20set • 2018

A Gaiola Douradapor Vic James

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: The Gilded Cage
Gênero do Livro: Ficção, Ditopia
Editora: Galera Record
Ano de Publicação: 2018
1º livro da série Dons Sombrios
Número de Páginas: 336
Código ISBN: 9788501113993

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: SubmarinoLivraria CulturaLivraria SaraivaAmazonBook Depository (inglês)

Sinopse: Em uma Grã-Bretanha distópica, além da riqueza e dos títulos, os membros da nobreza também possuem habilidades mágicas, como cura acelerada, leitura de mentes e controle da natureza. Os privilégios não terminam aí: todo plebeu deve servir à nobreza por dez anos. Não há como escapar. Abi Hadley pensou que estaria fazendo um favor a sua família quando os inscreveu para cumprir seus dias de escravidão na residência da Família Fundadora, mas a garota mal sabia dos horrores que estavam por vir. Já seu irmão, Luke, acaba sozinho em uma das cidades mais brutais para os escravos. Tanto Abi quanto Luke precisarão se adaptar a suas novas realidades, ou, quem sabe, se tornar aliados na luta pelo fim dos privilégios de uma elite que busca cada vez mais poder. Enquanto isso, o mais jovem aristocrata da Família Fundadora conspira para moldar o mundo à luz de seu dom sombrio, e os dias de escravidão podem ser apenas o início de algo muito mais cruel.

Foi bater o olho em A Gaiola Dourada, da Vic James, que eu já fiquei encantada com a capa. Não sei, até agora, se foi a Galera Record acertando ao manter a capa da versão paperback do livro, ou se for um Igual – personagens do livro que possuem habilidades, poderes – exercendo efeito sobre mim. O livro é o primeiro de uma trilogia, Dons Sombrios, e foi publicado esse ano aqui no Brasil. Se distopias são do seu interesse, talvez esse lançamento te agrade.

A história é contextualizada em um Reino Unido no qual você pode esquecer a rainha da Inglaterra e príncipes, pois o poder, literalmente, se encontra nas mãos de indivíduos nascidos com habilidades – e você aí, achando que é habilidoso por saber fazer miojo sem queimar a água. Esses indivíduos habilidosos podem fazer coisas incríveis, sendo elas positivas ou não e, por conta disso, governam o país como bem querem, mas de forma organizada, com parlamento e tudo. Nessa distopia, encontramos aristocratas, elitismo, herdeiros, coisas que trazem uma proximidade com nosso mundo atual, de certa forma, e facilitam a compreensão do universo da história, uma vez que esta possui muitos elementos.

“Cumpra seus duas de escravo muito velho e jamais sobreviverá. Cumpra seus dias de escravo muito jovem, e jamais os esquecerá.”

Nesse mundo existem os chamados Iguais, as pessoas habilidosas que mencionei anteriormente, e no Reino Unido, mais precisamente, existem os escravos. E é aí que a história fica chocante, porque nem só de poderes e aristocratas bem vestidos vive uma distopia: todo humano nascido sem poderes passa a vida sendo controlado e precisa pagar ao governo dez anos de sua vida, servindo em seus Dias de Escravidão. Não à toa, na capa do livro, temos o subtítulo “A liberdade não é para todos”.

Num geral, minha impressão é de que a história é bem construída, com uma base forte. Tem um plano de fundo sólido, com detalhes – novamente, muitos detalhes. Você fica sabendo, por exemplo, como se deu a formação do governo por meio dos Iguais, a história local, como as famílias de Iguais se formaram e as razões para que as coisas sejam como são. E eu, particularmente, senti que isso enriqueceu a história, atribuindo mais sentido e gerando curiosidade. Fez com que eu adentrasse mais no universo cheio de segredos criado pela Vic James. Tem um pouquinho de violência, mas é bem pouca, juro.

O enredo, em si, é bom. Poder concentrado na mão de uma elite, revoltas e revoluções vindas dos personagens menos favorecidos e personagens por quem torcer em meio à trama sempre funciona, e é o caso de A Gaiola Dourada. Em meio a todas as páginas, pude torcer por personagens para que tivessem um final agradável e para que outros se dessem mal. Romance, mesmo que muito comedido, teve – alô Abi e Jenner. Mas eu entendo que, em um livro só, ainda mais sendo uma trilogia, não dá pra entregar todo o ouro, e que tem tanto horror na história, que formar casais não é muito a prioridade. Inclusive, estou na torcida pela família Hadley.

“Os segredos são como vasos horríveis ou carros antigos, ou todas as outras porcarias que meus pais colecionam. Quanto mais raros, mais valor eles têm.”

A história é dividida em vinte e dois capítulos, possuindo prólogo e epílogo, e cada capítulo é narrado por um personagem diferente e, consequentemente, com seu respectivo ponto de vista, sendo esses personagens: Abi, Bouda, Luke, Leah, Gavar, Silyen e Elterpe. No início me confundi um pouco, mas logo acostumei – quem já leu Game of Thrones vai se sentir em casa – e desejei que outros personagens tivessem seus próprios capítulos, por questões de afinidade e curiosidade.

