Resenhas 23fev • 2018

Simon vs. a agenda Homo Sapiens por Becky Albertalli

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Simon vs. the Homo Sapiens Agenda
Gênero do Livro: Literatura Estrangeira, Romance
Editora: Intrínseca
Ano de Publicação: 2016
Número de Páginas: 272
Código ISBN: 9788580578928

Comprar: SubmarinoLivraria CulturaAmazon

Sinopse: Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar. Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu. Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos.

Mais uma leitura que eu deveria ter feito assim que coloquei o livro na estante?! Hm, provavelmente. Simon vs. a agenda Homo Sapiens está na minha estante há algum tempo e, confesso que eu nem me lembro bem como ele foi parar lá, mas posso dizer que me arrependi demais por não ter entrado de cabeça nesse livro quando as pessoas vieram me dizer que iria ser um dos melhores livros da minha vida. Porque foi, sabe?! Uma mistura de enredo que eu já conhecia com aquela sensação de algo totalmente novo. Eu estou apaixonada pela forma linda que Albertalli, e ainda bem que eu li o livro antes de ele chegar nos cinemas.

Não é muito difícil você se identificar com o Simon. Todo mundo um dia na vida já ficou se questionando sobre contar ou não a verdade sobre si mesmo, independente de qual verdade seja essa. Eu entendo o Simon neste ponto, sabe? Às vezes você só precisa de mais um dia no conforto do que você acredita ser o melhor para você naquele momento, mas não demora muito até você começar a se sentir sufocado por todas aquelas coisas que você “deveria ser”, mas no fundo sabe que não é. E talvez esse seja o ponto que mais me encantou no livro de Albertalli: a profundidade do personagem e das suas dores trabalhadas de uma forma tão cuidadosa e simples.

“Mas estou cansado de sair do armário. Tudo o que eu faço é sair do armário. Tento não mudar, mas estou sempre vivendo essas pequenas mudanças. Arrumo uma namorada. Tomo uma cerveja. E, todas as vezes, preciso me reapresentar para o universo.”

Simon vs. a agenda Homo Sapiens nos convida a entrar na cabeça do Simon e viver junto com ele o seu relacionamento com Blue. Eu normalmente não gosto de enredos em primeira pessoa porque ficar na cabeça de um único personagem pode ser muito cansativo, mas Simon tem um jeito muito gostoso de contar a sua própria história e você acaba se envolvendo na vida dele, na vida dos seus amigos e na relação que ele constrói com o Blue através dos e-mails trocados. O enredo, apesar de simples, tem uma narrativa muito gostosa e os diálogos de Albertalli vem para dar o toque final desta leitura que se tornou uma das minhas favoritas de 2018.

Albertalli tem um enredo com uma entrega incomum. Por mais que o livro discuta muito a questão da orientação sexual, eu achei que Simon vs. a agenda Homo Sapiens foi uma viagem única de autoconhecimento onde, Simon era o condutor e a gente (leitor), os passageiros. O crescimento do personagem e seus conflitos são visíveis a quem está lendo, mas a autora não nos deixa apenas como espectadores, ela nos convida a sentir o que seus personagens sentem e, assim, nós simplesmente entendemos… tudo.

O “drama” entre Simon e Martin foi uma das coisas que eu mais gostei no livro, muito mais até do que a relação do personagem principal com a família. Gostei que a autora resolveu ir além do bullying “agressivo” e mostrar que às vezes a intolerância pode vir de várias formas diferentes e, nem sempre, o autor precisa ter o estereótipo agressivo. Martin é o clássico cara legal que esconde os seus preconceitos, mas que perde o controle na primeira oportunidade e, eu achei ótimo que a autora tenha trabalhado essa característica dele aos poucos, levando o personagem ao momento em que ele iria explodir capítulo por capítulo.

“O jantar é Oreo empanado com sorvete de Oreo, e a bebida é Oreo dissolvido em leite. Nada de água. Só leite de oreo. A sobremesa pode ser Oreo puro. Parece razoável? É para o seu bem, Blue.”

Um ponto do livro que eu acho que vale a pena mencionar, é o relacionamento de Simon com os pais dele. Normalmente quando falamos de “sair do armário” em enredos literário, o personagem sempre tem um grande medo de admitir para a família, mas Simon sempre teve a certeza de que seus pais conseguiriam lidar muito bem com o fato de ele ser gay, porém falar sobre isso ainda era algo muito complicado para o personagem, o que mostra que “sair do armário” não tem muito haver com o que as outras pessoas vão pensar, mas sim em como você vai se sentir com você mesmo.

