Resenhas 30jul • 2018

A Marquesapor Nahra Mestre

O livro no Skoob e no Goodreads.

Gênero do Livro: Romance de época, Regência, Nacional
Editora: The Books
Ano de Publicação: 2018
1º livro da série Damas Perfeitas
Número de Páginas: 170
Código ISBN: B07C9ZFNF6

Obs: Este livro foi cedido em parceria com o autor para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Nos palcos da aristocracia inglesa do século XIX, Sarah Granville Anson descobre, ainda muito jovem, que foi prometida para o primo Thomas Hervey, futuro marquês de Bristol. Enquanto ela se prepara para ser a esposa perfeita, Thomas torna-se cada vez mais contrário a qualquer tipo de sentimento. Uma dama apaixonada, que faz de tudo para conquistar o amor do futuro marido, ainda que com artifícios inapropriados para a sociedade conservadora em que vive. Um cavalheiro marcado pelo passado, avesso ao amor, mas que se vê envolvido pelos encantos de Sarah a cada dia. Quando Thomas se der conta de que ela é o amor de sua vida, pode ser tarde demais. Um romance de época, que retrata uma mulher à frente de seu tempo e que levará o leitor (a) a uma deliciosa viagem pela Era Vitoriana. Você irá se apaixonar.

Eu me apaixonei por A Marquesa no Instagram. Vocês já deram uma olhada nessa capa? Como qualquer leitora ávida de romances de época, eu não tinha como ver uma capa maravilhosa dessas e deixar passar a oportunidade de conhecer esse livro. A série Damas Perfeitas, como eu já apresentei aqui no blog, tem uma “pegada” um pouco diferente dos romances que nós estamos acostumados e a proposta de Nahra Mestre não só me surpreendeu, como eu me apaixonei pela sua escrita e pelos seus personagens desde o primeiro capítulo.

A primeira diferença que a gente percebe entre os romances de época que estamos acostumados e o romance de época de Nahra Mestre é a ambientação. Eu amo Julia Quinn e etc, mas a Nahra realmente foi um pouco mais a fundo na sua pesquisa e nos deu uma era vitoriana muito mais real do que eu estava acostumada. A forma como as pessoas se comportavam, os títulos e questões políticas da época, tudo é inserido nesse enredo de forma brilhante, envolvendo o leitor na teia de possibilidades do que poderia vir a seguir.

“Sarah aos poucos florescia, mostrando-se uma menina forte e inteligente. Ela era seu tesouro; se tivesse nascido homem, faria história como primeiro-ministro do Reino Unido.”

A escrita da Nahra foi uma das melhores partes desse enredo, eu tenho que dizer. Eu gosto muito do jeito que a narrativa conduz os acontecimentos do enredo e como os diálogos vão relevando cada vez mais da personalidade dos personagens da trama. Em algumas partes do livro, claro, eu senti que o enredo ficou oscilando um pouco de ritmo, mas nada que afetasse a minha leitura. Nahra Mestre tem uma escrita inteligente e eu adoro a ideia de como ela consegue amarrar bem seus personagens durante a trama, fazendo com que você queira muito ir além dos personagens principais.

O meu “mas” nesse livro é justamente o ponto importante do gênero: o romance. Por mais que Sarah e Thomas sejam colocados como um casal, ao longo do livro eu não consegui me conectar com eles dessa forma. Por algum motivo, talvez algo pessoal meu, senti que os dois não conheciam realmente os próprios sentimentos, mas que diziam estar apaixonados um pelo outro porque isso era melhor do que a alternativa de se casar com alguém que não se ama. Mesmo no desfecho do livro, o romance desse casal simplesmente não me convenceu.

“— Fui instruída a ter pulso firme e impor respeito. Disseram-me que, uma vez que a princípio não me fizesse respeitar, dificilmente conseguiria tal feito em uma segunda oportunidade.”

Sarah é uma personagem que “sensacional” não chega nem perto. Eu fiquei completamente apaixonada pela maturidade e direção que ela tem ao longo do livro. Ela é uma personagem que sabe exatamente o que quer, é consciente das suas próprias limitações e sabe muito bem o que precisa fazer para chegar onde quer. Tudo bem, eu admito que esperava uma parte mais rebelde na personalidade dela, mas a forma firme com a qual ela lida com os problemas a sua volta deu uma compensada nisso.

