Posts arquivados em: Tag: DarkSide Books

Resenhas 29out • 2018

Chronos – Limites do Tempo, por Rysa Walker

Atenção: Esta resenha contêm spoilers do primeiro livro da série Chronos.

Quem leu a resenha do primeiro livro da série Chronos aqui no blog, sabe que apesar de ter curtindo vários aspectos da leitura (como a escrita da autora e a protagonista, Kate), eu tive alguns problemas com o livro. E eu fico triste em dizer que os problemas que eu tive com o primeiro volume dessa série (o foco excessivo nas explicações de viagem do tempo, e a falta de um plot mais interessante) se repetiram no segundo volume.

Chronos – Limites do Tempo continua a história de Kate. Após descobrir que sua avó é uma viajante do tempo que não pode mais pular entre as timelines, Kate precisa assumir a missão dela de impedir os planos doentios do seu avô e do culto religioso que ele criou alterando o passado. Além disso, Kate precisa lidar com o seu complicado relacionamento com Kieran, que já fez parte do culto que seu avô criou, e com Trey, seu namorado de outra linha do tempo. Leia mais

Lançamentos 15jul • 2018

A Darkside foi na Transilvânia buscar o Drácula para a gente!

Sabe aquela expressão “É de morrer”? Eu não consigo pensar em nada melhor para definir esse novo lançamento da Darkside. Depois daquela edição maravilhosa de Frankenstein da Mary Shelley, um clássico da literatura trevosa, a Caveira resolveu mostrar que não brinca em serviço e foi lá na Transilvânia buscar uma figura mais do que assustadora para entrar para a família Darkside: o Conde Drácula. É, meus queridos, quando se trata de terror, essa editora realmente não está para brincadeiras, viu?

Drácula, um clássico que ainda corre quente na veia de inúmeras gerações de leitores por todo o mundo e a mais celebrada narrativa de vampiros, continua a transcender fronteiras de tempo, espaço, história e memória.

Mais de 120 anos após sua primeira publicação, o romance epistolar mobiliza leitores e estudiosos, confirmando o vigor perene de uma árvore cujas sólidas raízes respondem pela vitalidade de suas ramificações. Embora o famoso conde não tenha sido o primeiro vampiro literário, certamente é o mais popular, sugado e adaptado para inúmeros universos: teatro, cinema, quadrinhos, séries e brinquedos, o semblante é reconhecido até mesmo por aqueles que nunca leram o romance. Ele está em todos os lugares. Leia mais

Entrevistas 23maio • 2018

Kerri Maniscalco e a inspiração para escrever Rastro de Sangue

Rastro de Sangue é o mais novo lançamento da Darkside e se você estava sentindo falta de uma heroína badass, Audrey Rose é a personagem perfeita para você. Uma das coisas que eu mais gostei no livro foi que a autora não poupou esforços para explorar todo o lado sombrio da lenda do Jack Estripador, além de incorporar muito bem a história da nossa personagem principal, criando uma atmosfera aterrorizante e ao mesmo tempo muito envolvente.

De todos os lançamentos da Darkside até agora, Rastro de Sangue foi o que eu mais gostei. A proposta de enredo de Kerri Maniscalco encaixa perfeitamente na proposta de livros que a editora quer trazer para o Brasil e eu estava sentindo falta de um toque de horror no selo da Darklove. E como eu sei que todos vocês estão mais do que curiosos para saber sobre esse lançamento, eu trouxe uma entrevista com a autora do livro para que vocês possam conhecer mais do processo criativo por trás do primeiro livro dessa trilogia.

A entrevista foi feita pelo blog Blaks Laters Reads em setembro de 2016, quando Rastro de Sangue tinha acabado de ser lançado lá fora. Nesta entrevista, Maniscalco conta muito sobre o seu processo criativo e como ela se organizou para fazer toda a pesquisa que o livro pedia e desenvolver a história. Também temos a oportunidade de conhecer mais sobre os seus hábitos de leitura e os autores que influenciam a sua escrita. Leia mais

Resenhas 20maio • 2018

Rastro de Sangue: Jack, o Estripador, por Kerri Maniscalco

Ninguém estava mais ansiosa pela leitura de Rastro de Sangue do que eu. E eu posso comprovar isso pelo escândalo que eu fiz quando a Darkside anunciou o lançamento desse livro. Eu estava ansiando pelo dia em que o selo Darklove iria trazer um serial killer para as minhas mãos e esse dia finalmente chegou, ladys and gents. Mas nem tudo são flores na vida de um leitor, não é mesmo? E apesar de eu ter gostado da leitura de Rastro de Sangue, alguns pontos do livro não foram tão positivos quanto eu esperava.

