Resenhas 04jul • 2018

Sorte Grandepor Jennifer E. Smith

O livro no Skoob e no Goodreads.

Título Original: Windfall
Gênero do Livro: Young Adult, Romance, Contemporâneo,
Editora: Galera Record
Ano de Publicação: 2018
Número de Páginas: 384
Código ISBN: 9788501114280

Obs: Este livro foi cedido em parceria com a editora para resenha.

Comprar: Amazon

Sinopse: Novo romance da autora de A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista e Geografia de Nós Dois. Desde que perdeu os pais, Alice não acredita na sorte. Mas ela acredita no amor. De seus tios, de seu primo Leo, de seu melhor amigo, Teddy. Quando precisa decidir o que dar a Teddy em seu aniversário de 18 anos, a ideia parece chegar naturalmente: um bilhete de loteria. Com todos os números importantes para ambos: número dos anos que estiveram juntos, datas importantes e endereços marcantes. Quando a combinação se prova vencedora e o menino ganha quase 150 milhões de dólares, os dois se envolvem em um redemoinho de loucuras juvenis, interesseiros e sonhos de infância realizados. Tudo estaria perfeito, não fosse um beijo trocado no auge das comemorações. Um beijo que mudaria tudo. Mas o dinheiro não pode comprar o amor. Mas será que pode dar uma ajudinha?

Aqueles que acompanham o blog há algum sabem que eu sou completamente obcecada pelos livros da Jennifer E. Smith. A forma profunda como ela escreve os seus personagens sempre me tocou e, se você já leu qualquer outro livro dela, provavelmente sabe que é muito difícil não se apaixonar pela escrita dela desde o primeiro capítulo. Apesar disso, Sorte Grande não teve um impacto tão positivo como eu estava esperando. Eu adorei a escrita da autora e a forma como ela desenvolveu seus personagens, mas alguma coisa nesse enredo simplesmente não funcionou para mim.

Eu tenho uma queda muito grande por Young Adults contemporâneos. É um gênero que sempre fala comigo de uma forma muito pessoal e, a maneira como Smith conseguiu construir a atmosfera de Sorte Grande foi incrível. Cada um dos personagens tem uma questão a se resolver e todas as questões, de alguma forma, fizeram com que eu me conectasse com esses personagens e quisesse conhecer mais sobre quem eles eram, mas o único problema para mim foi o fato de o enredo simplesmente não parecer caminhar de um capítulo para o outro, entendem?

“…sei que não é assim que as coisas funcionam. A vida não se curva à vontade de ninguém. E também não funciona baseada em um sistema de créditos. Só porque o mundo roubou algo de mim, não significa que me deva outra coisa em troca. E só porque estoquei uma quantidade grande de má sorte, não significa que vá receber algo de bom em troca.”

A narrativa é em primeira pessoa, do ponto de vista da nossa protagonista, Alice. E embora a personagem tenha me conquistado, eu não conseguia ver que o enredo estava se desenvolvendo até mais da metade da leitura. Era como se a história estivesse andando em círculos até um determinado ponto e a sensação que eu tinha era que as cenas se repetiam cada vez mais, assim como alguns diálogos e nada realmente acontecia ali. Eu demorei bastante tempo até conseguir engatar na leitura, mais ou menos da mesma forma que eu demorei para me conectar Ser Feliz é Assim, outro livro da autora que me deu bastante trabalho para terminar.

Não é nenhuma novidade dizer que a escrita da autora não decepcionou, certo? Eu gostei muito da forma como ela conseguiu trabalhar assuntos importantes dentro do enredo como, por exemplo, a forma como algumas pessoas escolhem lidar com o luto e a relação adolescente com os pais. Além disso, nós temos uma visão muito interessante de como é um adolescente ganhar muito dinheiro na loteria e como isso pode afetar a vida das pessoas a sua volta. De tudo o que eu vi Smith colocar nesse enredo, os personagens, de forma individual, foi o que eu mais gostei em Sorte Grande. Era como se cada um tivesse algo que fizesse com que eu me conectasse com o que eles estavam sentindo.

Eu realmente gostei a Alice como personagem. De todos os personagens da Jennifer até hoje, a voz da Alice me conquistou desde o começo do livro. Ela é uma protagonista que teve muitas perdas e, apesar da sua falta de fé no universo, ela continua tentando fazer o melhor que pode pelas pessoas a sua volta. Eu gostei muito da sua personalidade simples, sempre preocupada com os amigos e com a família. Também gostei da forma como ela me soou muito “realista” do que a maior parte dos personagens de YA soam e isso me deu uma sensação de proximidade muito maior com ela.

“Talvez seja por estarmos sentados juntos em uma cama de hotel no escuro, e que ainda assim a ideia de me beijar não poderia estar mais distante da cabeça de Teddy. Ou, talvez, até porque eu também seja um de seus projetos abandonados. Porque ele me beijou como se realmente quisesse me beijar. E depois descobriu que não queria mais.”

 

Agora se você pegou esse livro por causa do romance, acho que você vai se decepcionar um pouco. Não se enganem, eu sou all about romance, também, mas esse relacionamento do Teddy com a Alice não me convenceu. Eu acho que faltou um pouco mais clareza por parte do Teddy neste ponto. Eu nunca conseguia dizer se ele realmente gostava da Alice, ou se ele estava usando-a de apoio para qualquer que fosse o problema dele naquele momento. E mesmo quando as coisas começam a andar entre eles, não sei, simplesmente não me pareceu certo o que estava acontecendo, sabe? Eu acho que a Alice merecia um cara muito melhor.

