Resenhas 09set • 2018

A Herdeira da Mortepor Melinda Salisbury

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: The Sin Eater’s Daughter
Gênero do Livro: Fantasia, Young Adult, Romance
Editora: Rocco
Ano de Publicação: 2016
1º livro da série A Herdeira da Morte
Número de Páginas: 320
Código ISBN: 9788568263327

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Twylla tem 17 anos, vive num castelo e, embora seja noiva do príncipe, não é exatamente um membro da corte. Ela é o carrasco. Primeiro de uma surpreendente série de fantasia, Herdeira da Morte conta a história de uma garota capaz de matar instantaneamente qualquer pessoa que ela toca. Até mesmo seu noivo, cujo sangue real supostamente o torna imune ao toque fatal de Twylla, evita sua companhia. Porém, quando um novo guarda chega ao castelo, ele enxerga a garota por trás da Deusa mortal que ela encarna, e um amor proibido nasce entre os dois. Mas a rainha tem um plano para acabar com seus inimigos, e eles incluem os dons de Twylla. Será que a jovem se manterá fiel a seu reino ou abandonará tudo em nome de um amor condenado?

Eu vou confessar que eu nem ao menos esperava que A Herdeira da Morte fosse ser tão bom assim. Primeiro porque construir todo um universo do zero é um trabalho muito difícil e segundo, a personagem principal, Twylla, exige uma complexidade muito grande dado o papel que ela representa dentro daquele universo e tudo o que ela é capaz de fazer. Mas não é que Melinda Salisbury conseguiu entregar um enredo envolvente e personagens apaixonantes? É claro, o livro tem alguns pontos fracos, mas a autora conseguiu compensar isso com várias coisas que eu não estava prevendo. Se era plot twist que você queria, então esse é o livro para você!

Acredito que o primeiro ponto positivo desse livro seja toda a ambientação do enredo. Nossa protagonista vive em um reino onde as pessoas depositam toda a sua fé nos Deuses e na vontade dos seus soberanos e o papel que ela desempenha dentro desse universo é fundamental para garantir que as coisas continuem exatamente como a monarquia deseja. Toda a ideia de ela ser Daunen Encarnada cria em torno de Twylla um símbolo de esperança que não só mantém o povo de Lormere sob controle, mas também cria pavor aos inimigos que temem ser mortos pela filha dos Deuses.

” ーAs pessoas não esquecem o que é ser amado ー fala ele, por fim. ーNão importa quão jovem ou velho você seja, ou quanto tempo durou esse amor, você sempre se lembra do sentimento de ser amado.”

Essa atmosfera criada por Salisbury nos leva a dois pontos muito importantes do livro: refletir sobre a fé do povo de Lormere e a criar uma empatia muito grande pela protagonista do livro. Imaginem que ela é uma garota de 17 anos cujo o papel é ser o carrasco de traidores do trono, sendo que, dentro do universo opressor de Lormere, traidor é todo aquele que a rainha determina que deve morrer pela mão da Daunen Encarnada apenas para reforçar a fé das pessoas de que a ira dos Deuses é real. É praticamente impossível você não simpatizar com Twylla ao perceber as condições em que ela vive e é mais impossível ainda não ter ranço da rainha de Lormere.

E foi exatamente assim que, eu comecei a ler A Herdeira da Morte e não consegui largar mais o livro. A escrita de Salisbury tem as suas falhas e parte do enredo é um pouco lendo e oferece mais informações do que o leitor realmente precisa, mas quando as coisas começam a acontecer e o universo vai sendo composto ao longo do livro, você percebe que Twylla não é apenas uma protagonista inocente, mas sim uma personagem que foi usada e abusada de todas as formas possíveis pelas pessoas que ela sempre acreditou serem sua “família”, seu “protetores” e que carrega um fardo muito mais pesado do que ela própria aguenta.

Um ponto que quase me incomodou nessa trilogia foi a questão do triângulo amoroso, embora agora eu não tenha mais certeza se isso realmente vai acontecer ou não. Salisbury brincou bastante com a relação de Twylla e o príncipe Merek, me deixando mais do que confusa se eu deveria ou não gostar dele – no caso, eu não gosto dele. Quando Lief entra na história, é quase impossível não se apaixonar por ele e, eu realmente acreditei que o enredo iria girar em torno desse conflito emocional da Twylla sobre com quem ela deveria ficar, mas Salisbury é um ser maravilhoso virou esse jogo de uma forma tão inteligente que eu nem sei.

“(…) por mais que eu saiba como isso é errado, sinto que é a coisa certa a se fazer. Ele me ofereceu uma redenção pelo seu pecado de raiva. Já minha confissão e o fato de ter pegado a flor da mão dele são a redenção pela minha arrogância e ingratidão. É preciso haver um equilíbrio, todo pecado deve ser redimido. Agora somos iguais.”

O mais interessante desse livro é que eu não posso dizer para vocês que Merek ou Lief são os heróis do livro porque eu não acho que a história tenha outro protagonista que não a Twylla. Com tudo o que ela passou e tudo o que ela representou durante todo o enredo, não existe nenhum outro personagem que consiga roubar o protagonismo dela. Além de ser uma narradora sensacional, Twylla é uma heroína que começa inocente, exausta do fardo que carrega, mas, eventualmente, começa a ganhar o controle da própria vida e eu amei esse desenvolvimento da personagem.