Eu quero começar essa resenha chamando a atenção para a atmosfera sangrenta do livro. Maniscalco tem uma escrita bastante sombria e não poupou detalhes para que o leitor pudesse se ambientar no clima de assassinatos e cadáveres que faz parte do enredo desde o primeiro capítulo. Você consegue visualizar cada detalhe do livro, inclusive os corpos violados pelo Jack, o Estripador e, se a sua imaginação for tão boa quanto a minha, eu acho que dá até para sentir o cheio de putrefação. O único problema é que a autora se estendeu demais nas descrições dos cenários e conforme a história ia caminhando, a narrativa se tornava um pouco maçante. Leia mais

Literaría 07maio • 2018

A Guerra Que Salvou Minha Vida: O Resto da História

Li uma resenha sobre meu romance, A Guerra Que Salvou Minha Vida, outro dia no Goodreads que me deixou com lágrimas nos olhos. Tentei encontrá-la hoje, mas não consegui achar… Tenho certeza de que conseguiria se procurasse de verdade, mas achei melhor não. Apenas acredite em mim, a resenha dizia algo do tipo… “Ada está com 86 hoje. Ela anda. Ela tem andado por muito tempo, desde que Susan conseguiu consertar seu pé no início da guerra…” e ela prossegue a resenha prevendo o que vai acontecer com Ada, Jamie e Susan.

Eu amei, porque, ao fazer a matemática eu mesma, percebi que a Ada está mesmo com 86 hoje. Ela tem a mesma idade que o senhorzinho gregário com quem falei no museu em Rye, cujo rosto ficou pálido e sério quando minha filha lhe disse que eu estava escrevendo um livro sobre os refugiados da Segunda Guerra Mundial. “Eu fui um dos refugiados”, ele disse. Leia mais

Entrevistas 05maio • 2018

Uma conversa com Rysa Walker, a autora de Chronos

Não pensem vocês que eu não notei todo o frenesi quando eu coloquei Chronos no primeiro top comentarista do blog. Durante todo o mês eu vi vocês comentando o quanto queriam colocar esse livro na estante e, assim como eu sei que vocês estão loucos para ler esse livro, eu também sei que vocês iam gostar muito de conhecer mais sobre a autora dessa nova série da Darkside que vem dando o que falar entre os blogueiros, não é mesmo?

Foi pesquisando sobre a Rysa Walker que eu me deparei com essa entrevista dela no site Andrea Hurts & Associates, onde Walker fala muito sobre o processo criativo por trás de The Chronos Files e como foi que ela acabou decidindo fazer da escrita uma profissão. O interessante dessa entrevista não foi só conhecer mais sobre a história da autora, mas também ter uma visão fresca sobre o mercado editorial e, como eu adoro trazer entrevistas para vocês, eu resolvi traduzir o conteúdo.

Rysa Walker cresceu em uma fazenda de gado no sul, onde ela lia sempre que tinha chance. Nas raras ocasiões em que ela ganhou o controle da televisão, ela assistiu Star Trek e imaginou viver no futuro, em planetas distantes, ou pelo menos em uma cidade grande o suficiente para ter um sinal de trânsito. Ela é a autora da série best-seller Chronos Files. Chronos, o primeiro livro da série, foi o vencedor do Young Adult e do Grand Prize no Amazon Breakthrough Novel Awards de 2013. Rysa atualmente vive na Carolina do Norte, onde ela está trabalhando em sua próxima série. Leia mais

Lançamentos 02maio • 2018

Neurocomic: Uma história em quadrinhos sobre a máquina mais poderosa do corpo humano

Os grandes questionamentos nos acompanham na nossa evolução diária. Você sabe do que seu cérebro é feito? Sabe como funciona a nossa memória? Sabe o que é um neurônio? Você já deve conhecer a lagarta de Alice no País das Maravilhas e sua clássica pergunta: “Quem é você?”.

Neurocomic: A Caverna das Memórias é uma viagem através do cérebro humano — um lugar repleto de florestas de neurônios, cavernas escuras que abrigam lembranças adormecidas e enormes castelos ruídos pela ilusão. Ao longo dessa surpreendente jornada, você vai encontrar seres estranhos que habitam os recantos mais obscuros da nossa mente, como lulas gigantes e lesmas marinhas que tocam banjo, além dos grandes pioneiros da neurociência. Leia mais

Lançamentos 28abr • 2018

O clássico de John Fowles em uma edição de colecionador!

