Resenhas 31maio • 2020

Não Namore Rosa Santospor Nina Moreno

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Don't Date Rosa Santos
Gênero do Livro: Jovem adulto, Contemporâneo, Romance
Editora: Plataforma21
Ano de Publicação: 2019
Número de Páginas: 342
Código ISBN: 9786550080068

Comprar: Amazon

Sinopse: Dizem que as mulheres da família Santos são amaldiçoadas. As águas do mar tragaram os homens que elas amaram. E é por isso que namorar Rosa é um mau agouro, especialmente para garotos com um barco.Ela vive numa cidadezinha no sul da Flórida. Mas seu grande sonho é conhecer Cuba, a ilha que sua família deixou para trás há alguns anos. Para realizá-lo, precisa entrar numa faculdade que ofereça um programa de intercâmbio. E aí está o grande dilema de Rosa: contar para sua abuela, a curandeira mais amada da comunidade, sobre suas intenções. Ah, e ela não pode se esquecer de mencionar esse plano para a mãe… que sempre está chegando e partindo.Entre duas culturas e tantas escolhas, Rosa Santos precisa encontrar seu lugar além do horizonte. Quem sabe, nesse meio-tempo, ela também possa quebrar a maldição e enfim ser livre para se apaixonar.

resenha-nao-namore-rosa-santos-nina-moreno

Não namore Rosa Santos era uma daquelas leituras leves que caiu na minha mão depois de eu mergulhar de cabeça em alguns suspenses policiais.

Sendo o alívio cômico da minha lista de leitura da quarentena, o romance de Nina Moreno foi muito além da típica história de amor adolescente e abordou assuntos importantes, focando na protagonista e nos seus problemas familiares.

Vocês vão se apaixonar pelas mulheres da família Santos. Eu, pelo menos, me apaixonei.

O ponto forte da narrativa do livro, definitivamente, são os diálogos. Nina Moreno usou e abusou de diálogos incríveis para explorar a personalidade e voz dos seus personagens, nos entregando cenas divertidas, descontraídas, mas que, ao mesmo tempo, contribuíam muito para a construção da história.

A atmosfera de Não namore Rosa Santos é muito gostosa de ler. Não é muito difícil você conseguir se imaginar em meio a uma cidade portuária, com uma família cubana carregada de cultura e valores. Uma das coisas que eu mais gostei na escrita de Moreno é que, ela tem um dom incrível para transportar o leitor para dentro da história que ela está contando.

“Eu era uma coleção de hifens e palavras bilíngues. Sempre pega no meio. Duas escolas, duas línguas, dois países. Nunca muito certa ou suficiente para qualquer um. Meus sonhos foram financiados por um empréstimo feito muito antes de mim, e eu paguei com culpa e sucesso. Paguei de volta cuidando de um jardim cujas raízes não consegui alcançar.”

Preciso dizer que Rosa Santos foi uma protagonista muito melhor do que eu estava esperando. Ela tem uma personalidade muito interessante e gosto que a autora não escolheu ignorar isso ao longo da história para conseguir desenvolver um enredo romântico interessante para nós, pobres leitores sedentos por declarações etc.

Na verdade, o fato de Rosa estar em conflito sobre como expor seus sonhos e desejos para a família faz com que nos identifiquemos ainda mais com ela. Não é que ela seja uma personagem “certinha” ou qualquer coisa do tipo, pelo contrário, ela me soou mais normal que qualquer outro adolescente com decisões importantes a tomar sem estar preparada;

Os conflitos da Rosa importam. São decisões que vão afetar a vida dela, da família e a sua relação com as pessoas a sua volta. E o melhor, não tem nada haver com o romance ou com o seu interesse amoroso, o que torna o livro ainda mais interessante, relevante e, ao mesmo tempo, consegue deixar espaço para a parte romântica acontecer sem roubar o protagonismo da personagem.

A família Santos consegue roubar a cena desse livro com facilidade, e isso é ótimo.

Por mais que Alex seja aquele herói tudo de bom, ver a Rosa amadurecer através do seu relacionamento com a Mimi e a própria mãe me fez amar ainda mais esse livro.

“Eu deveria ter usado melhor a minha dor. Você e sua mãe merecem isso.”

O romance era apenas uma pequena parcela da história da Rosa, mas ainda tínhamos muita coisa para explorar. Ela conseguiria ir para Cuba? Sua mãe finalmente iria ficar? Mimi conseguiria entende-la da maneira que ela precisava? A maldição é real mesmo ou não?

Todos esses conflitos e perguntas fazem com que Não namore Rosa Santos seja uma leitura viciante e, por mais que o romance te roube o ar e faça você achar tudo muito lindo e fofo, no final do dia você só quer saber se as mulheres dessa família vão conseguir restaurar seu relacionamento como ele deve ser.

E falando de romance, porque eu sei que é isso que muitos querem saber, preciso dizer que gosto da forma como tudo acontece entre Rosa e Alex. Não tem muito drama, mas quando o drama acontece são por motivos relevantes e que agregaram algo para a história.

Gosto da forma como Rosa escolhe enfrentar o medo que tem da maldição, ao mesmo tempo que se preocupa em como seu novo “relacionamento” vai afetar a sua família. Também achei legal a maneira como Alex consegue respeitar e tentar entender os momentos da Rosa, sem fazer com que ela se sinta pressionada ou sei lá.

Eles são perfeitos demais, de verdade. O pacote completo do romance adolescente que a gente ama.

Acho que sempre vou me impressionar com o fato de que esse livro conseguiu me fazer rir, chorar e torcer por personagens que eu sei que não são reais. Confesso que eu nunca espero grandes surpresas de romances jovem adultos, mas, Nina Moreno conseguiu me manter presa as reviravoltas dessa história do começo ao fim.

Tinha muita coisa para desvendar sobre a família Santos, sobre os poderes da Mimi e sobre os motivos pelos quais ela morria de medo do mar e cuba. A carga emocional dessa história foi muito além de uma maldição, trazendo o peso do passado e de um futuro que nunca aconteceu.

Não namore Rosa Santos é aquela história que vai te surpreender, te apaixonar e fazer com que você queira ler esse livro mais de uma vez. Foi uma experiência de leitura que me deixou com uma sensação maravilhosa quando eu terminei, desejando poder esquecer só para reler e ter toda essa experiência maravilhosa de novo.

Débora Costa ver todos os artigos
Uma intelectual contemporânea que entende a importância da convergência de mídias, telas e narrativas. Acompanhando mais séries do que deveria e não consigo fazer uma coisa de cada vez. Ainda quero escrever um romance de época um dia.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

2 Comentários

  • Aurea
    01 jun 2020

    Livros que não giram só sobre romance e quando tem consegue fazer na medida certa, são bons. Bom saber que tem uma personagem bem construída e uma história que envolve. Fiquei curiosa sobre a maldição rsrsrs

  • Michelle Lins de Lemos
    01 jun 2020

    Ahhh!! Parece mesmo ser aquele tipo de leitura que te envolve te tal maneira que nos sentimos parte da história.
    Muito bom o livro abordar as questões familiares e culturais sem esquecer o romance

  • Siga o @thelaoliphantInstagram