Resenhas 03jun • 2018

As Sobreviventespor Riley Sager

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Final Girls
Gênero do Livro: Thriller, Mistério
Editora: Gutenberg
Ano de Publicação: 2017
Número de Páginas:
Código ISBN: 9788582354629

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Há dez anos, a estudante universitária Quincy Carpenter viajou com seus melhores amigos e retornou sozinha, foi a única sobrevivente de um crime terrível. Num piscar de olhos, ela se viu pertencendo a um grupo do qual ninguém quer fazer parte: um grupo de garotas sobreviventes com histórias similares. Lisa, que perdeu nove amigas esfaqueadas na universidade; Sam, que enfrentou um assassino no hotel onde trabalhava; e agora Quincy, que correu sangrando pelos bosques para escapar do homem a quem ela se refere apenas como Ele. As três jovens se esforçam para afastar seus pesadelos, e, com isso, permanecem longe uma da outra; apesar das tentativas da mídia, elas nunca se encontraram. Um bloqueio na memória de Quincy não permite que ela se lembre dos acontecimentos daquela noite, e por causa disso a jovem seguiu em frente: é uma blogueira culinária de sucesso, tem um namorado amoroso e mantém uma forte amizade com Coop, o policial que salvou sua vida naquela noite. Até que um dia, Lisa, a primeira sobrevivente, é encontrada morta na banheira de sua casa com os pulsos cortados; e Sam, a outra garota, surge na porta de Quincy determinada a fazê-la reviver o passado, o que provocará consequências cada vez mais assustadoras. O que Sam realmente procura na história de vida de Quincy? Quando novos detalhes sobre a morte de Lisa vem à tona, Quincy percebe que precisa se lembrar do que aconteceu naquela noite traumática se quiser as respostas para as verdades e mentiras de Sam, esquivar-se da polícia e dos repórteres insaciáveis. Mas recuperar a memória pode revelar muito mais do que ela gostaria.

Se você gosta tanto de filmes de terror quanto eu, em algum momento você já ouviu o termo “Final Girl”. Se não, permita-me explicar. A Final Girl é a única sobrevivente do massacre causado pelo vilão de um filme de terror. E como bom fã de filme de terror, especialmente slashers, eu não pude deixar de conferir As Sobreviventes, um livro protagonizado por personagens que são tecnicamente Final Girls. Mas eu não sei exatamente porque, As Sobreviventes não foi a leitura que eu estava querendo, apesar de ter partes que eu curti bastante.

Quando era adolescente, Quincy Carpenter fez uma viagem de fim de semana com seus amigos e foi a única que saiu dessa viagem viva. Anos depois, Quincy vive uma vida relativamente normal, até que descobre que Lisa Milner, uma mulher que teve uma experiência parecida com a dela aparece morta. Quando Samantha Boyd, outra Final Girl aparece na sua porta, decidida a fazer Quincy reviver as memórias que ela reprimiu anos atrás, Quincy precisa descobrir exatamente o quanto do quem lhe diz é verdade e o quanto é mentira.

“Ela corria por instinto. Um alerta inconsciente de que precisava continuar, independente do que acontecesse. Até já tinha esquecido o porquê. As memórias de cinco, dez, quinze minutos atrás tinham desaparecido. Se sua vida dependesse de lembranças daquilo que motivou sua fuga pela mata, ela tinha certeza de que morreria bem ali no solo da floresta.”

Pra começar, acho que o fato de eu curtir tanto filmes de terror acabou estragando essa leitura pra mim, porque isso tornou o plot extremamente previsível. Ao longo da leitura, eu ia adivinhando exatamente o que ia acontecer a seguir, qual seria o próximo plot twist. E pra um livro de suspense, o suspense é meio que uma questão importante. Infelizmente, esse quesito ficou faltando pra mim, mas talvez esse seja um problema pessoal, e não um lance que afetaria outra pessoa nessa leitura.

Por outro lado, a escrita do Riley Sager é bem legal. Ele conseguiu passar extremamente bem o trauma e a raiva que a Quincy carrega dentro de si. As cenas em que Quincy volta para os momentos traumáticos em que ela se tornou uma Final Girl foram muito bem construídos, e eu realmente me senti como se estivesse assistindo um filme de terror. Eu não tenho certeza se o Riley Sager é fã de filmes de terror, mas não me surpreenderia nem um pouco se ele fosse. Ele conseguiu atingir todos os pontos que eu gosto em um slasher.

Como protagonista, Quincy é bastante satisfatória. No começo do livro, vemos como ela tenta manter uma imagem de ser bem ajustada, e normal. Mas ao longo da história, nós podemos ver o quanto o trauma que ela passou afetou sua saúde mental. E aos poucos, ela vai desencadeando toda a raiva e o ressentimento que a situação criou dentro dela. Eu realmente torci para que ela conseguisse sair bem da confusão que o livro joga em cima dela. E como nós já falamos algumas vezes aqui, é muito importante que o protagonista do livro seja uma pessoa para quem você consiga torcer.