E eu não vou dizer que eu não gostei do Teddy, porque eu gostei muito. Uma das partes mais interessantes do livro é a maneira como ganhar na loteria afetou a vida e a personalidade dele e como fez com que ele enxergasse a relação com o próprio pai de uma maneira diferente. Foi muito fácil me identificar com ele, principalmente porque as possibilidades do dinheiro revelaram para ele oportunidades que ele nunca havia conquistado antes e isso foi muito interessante de ver. Ainda assim, no quesito romance, para um cara que tem um jeito de ser esperto, ele é bastante lento para algumas coisas, socorro.

Eu realmente gostei do desfecho de Sorte Grande, mas o desenvolvimento foi uma questão que eu não consegui deixar para lá. Mesmo com esses personagens maravilhosos e tudo o que eu gostei no livro, a leitura soou arrastada até o final e isso foi uma grande negativa para mim. Já tentaram terminar um livro que parece que a leitura não tá indo? É muito desconfortável. Ainda assim, Smith me entregou duas coisas que eu mais gosto nos seus livros: uma escrita maravilhosa e personagens que eu nunca vou esquecer.

Não deixe de aproveitar as ofertas da Amazon para colocar Sorte Grande na estante!

Débora Costa ver todos os artigos
Escritora melancólica nas horas vagas, publicitária hiperativa no dia a dia. Viciada em Oasis, uma eterna apaixonada por Beatles. Leitora compulsiva de livros de steampunk. Futura autora de um livro sobre viagem no tempo.

Posts relacionados

Comente com o Facebook

Comente pelo WordPress

8 Comentários

  • Lily Viana
    18 jul 2018

    Olá!
    Eu já tinha visto esse livro mas não tinha parado para ler a resenha. Ao ler aqui tem uma premissa boa, pena que não te agradou o enredo da trama, eu gostei e espero poder ler essa historia e também ter a oportunidade de conhecer essa autora.

    Meu blog:
    Tempos Literários

  • Vitória Pantielly
    06 jul 2018

    Oi Débora,
    Eu não conheço a escrita da autora, mas pelos elogios seus enredos são bem feitos, e achei a história bem original. Às vezes isso acontece, os personagens conquista mas ficamos com falta de algo a mais, uma pena, eu realmente achei que ia ser um romance bem fofo, já estava imaginando as cenas dos dois, rs.
    Mesmo sua experiência não sendo completamente boa, eu ainda quero ler o livro, fiquei encantada com essa capa.
    Beijos

  • Bruna Lago
    06 jul 2018

    Tenho muita vontade de ler A Geografia de nós dois, já vi muitas resenhas e gosto bastante da sinopse.
    Da mesma forma, adorei esse. Essas histórias que são leves e docinhas de se ler ganham o nosso coração, e sempre que termino uma história mais pesada é sempre bom ler algo assim.
    Me decepcionei quando você falou do romance.. Acho que se a história fosse contada por ele também, talvez passasse mais verdade. Adoro histórias que contam as duas versões!! Uma pena hein.

  • Pamela Liu
    05 jul 2018

    Eu li apenas um livro da autora, A probabilidade estatística de amor a primeira vista, e gostei bastante da escrita.
    Confesso que não fiquei muito empolgada para ler esse livro dela. Parece que demora para a leitura fluir e o desenvolvimento parece pecar um pouco.
    Beijos

  • Daiane Araújo
    05 jul 2018

    Oi, Débora.

    A proposta do livro é ponderada, e prontamente, já gostei disso.

    A mensagem passada é relevante, pois em se tratando de dinheiro, as pessoas realmente mudam, de formas diferentes.

    Enfim, pena que ele não te agradou muito…

    O que me atraiu mais foi a introdução do romance a história, então, agora, não sei o que pensar se eu resolver lê-lo.

  • Nicole Longhi
    04 jul 2018

    Eu gostei muito da premissa, e achei legal por ele não se tratar de um romance em si.
    Parece que os dois personagens parece que sabem como ganhar o leitor, e isso me encantou bastante.
    Nunca li nada da autora, mas pretendo dar uma chance.
    Uma pena que a leitura tenha ficado arrastada, isso sempre me acaba me deixando presa ao livro porque não desisto porém me forço a termina de um modo bem negativo.

    beijinhos

  • Micheli Pegoraro
    04 jul 2018

    Oi Débora,
    Ainda não tive a oportunidade de conhecer essa escrita maravilhosa da Jennifer E. Smith, mas desejo muito ler A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista e Geografia de Nós Dois. Quanto a esse novo livro da autora, fiquei muito interessada quando vi o lançamento, essa premissa me deixou curiosa para conferir a história desses dois amigos, e como o dinheiro irá afetar esse relacionamento de anos.
    A Alice pelo jeito é o tipo de protagonista que conquista logo nas primeiras páginas, uma personagem simples e bondosa, sendo desenvolvida de uma maneira bem realista.
    Uma pena que a narrativa em si não é envolvente, ficando dando voltas e mais voltas, deixando aquela sensação de que não vai chegar a lugar nenhum. O que me desanima também é o fato do romance não convencer. Porém, vou anotar esse livro juntamente com os outros livros da autora na lista de desejados.
    Beijos

  • Luana Martins
    04 jul 2018

    Olá, Débora
    Não li nenhum livro da autora, mas quero conhecer sua escrita.
    Esse livro tem que ser lido sem expectativas, deixar as coisas acontecerem e aproveitar cada parte do mesmo como fazemos no dia a dia.
    Como a estória é enrolada no começo ela deve ser assim para explicar como os personagens são construídos durante a trama.
    Tenho certeza que apesar de ser lento é uma leitura que dá aquele quentinho no coração.
    Beijos

  • Siga o @laoliphantblogInstagram