Posts arquivados em: Tag: Brittainy C. Cherry

Resenhas 11out • 2018

No Ritmo do Amor, por Brittainy C. Cherry

Nada novo sob o sol quando se trata do mais novo livro da Brittainy C. Cherry. Honestamente? Eu me pergunto porque eu continuo insistindo numa autora que só o primeiro livro funcionou para mim. Sempre que eu pego um livro dela eu fico me perguntando onde está a autora maravilhosa que escreveu Sr. Daniels e ganhou o meu coração. Com um enredo clichê até a última página e personagens mal desenvolvidos ao longo enredo, No Ritmo do Amor é mais um livro que não se destaca na minha estante.

Vamos ser honestos: tá todo mundo saturado desses enredos de garota popular que se apaixona pelo cara esquisito, não é mesmo? E tudo bem, eu até consigo engolir isso mais uma vez se a autora me entregar alguma coisa original, mas não é isso o que acontece no enredo de No Ritmo do Amor. O livro segue o mesmo padrão de todas as fanfics que eu lia em 2009, com os mesmos diálogos repetitivos e aquele drama mexicano e reviravoltas aleatórias para fazer o enredo andar. Leia mais

Resenhas 02ago • 2016

O Ar Que Ele Respira, por Brittainy C. Cherry

Eu sou completamente apaixonada por Brittainy C. Cherry desde que Sr. Daniels foi lançado no Brasil. A escrita dessa autora é tão apaixonante que, mesmo um ano depois de ter lido seu último romance, eu continuo completamente ligada aos personagens. Por isso, quando a Record anunciou que ia lançar o primeiro livro da série Elements, O Ar Que Ele Respira, eu entrei num looping de ansiedade para conhecer os novos personagens dessa autora e o que ela estava planejando trazer para os seus leitores dessa vez. Infelizmente, quando você gosta muito de um autor, ocasionalmente você acaba se decepcionando um pouco com a leitura e, bom, O Ar Que Ele Respira acabou não sendo tudo o que eu esperava.

O Ar Que Ele Respira conta a história de Elizabeth, uma mulher que perdera o marido há pouco tempo e está tentando, finalmente, seguir em frente com a sua vida. Depois de passar um ano morando com a mãe, Elizabeth decide que é hora de voltar para seu antigo lar e enfrentar as lembranças junto com sua filha Emma. Porém, ao retornar à cidade de Meadows Creek ela conhece Tristan Cole, um homem frio e distante, que não é considerado uma boa pessoa pela maioria dos moradores da pequena cidade. Por trás do ar grosseiro e solitário de Tristan, Elizabeth logo descobre que existe um homem sofrendo tanto quanto ela. E é nesse sentimento que os dois acabam se aproximando, mesmo quando todo mundo a estava aconselhando a ficar longe dele. Em meio a dor e a solidão, ambos encontram um no outro, uma forma de superar suas perdas, mas seria isso o suficiente? Seria possível que dessa amizade pudesse surgir um novo começo?

Ar Que Ele Respira

O enredo do livro, em geral, não é ruim. Brittainy escolheu criar dois personagens muito intensos e emocionalmente desequilibrados que são fáceis de se identificar por conta de toda a dor que carregam em si. Porém, analisando o enredo por partes e a forma como ele desenvolve, achei que a autora colocou muita coisa dentro da história, o que deixou a leitura cansativa e repetitiva a começar pela narrativa em primeira pessoa. Todo mundo sabe que eu gosto de narrativas em primeira pessoa, principalmente quando é dividida entre os dois personagens principais. O problema em O Ar Que Ele Respira é que a gente pula de um personagem depressivo para outro o tempo todo, e não temos tempo de respirar, deixando a narrativa pesada e muito cansativa.

Eu amo a escrita da Brittainy, honestamente, mas nesse romance eu acho que ela se dedicou demais a construir a tristeza dos personagens e muito pouco em destacas as partes boas de cada um. A todo o tempo no enredo eu estava envolvida com o sofrimento de ambos, e isso começou a me fazer mal em certo ponto da leitura. Eu não me sentia confortável lendo o livro porque sabia que estava entrando em uma grande bola de tristeza que não parecia ter uma saída de emergência em lugar algum. Apesar dos personagens serem interessantes, até mesmo o envolvimento deles me deixou enjoada, porque eu sabia que eles não estavam prontos para aquilo e mesmo assim estavam se forçando porque, na cabeça deles, de alguma forma parecia correto.

Ar Que Ele Respira

Particularmente, eu não gostei do romance. Tirando o sofrimento dos personagens, não conseguia encontrar nada neles que me convencesse de que aquele relacionamento poderia desenvolver em algo mais. E mesmo assim, aconteceu, e de uma forma completamente forçada e despreparada eu diria. Sabe quando você tem um amigo com quem sempre fica, mas não é nada sério e de repente ele começa a sair com outra pessoa e você fica com ciúme e de repente vocês acham que seria certo tentarem mesmo quando ambos sabem que não tem nada ali? É basicamente isso, mas com plus da autora poder criar um amor incondicional que, na realidade, não existe.

O Ar Que Ele Respira tem seus lados positivos, obviamente. Apesar de eu não achar que os personagens funcionam juntos, separados eles são maravilhosos. Gosto de como Elizabeth é uma mulher independente e como ela faz de tudo para seguir criando sua filha Emma sem a figura paterna. Requer muito esforço para ser mãe solteira nesse mundo, e eu acho que ela faz um trabalho incrível construindo um relacionamento de confiança com a Emma e sempre a incentivando a ser o que quiser – e isso é muito importante, certo?

