por outro lado, eu simplesmente adorei a protagonista Amy Gumm. Ela tem uma combinação muito boa de força e vulnerabilidade, e isso torna ela uma protagonista interessante. E a transformação que ela passa ao longo do livro é muito legal de acompanhar. Infelizmente eu não consigo evitar a impressão de que uma protagonista como Amy é quase que desperdiçada em um mundo como o de Dorothy Tem Que Morrer. As complexidades dela não combinam com um plot cheio de bruxas e macacos voadores.

Os outros personagens, no entanto, não me impressionaram tanto quanto Amy. As bruxas que formam a resistência contra Dorothy são legais, mas não são um elenco de apoio incrivelmente marcante. E apesar de gostar do Nox, eu não consigo engolir o quanto ele é praticamente o estereótipo de par romântico de livro YA. É claro que o grupo de bruxas tem um menino bonito com um passado trágico, não é mesmo?

“- O que aconteceu com Oz?
– Dorothy aconteceu.”

Dorothy não é uma vilã que me impressionou muito. Muitos momentos do livro são dedicados aos personagens explicando como ela é terrível, e eu gostaria que a narrativa tivesse passado mais tempo nos mostrando. O livro até mostra como ela pode ser perversa, mas eles acontecem um pouco tarde demais para o meu gosto. Ela poderia ter sido mais desenvolvida mas eu imagino que isso vai ser guardado para outros livros.

A escrita da Danielle Paige não é ruim, mas o livro sofre daquela questão que a gente já falou várias vezes aqui no blog: a síndrome do primeiro livro. É visível que o enredo está guardando coisas mais importantes e épicas para os próximos livros. Eu já comentei em outras resenhas que isso é o tipo de coisa que me irrita um pouco em uma leitura, e é uma pena que isso aconteça em Dorothy Tem Que Morrer.

Apesar dos problemas que eu tive com a leitura, Dorothy Tem Que Morrer é uma leitura divertida. Não é o tipo de livro que eu recomendaria para todo mundo, mas com certeza tem elementos que muita gente deve curtir. Uma ótima protagonista é uma perspectiva interessante no mundo de Oz ganham pontos a favor dela série. Duas das continuações já estão entre nós e eu vou continuar com essa série, apesar de não ter expectativas tão altas assim.

Vinicius Fagundes ver todos os artigos
24 anos. Formado em Publicidade e Propaganda. Viciado em histórias. Desconhecido mundialmente.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

5 Comentários

  • Rayssa Bonai
    24 maio 2019

    Olá! Gosto do universo de Oz, mas confesso que não gostei do fato de que a narrativa forçou os elementos mágicos desse mundo. E também não gostei muito de Alice no País das Maravilhas, esperava muito mais do filme, principalmente por adorar o País das Maravilhas e ter ficado bem animada para assistir.
    Um fato que me faz querer ler Dorothy tem que Morrer é a protagonista. Amy parece realmente muito interessante e complexa.
    Apesar de tudo, ainda quero fazer a leitura desse livro e tirar minhas próprias conclusões.
    Beijos!

  • Elizete Silva
    22 maio 2019

    Olá! E não é que esse livro esta na minha listinha de leituras, acho esse universo de fantasia e releituras maravilhoso, Amy Gumm tem uma missão bem complicada, afinal na história original Dorothy faz parte do time de mocinhos, fiquei bem curiosa para saber por que a autora a transformou em vilã e como é o desenvolvimento dessa aventura.

  • Rayane B. de Sá
    21 maio 2019

    Oiii ❤ Já ouvi falar desse livro a algum tempo, mas não tinha procurado pra saber sobre. Então achei que a personagem principal era a Dorothy e ela estava sendo perseguidapor alguém que queria matá-la. Estava bem enganada rsrsrs.
    Geralmente adoro releituras, ainda mais daqueles livros/filmes que gosto.
    Tô curiosa pra conhecer esse mundo e ver as semelhanças e diferenças da história original pra releitura.
    Vou acrescentar esse livro na minha lista de leituras ❤

  • Tereza Cristina Machado
    20 maio 2019

    Eu amo me aventurar por releituras, isso é um fato rs!
    Não tinha ouvido falar desse, que por sinal é estreia da autora e também acho chato essa “retranca” que fica na história por conta de ter outros livros ainda da série, por mim lançava um único volume hahahah por isso às vezes eu espero a série acabar e leio em sequência (fico me perguntando se alguém na terra faz isso hahahahaha mas enfim.) Também nunca me aventurou no mágico de oz, conheço muito superficial, mas fica a dica de conhecer a Amy rs!

  • Angela Cunha
    20 maio 2019

    Que título e capa incríveis!!! Ainda não tinha lido ou visto nada a respeito desta saga, mas confesso que amo releituras, ainda mais quando elas são apresentadas assim, por um lado totalmente oposto ao original.
    É um salto no escuro? Sim! Mas..rs
    Também sou meio pé atrás deste economizar no primeiro livro, sei lá, faz com que se perca um pouco a expectativa sobre os demais…ou até funcione o contrário, espera-se demais e? Nada é suprido!!!
    Com certeza, o livro vai para a lista dos desejados.
    Beijo

  • Siga o @laoliphantblogInstagram