Pela primeira vez, eu acho, eu consigo dizer para vocês que encontrei um livro de fantasia que tem um triângulo amoroso, mas que a história em si não é sobre o triângulo amoroso. Na verdade, o envolvimento romântico de Twylla com esses dois homens é apenas um degrau para que ela cresça como personagem dentro do enredo. O livro é sobre ela, sobre o papel que ela representa dentro daquele reino opressor e sobre todas as mentiras e abusos que ela sofreu a sua vida inteira. É lindo ver que o meu sonho de um livro ir além do romance se realizou, sério!

Eu realmente fiquei mais do que satisfeita com a leitura de A Herdeira da Morte. Eu comecei a leitura acreditando que não ia gostar tanto do livro e me deparei com um enredo fantástico envolvente, cheio de criticas sociais importantes e reviravoltas inesperadas ao longo dos capítulos. Estou mais do que ansiosa para saber o que a autora preparou para mim no segundo livro dessa trilogia, O Príncipe Adormecido. Acho que encontrei um novo amorzinho literário, será?!

Não esqueça de passar no instagram do Aroma e Arte para conferir as velas literárias dos seus livros favoritos!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

10 Comentários

  • Mariana Paiva
    27 set 2018

    Já tinha visto a capa desse livro, mas ainda não conhecia o enredo. A capa é bem bonita e agora lendo a sinopse achei que faz bastante sentido, realmente combina com a história. Não sou muito de ler fantasias, mas essa chamou minha atenção. A protagonista parece mesmo ser maravilhosa e muito bem trabalhada. Eu não detesto triângulo amoroso, mas tem uns que são bem chatos e acaba sendo apenas isso o livro todo. Que bom que esse não é assim. Anotarei esse livro na lista de desejados e quando eu for ler, eu espero gostar tanto quanto você.

  • Patrini Viero
    17 set 2018

    Que bom que o livro conseguiu te surpreender de forma positiva, é sempre tão bom quando isso acontece. Eu adorei ver que o romance não é o foco do enredo e adorei ainda mais ter uma protagonista tão forte e resistente. Acho que é super interessante acompanhar o desenvolvimento e amadurecimento da personagem ao longo do enredo, apesar e por conta de todas as situações pelas quais ela passa. Fiquei super animada para realizar a leitura!

  • GISLAINE LOPES
    13 set 2018

    Oi Débora,
    É impossível não se sentir atraído a ler este livro em função da capa que acho muito bonita, mas essa é a primeira vez que leio sobre a história. A ambientação realmente se destaca e a protagonista é diferente do que se espera em livros do gênero. A responsabilidade de ser a carrasca do reino bate de frente com a responsabilidade de ser a representação da fé e esperança do povo, o que para uma jovem de 17 anos deve ser bem confuso e até assustador. Como não gosto de triângulo amoroso e convenhamos que em meio a tanta história para ser desenvolvida, me deixa feliz saber que a autora não deu muito foco para isso. Quanto aos pontos fracos a autora poderá recompensá-los nos próximos livros se ela souber as direções certas a tomar.

  • Michelli Prado
    11 set 2018

    Essa capa é linda demais ♥ Confesso que fantasia é um gênero que acabo lendo menos, creio que a proposta da historia tem que me chamar muito a atenção, se não acabo “me perdendo”. Esse livro me interessou pela proposta dos Deus e pelo triângulo, mas no momento não posso começar mais nada de série e trilogias, mas ainda sim adicionei o livro a lista de desejados, e quero ir acompanhando as resenhas das continuações para saber se o desenvolvimento dos outros será tão bom quanto esse primeiro livro.

  • Rodrigo Silva
    10 set 2018

    Simplesmente fascinante, isso porque só li a resenha ☺ imagina o livro !

  • Pamela Liu
    10 set 2018

    Oi Débora.
    Como eu odeio triângulos amorosos. Já cansei da presença deles nos YAs. Mas, apesar disso, parece que a autora foi bem feliz em não focar no romance e sim na personagem principal e sua jornada.
    Achei o enredo bem interessante e achei ótimo você ter se surpreendido positivamente com a história em geral. mesmo com um começo um pouco mais lento.
    Já vai para a lista de desejados.
    Beijos

  • Ludyanne Carvalho
    10 set 2018

    É tão bom quando começamos uma leitura e nos surpreendemos!
    Também gosto muito desses mundos que os autores criam, totalmente diferente do que estamos acostumadas.
    Eu gosto de fantasia quando há romance, mas é interessante saber que esse triângulo não é foco; dá pra sentir empatia pela personagem através dessa resenha.
    Ela me lembra a Lia de The kiss of deception, e tenho grande admiração por essa persoagem.
    Comecei a resenha achando que não ia querer ler esse livro, mas termino mudando de ideia.
    E que capa belíssima!

    Beijos

  • Kleyse Oliveira
    10 set 2018

    Adorei. Eu vi você falando desse livro no seu stores e já tinha ficado curiosa para ler a resenha. Agora quero demais ler a história.

  • Daiane Araújo
    10 set 2018

    Oi, Débora,

    O embate aparente e o triângulo amoroso – que é sempre cercado por indecisões – são marcos que se destacam na trama e causam uma expectativa no leitor. Então, com certeza pra mim, seria uma leitura mais que agradável.

  • Luana Martins
    09 set 2018

    Oi, Débora
    Não conhecia o livro, mas adorei a premissa.
    Gostei muito de saber que o livro não foca no relacionamento amoroso e sim na vida da personagem.
    Estou ansiosa aguardando a resenha dos próximos livos, quero ter oportunidade para ler e entender tudo sobre a Twylla.
    Beijos

  • Siga o @laoliphantblogInstagram