Ar Que Ele Respira

Gosto de como o livro trabalha a questão da perda, mas do que como trabalha a questão da superação. É interessante ver como os personagens tentam mostrar que estão bem, mesmo estando destruídos por dentro. Foi interessante ver o outro lado da moeda, poder ver como o sofrimento dos personagens realmente afetava suas vidas, como por exemplo Tristan, que era visto como um grosseiro, mas na verdade ele só tinha essa reação para que ninguém se aproximasse dele e visse como ele realmente se sentia. E nós realmente não fazemos isso quando sofremos? Afastamos as pessoas e fingimos que está tudo bem?

Por fim, eu realmente esperava mais dessa leitura, principalmente porque eu tinha altas expectativas com essa autora em particular. Quando eu li a sinopse do livro eu achei que estava caminhando para mais uma leitura de tirar o fôlego, mas a verdade é que O Ar Que Ele Respira foi mais uma leitura para um momento de distração. Eu realmente espero que os próximos livros dessa série sejam menos dramáticos, ou pelo menos um pouco mais divertidos. Brittainy tem um talento incrível para criar histórias e personagens e eu realmente espero que ela me surpreenda nas suas próximas publicações.

beda-2016

Resenhas 26jul • 2015

Sr. Daniels, por Brittainy C. Cherry

Sr. Daniels é um romance escrito pela autora Brittainy C. Cherry e publicado no Brasil pela Record. Este é o primeiro livro da autora publicado no Brasil e também a minha primeira experiência de leitura com a mesma.

Ashlyn é uma jovem de dezenove anos que acabara de perder a irmã gêmea para leucemia. Se isso já não era difícil o bastante para lidar, sua mãe decide que seria melhor que ela fosse morar com o pai, em outra cidade, sem consultá-la. Sem ter para onde fugir, ela embarca em um trem para uma cidade que nunca esteve antes, para morar com um pai que nem se quer tem contato, apenas com as lembranças boas e a saudade que sentia da sua irmã, Gabby.

Sr. Daniels

É então que, na estação de trem, ela conhece Daniel, um jovem músico com uma banda inspirada em Shakespeare. Logo eles se conectam e em meio a todas as coisas em comum que compartilham, acabam se apaixonando. Mas, o que tinha tudo para ser um romance perfeito desmorona no momento em que Ashlyn descobre que Daniel é, na verdade, Sr. Daniels, seu professor de literatura inglesa.

A primeira coisa que vocês precisam saber sobre esse livro absolutamente lindo é que ele é completamente inspirado em Shakespeare. Então, se assim como eu, você gosta das obras de Shakes, esse livro é uma leitura obrigatória na sua vida. Narrado em primeira pessoa, com capítulos alternados entre Ashlyn e Daniel, a autora nos leva a conhecer e nos apaixonar pelo casal principal desde o momento em que eles se conhecem.

Sr. Daniels

Quando eu li a sinopse, esperava me deparar com um romance água com açúcar ou pelo menos “mais do mesmo”, afinal, o que mais tem por ai são livros de romances proibidos. Mas, diferente do que eu estava esperando, tanto a narrativa quanto o enredo, são bem desenvolvidos. A autora buscou levar a história bem mais além do romance em si e explorou todas as oportunidades do universo criado, o que deixou a narrativa fluida e o enredo emocionante.

Eu confesso que me apaixonei completamente por todos os personagens desse livro, mas dois deles me surpreenderam mais do que todos os outros. O primeiro foi a Ashlyn, personagem principal do livro. Confesso que eu não esperava gostar dela por causa do romance proibido, mas diferente de outras personagens dessa “mesma situação”, ela consegue ser um tanto quanto madura em relação ao namoro dela com Daniel – o que eu não esperava.

Sr. Daniels

Achei que ela seria muito enjoativa por conta da morte da irmã, mas a autora fez com que esse fato só a deixasse mais forte como personagem, transformando-a em uma heroína bem mais interessante do que o esperado e bem mais fácil de se gostar. O segundo personagem foi o Ryan, enteado do pai da Ashlyn e também melhor amigo dela. Eu não pensei que ele fosse ser meu favorito, mas a forma que a autora desenvolve ele no livro é fascinante.

Entendam, o Ryan é um personagem gay que tem uma família religiosa e por motivos pessoais dele – revelados no livro – ele ainda não conseguiu se assumir e acho que é isso que o torna interessante. A maneira como ele foi desenvolvido no livro, faz com que você veja algumas coisas de um ponto de vista diferente, e o personagem em si, além de ser absurdamente divertido é emocionante. Confesso que de tudo o que aconteceu durante a leitura, o Ryan foi o personagem que me arrancou lágrimas.

Sr. Daniels

O romance em si foi exatamente o que eu estava esperando – e isso não foi algo ruim dentro do contexto do livro. Daniel, apesar de ser um personagem que tem tendência a mostrar a sua perfeição, também possui seus próprios demônios e isso faz com que o relacionamento dele com a Ashlyn tenha outros desafios além da questão aluno-professor. Achei que autora fez uma ótima escolha fugindo um pouco disso e dando a oportunidade deles conhecerem as próprias falhas.

Sr. Daniels é um livro de romance que vai muito além de uma história de amor proibida. Ele aborda diversos temas ao longo do enredo, temas relevantes e que nos obrigam a refletir sobre a maneira que estamos vivendo a nossa vida. Além disso, a escrita da Brittainy é simplesmente maravilhosa. Te envolve, te encanta e faz com que você queira ficar naquele universo para sempre.

Sr. Daniels

Gostei muito de encontrar nessa leitura um romance com personagens maduros, um romance que faz com que a gente suspire enquanto lê e uma escrita apaixonante. Se você está na dúvida sobre ler ou não esse livro, eu digo que é uma leitura que vai te emocionar demais em aspectos que, se eu contar, vai ser spoiler!

Siga o @laoliphantblogInstagram