“Basicamente, o que testemunhei foi aterrorizante demais para que minha mente frágil conseguisse reter. Então eliminei o acontecido mentalmente”

Uma coisa que o livro consegue passar muito bem é o quanto Quincy trabalha para esconder o quanto a tragédia que ela passou afeta sua vida. Apesar de tentar manter uma imagem de uma vida normal, Quincy tem vários hábitos nocivos, como o consumo exagerado de álcool, a dependência de remédios, e a cleptomania. E aos poucos esses hábitos vão se juntando para pintar a imagem de como o subconsciente dela está destruído pelas lembranças que ela não consegue acessar sobre a noite que mudou a vida dela.

Os outros personagens são interessantes, mas não tanto quanto Quincy. Jeff, namorado de Quincy, começa a história sendo um pouco desagradável, mas vai aos poucos mostrando seu lado mais amável. Sam, outra Final Girl com quem Quincy cria uma amizade instável, não funcionou tanto pra mim, porque eu percebi de cara o papel que ela teria na história. E a mesma coisa aconteceu com Coop, o policial que salvou Quincy da tragédia que aconteceu com ela, e acaba se tornando um amigo e protetor dela. Os dois meio que acabaram se tornando arquétipos de filmes de terror óbvios demais pra mim.

No geral, As Sobreviventes é uma leitura legal se você não focar tanto nos pontos que lembram um filme de terror, porque aí você acaba descobrindo o plot inteiro na metade do livro. Se você conseguir ignorar esses detalhes, é uma história de suspense bem escrita, com cenas realmente arrepiantes, e uma protagonista muito cativante. Não atingiu todos os pontos que eu queria, mas funciona dentro de que se propõe a fazer. E essa leitura me animou a fazer uma maratona de slasher films, e isso é uma das melhores coisas que uma leitura pode me proporcionar.

Se você gosta de histórias de suspense, e não é tão chato quanto eu sobre conseguir adivinhar aonde a história está indo, As Sobreviventes seria uma leitura muito legal. Eu com certeza vou procurar os outros livros do Riley Sager, porque a escrita dele foi a minha parte favorita do livro. Espero que a Gutemberg traga mais livros dele pro Brasil porque eu com certeza vou acrescentá-los para a minha lista de leitura.

Gostou da resenha? Não esqueça de se inscrever na newsletter do blog para acompanhar o nosso conteúdo.

Vinicius Fagundes ver todos os artigos
24 anos. Formado em Publicidade e Propaganda. Viciado em histórias. Desconhecido mundialmente.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

12 Comentários

  • Atraentemente Evandro
    14 jun 2018

    Eu gosto de filmes de suspense e acredito que não sou tão exigente assim a ponto dessa previsibilidade em alguns momentos atrapalhar minha leitura, levando em consideração todas as outras qualidades do enredo e da escrita. Também concordo que é preciso estar em sintonia com a personagem principal e torcer por ela a ponto de roer todas as unhas. Dica anotada.

  • Elizete Silva
    13 jun 2018

    Olá! Já ouvi (li) muita coisa boa referente a esse livro e estou empolgada para conferir se são verdadeiras. Gosto de histórias que me dão a impressão de que faço parte do enredo, me sinto o verdadeiro Sherlock Holmes, ainda mais quando o desfecho se mostra previsível, facilitando meu trabalho (risada maléfica).

  • Camila Rezende
    11 jun 2018

    Olá Vinicius,
    não sou fã de livros desse gênero, ou de filmes de terror.
    Pena que durante a leitura do livro vc descobria o que iria acontecer, acho que para os fãs desse tipo de livro isso acaba sendo um pouco frustrante.
    Não planejo ler esse livro.

  • Vitória Pantielly
    07 jun 2018

    Oi Vinícius,
    Estou me sentindo uma leiga, porque adoro filmes de suspense, mas juro que nem ouvi falar sobre o termo. Desde o lançamento eu achei a história toda interessante, de cara já percebi que Quincy seria uma personagem totalmente derrotada emocionalmente, porque como disse, é uma característica do gênero. É uma pena que a história tenha sido tão previsível, para mim isso não atrapalha a leitura, pelo contrário, sou do tipo que adora adivinhar os acontecimentos antes, mas entendo que tenha te desanimado um pouco.
    Espero ler em breve.
    Beijos

  • Gislaine Lopes
    06 jun 2018

    Oi Vinicius,
    Logo que este livro foi lançado fiquei interessada por se tratar de um gênero que adoro, mas como nunca havia lido nenhum resenha ou crítica já havia até me esquecido dele. O interessante deste livro, para mim, está na construção da história, pois a protagonista já passou por algo terrível e é como se fossemos ver um depois de um final de filme de terror ou uma parte 2. Talvez por isso a parte do suspense não surpreenda tanto assim, principalmente um leitor que tiver uma boa base desse tipo de enredo. Não consigo nem imaginar como é para Quincy tentar se reajustar e ter uma vida normal, ainda mais quando tudo está prestes a piorar com a possibilidade de passar por tudo de novo. Pode ser que essa não seja a melhor leitura do gênero, mas ainda que conferir a história de As sobreviventes.