O relacionamento de Blue e Simon é um dos meus favoritos. Eu meio que tenho uma queda por qualquer relacionamento que começa com um a boa troca de e-mails. A ideia de conhecer alguém antes mesmo de conhecer a pessoa de verdade torna a relação mais sincera. Quando você não tem aquela pressão de olhar nos olhos de alguém, você se sente muito mais leve para ser quem você é e a honestidade dos e-mails trocados entre Simon e Blue é algo que vale a pena ser lido mesmo que você não esteja tão interessado neste livro assim. Confia em mim, esse romance é tudo o que você precisa na sua estante, você pode só não sabe disso ainda, tá?!

Eu estou muito feliz de ter feito a leitura de Simon vs. a agenda Homo Sapiens. Quando eu terminei o livro, fiquei com aquela sensação boa no peito, o que é só um sinal de que a formula de escrita de Becky Albertalli tem o poder de sugar o leitor para dentro do livro. Mas agora eu quero saber de vocês: já leram Simon vs. a agenda Homo Sapiens? 21O que vocês acharam? Conta pra mim!

Gostou da resenha? Então não esquece de se inscrever na newsletter do blog para acompanhar os próximos conteúdos!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

10 Comentários

  • […] uma breve explicação: Com Amor, Simon é a adaptação do livro Simon vs. a Agenda Homo Sapiens, lançado no Brasil pela Intrínseca em 2016. O filme conta a história do Simon, um adolescente comum que esconde um grande segredo: […]

  • Estou doidooooo para ler esse livro e ver o filme que acabou de sair! Obrigado por essa resenha M-A-R-A-V-L-H-O-S-A!!!!!

  • Ana I. J. Mercury
    28 fev 2018

    Que linda resenha, adorei!
    Eu tava na dúvida entre ler ou não esse livro, mas agora eu quero! kkkk
    Adorei a autora falar sobre essa coisa de autoconhecimento, sobre sermos nós mesmo, e sobre sexualidade e bullying também.
    Temas complicados, mas que PRECISAM muito serem lidos, debatidos, etc.
    bjsss

  • Daiane Araújo
    28 fev 2018

    Oi, Débora.

    Para o Simon que se vê, de repente, chantageado, não deve ter sido fácil essa situação toda, já que com certeza ele não estava preparado para assumir sua sexualidade. E de uma hora para outra tudo ao seu redor pode ruir.

    E temos a oportunidade de acompanhá-lo nesse dilema e saber como ele vai lidar com tudo isso.

  • Catarine Heiter Moraes Boness
    27 fev 2018

    Encontrei este livro na promoçao na minha última ida a Saraiva e vejo que vacilei ao não te-lo selecionado para compra 🙁 Apenas a sinopse não havia me deixado encantada na ocasião..

  • Janaina Silva
    26 fev 2018

    Infelizmente ainda não tenho esse livro.
    Já li algumas resenhas sobre a história,e foram tão positivas quanto a sua.
    Legal que a autora aborda a homossexualidade de forma mais leve. Sem pesar muito na trama.
    É uma forma diferente de contar uma história, dos livros do gênero que já li.

    Bem,eu pretendo em breve conhecer o Simon. Assim como também o enigmático Blue.

  • Alison de Jesus
    24 fev 2018

    Olá, amo livros com enredos simples mas que nos marcam para sempre, e este é exatamente esse tipo de livro. É interessante o fato de a autora ir além do que se acostuma abordar quando o assunto é homossexualidade, mostrando a complexidade de se encontrar como pessoa. Beijos.

  • Vitória Pantielly
    24 fev 2018

    Oi Débora
    Olha, pra minha infelicidade não me lembro de ter lido nenhum livro que o protagonista era gay, talvez essa seja a minha maior curiosidade nesse livro, principalmente por mostrar a adolescência, uma fase que já é tão complicada, imagine a pessoa estar com medo de todos descobrirem algo que vai afetar tanto sua vida?!
    Acho que uma palavra que você utilizou pode definir essa história: descoberta.
    Espero que a adaptação seja fiel e traga os elementos do livro!
    Beijos

  • Ludyanne Carvalho
    23 fev 2018

    Já quero!
    Gostei muito da escrita da Becky quando li Os 27 crushes de Molly, é bem envolvente e fluída.
    Não tinha tanto interesse nesse livro; mas a cada comentário eu percebo que é uma leitura imperdível.

    Beijos

  • Michelli Prado
    23 fev 2018

    Achei incrível a temática deste livro, li ele por curiosidade no ano passado e achei a historia super leve e rápida para se ler. Ainda não conhecia a escrita da autora, e acho uma dica de leitura “branda” sob a temática gay, apesar de falar de uma forma bem interessante sobre bulling e sobre assumir sua opção sexual. Quando terminei ele assim como você, fiquei com o coração aquecido ♥

  • O Usuário laoliphantblog não existe ou é uma conta privada.