Por incrível que pareça, eu gostei muito do Thomas. Ainda não acredito que ele seja a melhor escolha de marido para Sarah, mas eu consigo entender muito bem os seus motivos por trás das suas ações. Eu acho que com toda as relações complicadas que ele tem, meio que era de se esperar que ele não se abrisse logo de cara, então eu meio que consegui sentir uma empatia muito grande pelo personagem e acredito que ele fez tudo o que ele podia fazer dentro das suas próprias limitações.

A Marquesa é um livro que nos apresenta a personagens maravilhosos. Neste primeiro livro da série, eu tive a oportunidade de já me apaixonar por diversos personagens, como a Marie. Apesar de ser uma personagem secundária no livro, eu realmente gostei da personalidade dela e do papel que ela desempenha na história para dar aquela “mãozinha” para que a Sarah consiga conquistar o coração do marido. É sororidade que na regência que você queria? Então encontrou.

Eu acho que essa é a primeira vez que eu realmente gosto de um romance de época nacional. Claro, eu já gostei muito de outras leituras, mas eu sou meio que “muito exigente” com o gênero e encontrar uma leitura que conseguiu me dar um pouco de tudo do que eu gosto, com o adicional de ser um nacional me deixou bastante animada. Eu realmente estou com as expectativas lá em cima para o próximo livro dessa série, A Cortesã. Tem muito mais sobre esses personagens que eu quero conhecer e se você gosta muito do gênero como eu, se joga em A Marquesa sem medo, tá?

Aproveite as promoções da Amazon e coloque A Marquesa na sua estante!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

7 Comentários

  • […] Damas perfeitas de Nahra Mestre ganharam o meu coração de leitora de romance de época quando eu li A Marquesa pela primeira vez. As personagens de Nahra não são nada parecidas com qualquer protagonista de época que eu tenha […]

  • Lily Viana
    31 jul 2018

    Olá!
    Não conhecia a autora mas adorei muito por conhecer, ainda mais estou na fase de querer só livros de romances de época..Adorei muito a sinopse, deixou eu bem curiosa por ele..

    Meu blog:
    Tempos Literários

  • Jade Sibalde
    31 jul 2018

    Oi Débora!
    Concordo contigo que a capa deste livro é um arraso! Gostei da premissa da serie por apresentar elementos mais reais do período. Ser nacional é outro ponto importante, gosto de conhecer o trabalho dos autores brasileiros até para incentivar este nosso mercado que sempre parece colocado em segundo plano.

  • Micheli Pegoraro
    31 jul 2018

    Oi Débora,
    Estava aguardando ansiosamente a resenha desse livro, pois a sinopse me conquistou assim que vi a divulgação aqui no blog.
    Fico empolgada em saber que esse romance de época tem potencial, com uma ambientação rica e detalhada da era vitoriana, ponto positivo que por si só já me deixa animada para ler logo. Adoro quando o enredo tem a parte histórica bem abordada.
    Já estou prevendo que vou gostar da Sarah, amo essas mocinhas bem resolvidas, à frente de seu tempo e que lutam pelo que desejam. Uma pena que o romance não convence muito :/
    Beijos

  • Iêda Cavalcante
    31 jul 2018

    Eitaa que já quero esse livro pra ontem!
    Vi quando foi lançado e achei a capa linda, mas acabei esquecendo de ir mais a fundo sobre ele, por exemplo, não sabia que era um romance de época.
    E como ávida leitora desse tipo de gênero que sou gostei muito do que o livro nos trás, saber que ele foge um pouco a todos os outros que a gente já leu deu uma super reforçada na minha vontade de conferir.
    Fico muito feliz que os nacionais estão ganhando seu espaço no coração dos leitores.
    Bjs!

  • Pamela Liu
    31 jul 2018

    Oi Débora.
    Eu adoro romances de época, então fiquei bem interessada nesse livro.
    A capa realmente é linda! Dá vontade de ter o livro só por causa dela.
    Parece que a autora fez uma ótima pesquisa sobre a sociedade da época, costumes e ambientação.
    Que pena que o romance não te convenceu completamente. Mesmo assim, fiquei com vontade de ler o livro e conhecer o trabalho da autora.
    beijos

  • Daiane Araújo
    31 jul 2018

    Oi, Débora,

    Ter uma personagem forte e idealizadora – como a Sarah -, cativa, dá um toque a mais no livro.

    Confesso que eu não achei a capa atraente e chamativa, mas o enredo é promissor. Pena que o romance não convence.

  • Siga o @laoliphantblogInstagram