Devo confessar que alguns capítulos pareceram se arrastar, para mim. Não que a escrita da autora seja ruim, mas existe um personagem na história que foi meu “menos favorito” e calhou de ele ter bastante coisa a dizer. Logo, dei uma enrolada em alguns pontos, mas foi bem pessoal, até por muita da ação do livro acontecer no núcleo desse personagem. Talvez, nos próximos livros da trilogia eu mude de opinião, quem sabe.

Os personagens, inclusive, são tão bem apresentados ao longo do livro quanto a história que contextualiza o universo no qual tudo se passa. Aprofundar muito sobre eles, também, é a certeza de soltar o famoso spoiler, pois muitas questões internas possuídas pelos personagens acabam servindo para alavancar acontecimentos importantes. Mas vocês terão personagens de sobra para odiar, ou para sonhar a respeito. Acho que, para um início de trilogia, a autora deu uma boa degustação. Me deixou com vontade de ler os próximos livros.

Você sabia que A Gaiola Dourada é fruto do Wattpad? Pois é, descobri isso após finalizar a leitura e fiquei positivamente chocada. Não que isso me surpreenda, pois muitos ótimos escritores saem da plataforma e publicam suas obras com sucesso, mas é legal pegar livros físicos que conquistaram seus lugares ao sol bem antes de conquistarem as prateleiras. Posso dizer que é uma recomendação de leitura para quem gosta de uma boa distopia ou de livros com boa construção de contexto e cenário. Se você já leu, não esquece de compartilhar sua opinião comigo!

Não vá embora antes de se inscrever para participar do nosso Top Comentarista de setembro, ok?

Tags: , , ,

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

8 Comentários

  • […] do livro, que possui uma capa consonante com o título atribuído em português. Essa capa possui um pouco mais informação visual do que as outras versões, e o título daqui, assim como nas outras versões, sofreu alterações fortíssimas de acordo com […]

  • Luana Martins
    setembro 30, 2018

    Olá, Rafaela
    Gosto muito de distopias, namoro esse livro desde seu lançamento.
    Sua resenha é a primeira que leio e gostei muito, quero ter a oportunidade de ler o livro.
    Não sabia que era do Wattpad, espero que os demais livros dessa trilogia sejam ótimos.
    Beijos!

  • Mariana Paiva
    setembro 27, 2018

    Se tem um universo que eu estou querendo conhecer mais, é o universo das distopias. Quando vi esse lançamento não dei muita bola, a capa é bonita, mas não me senti tão atraída assim. Acho legal que o livro mostra as coisas com detalhes porque assim é possível entender bem a história, por outro lado isso pode acabar se tornando cansativo depois de um tempo. Caramba, o livro é narrado pelo ponto de vista de sete personagens? Quanta coisa. Se eu for ler esse livro, vou precisar de um bloquinho do lado
    para não me perder. Que legal que a história saiu do Wattpad para as prateleiras. Sei que tanto lá fora quanto aqui no Brasil isso tem acontecido com vários autores. Isso é muito bom. Reconhecimento de novos talentos.

  • Michelli Prado
    setembro 25, 2018

    Realmente esta capa é um charme a parte ♥ Ainda não havia lido resenha sobre o livro e confesso que duologia gosto de começar depois que é lançado os dois livros. A proposta de fantasia do livro me interessou, mas confesso que ter diversos narradores é algo que me incomoda um pouco. Mas ainda sim adorei conferir tua resenha e espero saber mais sobre a continuação dele, para ver se adicionarei a lista de desejados.

  • Kleyse Oliveira
    setembro 21, 2018

    Boa noite Débora!
    Esse livro está nos meus desejados desde a primeira resenha que vi em um ig.
    A capa é sim

  • Pamela Liu
    setembro 21, 2018

    Oi Rafaela.
    Goto muito de distopias, então logo me interessei pela premissa do livro.
    Vi algumas resenhas positivas e negativas sobre ele. Mesmo assim, fiquei com vontade de ler.
    Não sabia que originalmente era da plataforma wattpad.
    Achei a capa lindíssima e parece combinar bem com a história.
    Beijos

  • Ludyanne Carvalho
    setembro 20, 2018

    Esse livro foi lançado logo que terminei a série ACOTAR, até fiquei interessada porque eu estava na vibe de magia e poderes, mas depois perdi o interesse.
    Gostei da sua resenha, é a 1° que leio sobre; parece ser uma boa história, mas sinto que a autora deixou a desejar, talvez seja por ser o 1° da série.

    Beijos

  • Daiane Araújo
    setembro 20, 2018

    Oi, Rafaela,

    Esse é um livro que tô querendo ler há muito tempo. É incontestável o grande potencial que o livro tem, visto que o mesmo possui princípios extremos e distorcidos, e ressalta importantes valores. Minhas expectativas para lê-lo é grande!