O Colecionador é a história de Frederick Clegg, um homem solitário, de origem humilde, menosprezado por uma sociedade esnobe, que encontra o grande amor de sua vida. Tudo o que ele deseja é passar um tempo a sós com ela, demonstrar seus nobres sentimentos e deixar claro que eles nasceram um para o outro.

O Colecionador também é a história de Miranda Gray, uma jovem estudante de artes sequestrada por um maníaco que acha que pode obrigá-la a se apaixonar por ele. Tudo o que ela deseja é escapar do cativeiro, e vai usar de toda sua inteligência para sobreviver ao inferno em que sua vida se transformou.

O romance é narrado por dois personagens antagônicos: o sequestrador e sua vítima. Frederick e Miranda. Todos temos um pouco dos dois dentro de nós, concluímos ao final de suas páginas — quem consegue se desgrudar delas? Leia mais

Resenhas 23abr • 2018

Chronos, por Rysa Walker

Eu já devo ter mencionado isso em alguma resenha, mas histórias sobre viagem no tempo me dão dor de cabeça. Eu realmente tenho dificuldade em acompanhar as linhas do tempo que se misturam nesse tipo de história, então para me agarrar, um livro sobre viagem no tempo precisa ter outros fatores que me agradem. Personagens bem construídos, uma base emocional interessante para o plot, esse tipo de coisa. Felizmente, Chronos me entregou basicamente isso. Mas apesar de ter gostado bastante dessa leitura, eu não consigo largar a sensação de que tem alguma coisa faltando em Chronos.

No livro, a adolescente Kate conhece sua avó, que está a muitos anos afastada de sua mãe. A avó de Kate explica para ela que é uma viajante do tempo, nascida muitos anos no futuro e que ficou presa no passado e que precisa da ajuda de Kate para consertar as linhas do tempo. Kate precisa então aprender a utilizar a Chave Chronos, que permite a aqueles que têm o gene necessário. Mas as coisas não são tão simples como parecem, e existem forças que querem impedir que Kate corrija as mudanças que foram feitas no passado. Leia mais

Lançamentos 25fev • 2018

Rastro de Sangue é o lançamento da Darkside que a gente queria em 2018

Combine a astúcia de Sherlock Holmes com a determinação de Lia, a heroína das Crônicas de Amor & Ódio. Pronto, você já tem uma pista de quem é Audrey Rose, a detetive protagonista de Rastro de Sangue: Jack, o Estripador.

Prepare-se para acompanhá-la pelos becos sombrios de Londres neste romance policial com grande pesquisa histórica. Você nunca mais vai encarar a era vitoriana do mesmo jeito após devorar este lançamento da DarkSide® Books.

Audrey Rose não é a típica donzela inglesa do século xix. Quando ninguém está vendo, a jovem realiza autópsias no laboratório de seu tio, contrariando a vontade de seu pai e todas as expectativas da sociedade. Ela pode não saber fazer um penteado elaborado, mas faz uma incisão em Y num cadáver como ninguém. Leia mais

Lançamentos 13fev • 2018

A continuação da história da Ada finalmente chegou!

A Guerra que Salvou a Minha Vida ganhou um lugar especial no coração dos leitores brasileiros. A história da pequena Ada — que, com seu irmão caçula, deixou para trás sua casa em Londres para escapar dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial — arrancou lágrimas, sorrisos e suspiros na mesma medida.

Com o coração repleto de esperança e afeto, a DarkSide® Books orgulhosamente apresenta A Guerra que me Ensinou a Viver, a emocionante continuação do livro de Kimberly Brubaker Bradley.
Após uma infância de maus-tratos, Ada finalmente recebe o cuidado que merece ao ter seu pé operado. Enquanto tenta se ajustar à sua nova realidade e superar os traumas do passado, ela se muda com Jamie, lady Thorton e Susan — agora sua guardiã legal — para um chalé em busca de um recomeço.

Com a guerra se intensificando lá fora, as adversidades batem à porta: o racionamento de alimentos é uma preocupante realidade, e os sacrifícios que todos devem fazer em nome do confronto partem corações e deixam cicatrizes. Outra questão é a chegada de Ruth, uma garota judia e alemã, que gera uma comoção no chalé. Seria ela uma espiã disfarçada? Ou uma aliada em meio à calamidade? Leia mais

Resenhas 19nov • 2017

A Longa Viagem a Um Pequeno Planeta Hostil, por Becky Chambers

Eu não me interesso por um livro de sci-fi desde que eu comecei a ler a série Sky Chasers da Amy Kathleen Ryan – e olha que muitos outros já passaram pelas minhas mãos. Como toda boa leitora, existe uma certa preocupação quando se trata de livros ambientados no espaço da minha parte. Começa com a ambientação da história, o período em que se passa a história, todo o background que irá envolver os personagens e, não menos importante, a narrativa do livro. Por isso, quando eu escolhi Longa Viagem a Um Planeta Pequeno e Hostil, eu sabia que precisava fazer essa leitura no momento certo. E apesar do enredo de Becky Chambers ter as suas falhas, a sua escrita é inegavelmente maravilhosa.

