Resenhas 18mar • 2018

O Maravilhoso Bistrô Francêspor Nina George

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: The Little French Bistro
Gênero do Livro: Ficção, Romance
Editora: Record
Ano de Publicação: 2018
Número de Páginas: 280
Código ISBN: 9788501111135

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a Editora para resenha.

Comprar: SubmarinoLivraria CulturaAmazon

Sinopse: Mais uma obra-prima da autora de A livraria mágica de Paris Marianne Messmann está presa num casamento sem amor e não vê a hora de pôr um fim em tudo. Durante uma viagem a Paris, ela sobe na Pont Neuf e se joga no Sena, mas é salva do afogamento por um passante. Em seguida, é levada para o hospital e lá vê um azulejo pintado com a linda paisagem de uma cidade portuária da Bretanha. Inspirada pela pintura, ela decide embarcar em sua derradeira aventura. Ao chegar à Bretanha, Marianne entra num restaurante chamado Ar Mor (o mar) e é arrebatada por um novo e encantador modo de viver. Lá ela conhece Yann, o belo pintor, Geneviève, a enérgica dona do restaurante, Jean-Rémy, o chef perdido de amor, e várias outras pessoas que abrem os olhos dela para novas possibilidades. Entre refeições, músicas e risos, Marianne descobre uma nova versão de si mesma — apaixonada, despreocupada e forte. Porém, de repente, seu passado chega para confrontá-la. E, quando isso acontece, ela precisa decidir entre voltar para sua vida antiga ou abandoná-la de vez em nome de um futuro promissor e empolgante. O maravilhoso bistrô francês é uma jornada dos sentidos, com refeições suculentas e paisagens estonteantes. Uma história recheada de poesia, beleza, sensibilidade, romance, erotismo e segundas chances, que nos mostra que não existe idade para recomeçar e ser feliz.

O Maravilhoso Bistrô Francês é um livro escrito pela alemã Nina George e publicado pela editora Record em 2017. O romance se passa na Bretanha, uma região administrativa no oeste da França que guarda um folclore e uma cultura vastas. Nina George divide seu tempo entre Berlin e a Bretanha, é visível ao longo do livro o amor que ela nutre pela região. Nina faz questão de falar sobre as lendas, a língua e as tradições que foram reprimidas por tanto tempo pelos franceses, eles fizeram questão de apagar os vestígios do povo bretão. Foi só recentemente que os jovens começaram a tomar para si a obrigação de manter a língua e a história de seu povo vivas.

A história é narrada por Marianne, uma senhora alemã que vive um casamento triste. Seu marido é extremamente abusivo e, para fazê-lo feliz, Marianne reprime seus sonhos e desejos. Lothar pouco se importa com a esposa. Depois de enfrentar traições e restrições ao longo de uma vida, ela resolve morrer. Marianne tenta o suicídio em uma viagem a Paris, a tentativa frustrada a leva a uma viagem incrível, onde ela descobre mais sobre si mesma e sobre a magnitude da vida. É em um hospital que ela encontra um azulejo pintado com a paisagem de Kerdruc, um pequeno porto escondido nos confins da Bretanha. Movida pelo sonho de ver o mar e mais uma vez tentar por fim a sua vida, Marianne parte em direção ao litoral sem nada além de suas roupas do corpo.

“O último dia. Quando ainda tinha todos os anos e décadas pela frente, o tempo parecia infinito. Como um livro que espera para ser escrito, assim lhe parecia a vida que ainda estava por vir quando era jovem. Agora, com sessenta anos, as páginas estavam vazias.”

O romance criado por Nina George é encantador. Para quem não sabe, a Bretanha é o lar das lendas de Rei Arthur e de Avalon. Lá fadas, duendes e bruxas são uma realidade. A autora traz muito dessa peculiaridade para a história. As lendas de Avalon também trazem o empoderamento feminino. Os celtas cultuavam a deusa e valorizavam as mulheres, que tinham papel de destaque nos vilarejos, tudo isso faz parte da jornada de Marianne em tomar posse da própria vida.

A personagem criada pela autora é bem crível, em alguns momentos senti que ela não agia conforme a idade, mas levando em consideração o todo da obra, a escritora foi bem sucedida em escrever sobre uma mulher madura. Os personagens secundários também são bem divertidos. Quando havia uma mudança de foco na história isso não me incomodava, tão interessada fiquei com a vida de todos os coadjuvantes. Entretanto, senti que alguns desenvolvimentos ao final do livro foram corridos, nada que atrapalhe, mas deixa um gostinho de quero mais.

“As grandes religiões e seus pastores atribuíram um lugar à mulher ao qual ela não pertence. Relegadas à segunda classe. A deusa se transformou em Deus; as sacerdotisas, em putas; e as mulheres que não quiseram se curvar, em bruxas. (…) Toda mulher é uma sacerdotisa quando ama a vida. Quando ela encanta a sua si mesma e àqueles que são sagrados para ela. Já está na hora de as mulheres se lembrarem de que há poderes ocultos dentro delas.”

