Posts arquivados em Tag: Branca de Neve

22 ago, 2016

Margarete von Waldeck: A Verdadeira História da Branca de Neve

Margarete von Waldeck

Considerando que Branca de Neve tenha todos os requisitos básicos para um conto-de-fadas, é estranho descobrir que, na realidade, ela fora inspirada em uma história real. Após postar um artigo sobre a verdadeira história de A Bela e a Fera, fui informada (obrigada Mara!) de que a famosa história da jovem com pele de alabastro e sua maçã envenenada, também possuía uma inspiração real e igualmente interessante. Curiosa, fui procurar um pouco mais sobre o assunto, e o que encontrei,  vocês irão ler a seguir.

Jakob e Wilhelm Grimm, os autores do conto da Branca de Neve e os Sete Anões, eram estudiosos alemães que coletavam, pesquisavam e escreviam histórias baseadas em folclore, no início do século XIX. As histórias que espalharam-se de boca em boca por toda a Europa, eram tratadas como pesquisas acadêmicas e os irmãos chegaram a escrever mais de 200 delas. Uma destas histórias era a Branca de Neve, baseada nos registros de várias pessoas – desde camponeses a aristocratas – que atraiu críticas a respeito do quão precisamente tal tradição oral fora proferida durante seus processo de transcrição.

No entanto, em 1994, o estudioso alemão chamado Eckhard Sander, escreveu a tese:‘Branca de Neve: É um conto de fadas?’. Tal trabalh0 tinha como intenção, desmascarar alegações de que a protagonista do conto nunca antes existira e que este não era baseado em fatos históricos.

Margarete von Waldeck

De acordo com Sander, o registro que mais tarde viraria um conto dos irmãos Grimm, baseou-se na vida de Margarete von Waldeck, uma Condessa bávara que era a amante de um príncipe espanhol, durante o século XVI.

Descrita como muito bela em todos os registros históricos que citam seu nome, Von Waldeck, comumente referida como Margaretha de Waldeck, nasceu em 1533, filha do Conde alemão Philip IV, da casa real de Waldeck-Wildungen. Em 1546, aos 16 anos de idade, Margarete foi obrigada por sua madrasta, Katharina de Hatzfeld – com quem não tinha um bom relacionamento -, à mudar-se para Bruxelas. Na Corte de Bruxelas, ela chamaria à atenção de ninguém menos que o príncipe Filipe (futuro Filipe II da Espanha), apaixonado-se e tornando-se sua amante, para desgosto de sua madrasta, que intrometia-se sempre na vida de sua enteada.

No entanto, a ideia de que a jovem pudesse tornar-se uma princesa, foi insuportável para o pai de Filipe, Carlos V, que via na união de seu herdeiro com a jovem, um matrimônio politicamente desvantajoso. Sander escreveu que von Waldeck morreu aos 21 anos de idade, em 1554, envenenada por autoridades espanholas às ordens do pai de seu amado.

Margarete von Waldeck

De acordo com sua pesquisa, o método de utilizar veneno, foi escolhido para afastar a suspeita de um assassinato, justificado então, por uma doença degenerativa. Sander também citou evidências para sua alegação, como o testamento que a jovem escrevera pouco antes de morrer, com uma caligrafia frenética e torta, mostrando os típicos sintomas de uma vítima de avançado estágio de envenenamento.

Embora não possamos afirmar se von Waldeck fora de fato morta por veneno, uma coisa é certa, contrariando a história tradicional, a jovem não fora assassinada por sua madrasta, que já havia falecido antes de sua morte. Mesmo não sendo exatamente igual ao conto de Branca de Neve, a história traça bastante paralelos em comum. Margarete era uma bela jovem alemã, atormentada por sua madrasta malvada, que apaixona-se por um príncipe e é envenenada. Sander apontou outras similaridades entre a Branca de Neve fictícia e von Waldeck, sendo uma delas, a maçã envenenada.

Ele acredita que a maçã fora acrescentada à história de von Waldeck, após um acontecimento histórico na Alemanha, onde um homem foi preso após dar à crianças que ele acreditava que o haviam roubado, maçãs envenenadas para que pagassem por seus crimes. Ele também apontou que, assim como no conto dos Grimm, Margarete possuía os cabelos louros. Outro ponto interessante, é que a jovem cresceu na região de Bad Wildungen em Hesse, Alemanha, onde crianças que trabalhavam em condições precárias em uma mina de extração de cobre, eram referidas como ”anões”.

Margarete von Waldeck

Uma segunda inspiração:

É interessante também notar que, uma jovem alemã nascida séculos depois de Margarete, também carrega algumas semelhanças com Branca de Neve. Seu nome era Maria Sophia Margaretha Catarina von Erthal, conhecida apenas como Maria. Ela nasceu em 1729, crescendo em um Castelo em Lohr, Alemanha.

Atualmente, o castelo é um museu e ao visitá-lo, podemos ver um certo espelho famoso. Acreditam que o pai de Maria, Principe Philipp Christoph von Erthal, deu-lhe de presente para sua segunda esposa. Isto soa-lhe familiar? No entanto, ao contrário de Margarete, o relacionamento entre madrasta e enteada não pareceu tão ruim, embora alguns pesquisadores digam que a jovem não tenha tido uma vida fácil.

Margarete von Waldeck

Dr. Karlheinz Bartels, um estudioso de Branca de Neve, disse: ”A história de Maria, também apresenta anões, em uma forma similar a de Margarethe’’. Apenas pessoas de estatura pequena, eram capazes de entrar nos túneis das minas próximas de Bieber, Alemanha.

Para muitos como Eckhard Sander, os componentes tradicionais da versão dos Irmãos Grimm da Branca de Neve, que foram inúmeras vezes adaptados para o cinema e televisão, assemelham-se demais com a vida de Margarete von Waldeck, para ser mera coincidência. Porém, ao contrário da famosa história de ninar, a jovem não tivera seu final feliz.

NOTAS DE RODAPÉ: Gostaria, primeiramente, de agradecer à equipe do Tudor Brasil por ter nos autorizado a publicar esse conteúdo. Segundo, quero convidar todos os leitores do La Oliphant a curtirem a página do Tudor Brasil no Facebook e a visitarem o site oficial. Para aqueles que gostam de história, tenho certeza de que o conteúdo publicado lá irá encantar.