  • Kleyse Oliveira
    06 jun 2018

    Oi Vinicius!
    Esse eu estou querendo ler. Já li várias resenhas tanto falando bem quanto falando que faltava algo, mas vai de cada leitor gostar ou não né. Eu não sou muito fã desse gênero, mas esse ano pretendo deixar o preconceito literário e experimentar ler novo gêneros.

  • Pamela Liu
    05 jun 2018

    Oi Vinicius.
    Não sou muito fã de filmes de terror, mas adoro ler livros de suspense.
    Eu tenho esse livro, mas ainda não o li. Seria a minha próxima leitura.
    Geralmente eu descubro os plots twists antes e isso me desanima um pouco, pois gosto de ser surpreendida. Vamos ver como vai ser com esse livro.
    Parece que o autor construiu bons personagens e alguns plots twists clichês, mas que são coerentes.
    Espero gostar da leitura.
    Beijos

  • Theresa Cavalcanti
    04 jun 2018

    Oi Vinicius,
    Confesso que esse livro não faz muito meu estilo de leitura, mas fiquei louca para ler! Amo uma coisa com esse ar de mistério! Quero muito ler. Obrigada pela indicação <3

  • Micheli Pegoraro
    04 jun 2018

    Olá Vinicius,
    Não sou fã de livros/filmes de terror, mas adoro um suspense mais “leve”, e estou cada vez mais pegando gosto por thriller psicológico. Desde que vi o lançamento desse livro no ano passado fiquei interessada em ler, a sinopse me fisgou completamente.
    Para mim, parece ser uma trama riquíssima, com personagens bem construídos e esse grande mistério do que esta por trás dos massacres. Fiquei intrigada para saber qual o motivo das três garotas terem sido as únicas sobreviventes. É um livro que prende o leitor, pois até descobrir o desfecho dessa trama é impossível largar o livro.
    Beijos

  • Lili Aragão
    04 jun 2018

    Oi Vinicius, não sou tão fã de filmes de terror assim e acho que isso iria acabar sendo positivo se resolvesse ler essa história, a previsibilidade que acabou te incomodando iria passar batida por mim rsr. Não consegui decidir se é um livro que eu leria, mas achei a resenha interessante e o fato da protagonista ser cativante é importante pra criar vinculo com a história.

  • Daiane Araújo
    04 jun 2018

    Oi, Vinicius.

    Gostei desse livro, mas as cenas descritas no final, sobre o que aconteceu naquela fatídica noite, me fizeram ter sonhos macabros. Sério, não me senti bem, fiquei um pouco enojada. Para mim, pelo menos, as cenas foram muito fortes.

    E eu comecei a pensar naquele jovens, que tiveram seu futuro destruído… Mesmo sendo um livro fictício. O livro me causou isso.

    Já tinha passado pela minha mente, quem era o(a) assassino(a). Então, não foi muita surpresa pra mim…

    Só acho que o autor poderia ter desenvolvido melhor o perfil do(a) assassino(a), pois aquela justificativa não me convenceu muito… Sei lá, não foi muito impactante. Se fosse a outra hipótese, no qual estava em pauta (digamos assim) quase o tempo todo, teria sido melhor.

    Até a página 230, achei esse livro chato pra caramba! A partir daí, é que as coisas começam a ficar interessantes!

  • Bruna Lago
    03 jun 2018

    Uau, achei a sinopse tão intensa, meio que você precisa ler umas duas vezes pra pegar o espírito do livro.
    Não sou de assistir filmes de terror, confesso que não conhecia o termo que você trouxe pra gente. Em relação aos livros com esse tema, também não são leituras frequentes. Mas sempre fico curiosa com as resenhas pra acompanhar se o livro é tudo aquilo ou se não é grande coisa.
    Fiquei surpresa ao ver você falando que adivinhava tudo que iria acontecer, imagino que foi uma coisa bem chata pra ti ne?? O bom é quando algo surpreendente acontece, seria muito bom que o livro fosse uma leitura e tanto pra você, uma pena. Eu não conheço, mas se um dia me deparar com ele talvez até comece uma leitura. Abraços

  • Siga o @laoliphantblogInstagram