Resenhas 23ago • 2018

Sem Voltapor Charles Burns

O livro no Skoob e no Goodreads.

Gênero do Livro: Ficção, Horror, HQ, comics, mangá, suspense e mistério
Editora: Quadrinhos na Cia.
Ano de Publicação: 2018
Número de Páginas: 176
Código ISBN: 9788535930733

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: A trilogia épica de Charles Burns reunida num só volume. Sem volta é uma jornada delirante pelo território, incerto e sombrio, da memória. Uma história em quadrinhos que nos mantém visualmente eletrizados com sua atmosfera de sonho e realidade distorcida. Enquanto se recupera de um trauma devastador, o jovem Doug tenta juntar as peças do seu passado. Sua paixão por Sarah, uma estudante de artes brilhante e atormentada; a doença do pai. O que de fato aconteceu? Entre homenslagarto, ovos verdes gigantes e a cena punk do final dos anos 1970, a história vai sendo montada e desmontada. Como se Hergé encontrasse Burroughs num pesadelo de David Lynch, Charles Burns funde ação e mistério e mantém o leitor num estado de constante tensão nesta que é a reunião de sua célebre trilogia — X'ed Out, The Hive e Sugar Skull. Em que medida podemos confrontar o passado e conhecer a nossa própria história? É possível voltar atrás?

É sempre interessante quando uma leitura consegue te deixar o tempo todo com um ponto de interrogação pairando em cima da sua cabeça. Sem Volta foi exatamente isso pra mim. Eu não conhecia praticamente nada do trabalho do Charles Burns (e vocês pode ter certeza que eu já estou corrigindo esse grave erro), então o meu interesse nessa leitura foi formado praticamente apenas pela sinopse. E é uma experiência muito legal quando uma história da qual você não sabe o que esperar te surpreende de uma forma tão intensa.

Em Sem Voltas, o jovem Doug acorda em um quarto com um ferimento na cabeça, sem memória de como chegou ali. Apesar de não se lembrar, Doug passou por um trauma devastador. Doug tenta juntar as peças de seu passado. Seu relacionamento com Sarah, uma estudante de arte brilhante e atormentada, a doença que acabou com a vida de seu pai. Entre homens lagarto, ovos verdes gigantes e a cena punk do final dos anos 1970, a história de Doug vai sendo montada e desmontada.

“Essa é a única parte que vou me lembrar. A parte que acordo e não sei onde estou.”

A narrativa de Sem Volta é bastante não linear, alternando entre as duas storylines de uma forma um tanto quanto desorientadora, mas acredito que essa seja exatamente a intenção. Esse contraste entre os dois ângulos da história fica ainda mais claro quando se observa os estilos diferentes em que cada lado é ilustrado. Um lado com traços realistas, e o outro com uma atmosfera de realidade distorcida, inspirada nos quadrinhos clássicos de Tintin. Essa jogada de sonho x realidade é constante em toda a leitura de Sem Volta e é muito bem construída.

O trabalho gráfico serve para contribuir ainda mais para os temas da história. Sem Volta é, no seu núcleo, uma exploração sobre como o seu passado, principalmente as decisões que você toma, podem afetar a sua vida. Vemos Doug lidando com diversos sentimentos complicados como dúvida, culpa, medo e principalmente arrependimento, particularmente em relação às relações pessoais deles. Mesmo com um visual tão lúdico e surreal, Sem Volta trata de temas que qualquer pessoa pode se identificar.

Esses relacionamentos são as principais fontes de culpa e arrependimento para Doug na história. A relação distante entre Doug e seu pai afeta a forma como se relaciona com todas as outras pessoas em sua vida. E isso fica extremamente claro em seu relacionamento com Sarah. O medo que Doug sente em relação ao futuro e a perda de seu juventude via lentamente levando ao fim do seu caso de amor com Sarah, e é genuinamente angustiante ver um personagem se afundar cada vez mais em suas emoções mais negativas.

“Tudo vai terminar de algum jeito… Porque tudo sempre chega ao fim, certo? Não tem volta. O último comprimido, o último cigarro, o último gole d’água… O último beijo.”

Logo no começo da história, nós vemos Doug em seu momento mais desolador. Debilitado, com um curativo no lado de sua cabeça, sem memórias do incidente que o colocou nessa situação. E a medida que vamos entendendo os acontecimentos que o levaram a esse ponto, a sensação de pena que sentimos por ele não melhora. Na verdade, vai ficando cada vez mais profunda. É uma leitura muito angustiante, mas que mesmo assim você não consegue parar de ler.

Em conclusão, Sem Volta é um exemplo perfeito de como os quadrinhos podem ser utilizados para contar histórias repletas de emoções complexas e humanas. A arte do Charles Burns é incrível, e eu vou com certeza correr atrás de conhecer mais do trabalho dele. Sem Voltas é uma história que precisa ser lida mais de uma vez, porque é bastante complexa, mas cada leitura acrescenta cada vez mais detalhes a experiência do leitor. Recomendo para todos, sem exceções.

Vinicius Fagundes ver todos os artigos
24 anos. Formado em Publicidade e Propaganda. Viciado em histórias. Desconhecido mundialmente.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

5 Comentários

  • Lily Viana
    31 ago 2018

    Olá!
    Não conhecia esse livro mas vejo que tem uma ótima premissa e a historia e bem juvenil, espero poder ler em breve..

    Meu blog:
    Tempos Literários

  • Iêda Cavalcante
    30 ago 2018

    Oiee!
    De cara devo dizer que odiei essa capa, gente que feia!
    Sobre o livro não me interessei, apesar do elogios o livro não me pegou, não sei se porque tenho um certo pé atrás com HQ, ou sei lá.
    Não pretendo ler.
    Bjs!

  • Elizete Silva
    30 ago 2018

    Olá! Também não conheço muito as obras de Charles Burns, mas acho que vou ter que rever isso hein, embora não seja meu gênero favorito, acho que por se tratar de um enredo tão complexo, com personagens que são fáceis de nos identificar, torna-se uma leitura quase que obrigatória mesmo.

  • Daiane Araújo
    24 ago 2018

    Oi, Vinicius,

    Não tinha conhecimento sobre essa HQ, porém aos meus olhos, a mesma já destacou -, mais precisamente por conter esse desenvolvimento ambíguo da vida, das estreitas relações e mente do personagem.

  • Kleyse Oliveira
    24 ago 2018

    Olá Vinicius.
    Eu não sou de ler HQS, mas essa já vai para minha wishlist para futuras aquisições. Mesmo não sendo do gênero que sou acostumada a ler, fiquei muito interessada nela.

  • Siga o @laoliphantblogInstagram