Eu já havia me interessado pela autora quando a Record lançou A Livraria Mágica de Paris, sou uma grande entusiasta da França, estudo francês e gosto muito de livros que retratem o país. O que mais me motivou em ler O Maravilhoso Bistrô Francês foi o cenário onde a história se passa. Em geral, estamos acostumados com histórias centradas em Paris, sendo que o país é muito mais rico e cheio de histórias para dar. A magia do povo bretão, o seu idioma, tudo que envolve a história tem um toque especial, assim que terminei o livro quis correr e comprar uma passagem só de ida pra Kerdruc.

Mais do que conhecer esse lugar mágico, eu queria também conversar com todos os personagens, a autora criou tanta coisa apaixonante que eu espero no mínimo um filme. O livro é leve e divertido, a sensação é de passar um fim de semana na praia com amigos. Apesar de ter um enredo simples, a autora foi capaz de discutir algumas questões, como a importância de não se diminuir em um relacionamento. Marianne descobre que ninguém vai te amar mais só porque você desistiu de tudo. Em tempos de girl power essa é uma mensagem importante. Leitura super recomendada pra quem quer passar um fim de semana tranquilo em boa companhia!

Gostou da resenha? Então esqueça de se inscrever na nossa newsletter para acompanhar os próximos conteúdos do blog.

Beatriz Kollenz ver todos os artigos
Queria ser mesmo uma garota mágica, infelizmente não deu nessa vida. Amo borboletas, mangas shoujo, desenhos animados e livros. Quando não estou voando nas nuvens costumo tocar piano, assistir um dorama ou sentar ao ar livre. Apesar de ser leonina sou muito tímida, a vida é assim, repleta de contradições.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

9 Comentários

  • Ana I. J. Mercury
    31 mar 2018

    Eu já tinha visto fotos do livro na net, mas não tinha me interessado, mas adorei sua resenha, pois deu pra ver que é um livro fofo, divertido e com essa cultura toda diversificada da Bretanha, deve ser mara!
    Anotado aqui!
    bjs

  • Ana Carolina Venceslau Dos Santos
    31 mar 2018

    Apesar de muita gente ter dito que não gostou desse livro ela se tornou uma das minhas melhores leituras do ano até agora eu adorei a delicadeza da história e a sensibilidade com o qual o autor escreveu ela certas cenas do livro foram até impossíveis para mim de segurar as lágrimas

  • CATARINE HEITER MORAES BONESS
    24 mar 2018

    Também gosto muito de livros que se passem na França! Esse aí já está na minha lista mesmo ainda não tendo tido a oportunidade de ter lido A Livraria Mágica de Paris. Gosto tanto da ideia da historia, da capa e da delicadeza que sinto ao contempla-la; que seria capaz até de ignorar uma crítica negativa (que nunca vi) ao livro.

  • suzana cariri
    22 mar 2018

    Oi!
    Ainda não conhecia esse livro, mas gostei muito de saber que ele trás um pouco da cultura Bretanha, ainda não tinha lido nada que retrata essa cultura, esse livro parece ser uma viagem por vários lugares diferentes o que me deixou bem curiosa, adorei saber que temos personagens secundários que agregam a historia e ser tiver oportunidade quero muito ler essa historia !!

  • Lily Viana
    21 mar 2018

    Olá!
    Que livro lindo! Já tinha escutado sobre ele mas nunca tinha lido resenha, a trama é bem envolvente, uma história bem comovente e mostra a personagem em buscar de si mesma. Gostei muito!

    Meu blog:
    Tempos Literários

  • Eu adoro a capa desse livro, acho que ela por si só já traz esse ar de leveza tão característico do país cenário da trama. Achei o enredo relativamente simples, o que pra mim é mais uma qualidade do que um defeito. Muitas vezes somos atropelados por histórias minuciosas e complexas que nos deixam confusos, e esquecemos a beleza presente em trama que retratam personagens reais, com dramas próximos de nós mesmos, que eu acho que é exatamente o plot aqui. Gosto muito da forma como a autora escolheu abordar um tema tão delicado e preocupante quanto o relacionamento abusivo, acho que ficou sutil e mesmo assim contundente. Com certeza quero conferir o livro!

  • Pamela Liu
    19 mar 2018

    Oi Beatriz.
    Fiquei bem curiosa para conhecer essa história. Não leio muitos livros que se passam em Paris e vai ser interessante conhecer um novo cenário.
    Outra coisa que me chamou a atenção foi a idade dos personagens. Geralmente leio mais histórias com personagens mais novos. A situação de Marianne é bem opressora e triste. Espero que ela consiga ter um final feliz com a ajuda dos novos amigos.
    Beijos

  • Raquel Rodrigues
    19 mar 2018

    Realmente parece ser um livro muito bom !! O livro é bem diferente de tudo o que eu ja vi e gostei muito que fala tbm de algumas tradições da Bretanha e etc, em relação a personagem, gostei muito de ver que em uma viagem com a intenção de tirar a vida ela redescobriu mais coisas sobre ela e a vida. Quero me envolver na história tanto como você !!

  • Daiane Araújo
    19 mar 2018

    Oi, Beatriz.

    O que chama a atenção no livro é a idade da personagem, que vive uma vida infeliz, oprimida… Que leva a ansiar pela morte.

    É bom ver a personagem redescobrindo a vida, até mesmo nos pequenos detalhes, vivendo cada momento.

    Me identifiquei um pouco com a Marianne, por essa questão do medo, de não tentar e se arriscar, devido a opinião das pessoas.

  • Siga o @laoliphantblogInstagram