Longa Viagem a Um Planeta Pequeno e Hostil foi uma leitura completamente diferente do que eu estava esperando, até porque a sinopse do livro não revela muito sobre o que vamos encontrar. Mas não se intimide, tá? Chambers tem uma escrita bastante fluída e dá para perceber o cuidado que ela teve em criar todos os personagens e suas histórias. A construção do universo desse enredo é tão bem feita que você consegue se imaginar dentro da Andarilha sem a menor dificuldade e isso foi o que eu mais amei em todo o universo do livro.

O problema é que o desenvolvimento da história é lento e as apresentações dos personagens longas demais. Eu já estava bem longe da página 100 do livro e ainda estava sendo apresentava aos personagens e nada de muito impressionante havia acontecido na história. Mesmo com a escrita maravilhosa da autora, eu tive muita dificuldade em me manter concentrada no livro porque eu não sentia que a história estava chegando a lugar algum, o se realmente havia uma história ali – calma, existe uma história e é ótima, mas demora muito para acontecer. O maior pecado da autora, neste ponto em questão, foi tentar focar muito na relação dos personagens e deixar de lado a viagem que estava em curso.

“O simples fato de usarmos a expressão sangue-frio para denominar alguém pouco emotivo mostra o nosso preconceito inato de primata em relação aos répteis. Não julguem outras espécies pelas suas próprias normas sociais.”

Lentidão do enredo a parte, os personagens desse livro são maravilhosos. Desde Sissix, uma aandriskana impossível de você não amar até Rosemary, uma humana criada numa colônia em Marte, todos são extremamente apaixonantes a sua forma. Becky Chambers focou todos os seus esforços no livro em construir o relacionamento entre esses personagens e em ir muito além de uma amizade, mas explorar tudo o que pode da parte emocional de cada um deles – e eu me maravilhei cada momento dessa construção, até porque ela consegue escapar de todos os clichês que, eu confesso, achei que fossem acontecer.

 

Nós temos todos os relacionamentos em primeiro plano no livro, talvez por isso a escrita em terceira pessoa tenha se encaixado tão bem. Mas eu quero chamar atenção mesmo para a forma como a autora cria os laços entre espécies e prova por A mais B que o amor não tem uma regra, ele apenas é. E eu amei isso nesse livro. Mais do que focar em um único personagem, Chambers nos deu uma nave inteira de diferentes exemplos de amor e diferentes formas de se construir uma relação com alguém, e a forma sutil que ela faz isso, é maravilhosa.

“Acho que, em geral, as pessoas decidem passar por uma cirurgia antienvelhecimento porque têm baixa autoestima e sentem que não são boas o suficiente com sua aparência atual. Só que tudo que fiz com meu corpo foi por amor. É sério. As tatuagens são uma recordação de vários lugares e lembranças específicas, mas, no fundo, tudo o que fiz foi o meu jeito de dizer que este é o MEU corpo. Que não quero o corpo que todos me diziam que eu deveria ter (…) Nem fodendo. Se vou mudar o meu corpo, as mudanças têm que vir de mim.”

A única coisa que me incomodou bastante no livro foi a falta de aprofundamento dos personagens, e nesse ponto eu vou ter que atribuir a culpa a narrativa em terceira pessoa. Como o narrador do livro é apenas um observador, ele não tem como nos mostrar o que está no íntimo de cada personagem, mas apenas o que ele vê e eu senti falta dessa intimidade no enredo. Sabe quando você conhece tão bem um personagem que pensa: “Nossa, fulano teria adorado isso…”, em Longa Viagem a Um Planeta Pequeno e Hostil infelizmente eu não consegui ter essa sensação e foi algo que eu senti falta durante a leitura.

Longa Viagem a Um Planeta Pequeno e Hostil é um livro que tem um universo muito amplo. Chambers no leva para conhecer várias partes da galáxia e se você, assim como eu, adora poder sair um pouco do planeta terra, esse livro vai ser a sua passagem de ida para um universo que você jamais imaginou que poderia conhecer – e a Andarilha fosse a sua nave, a melhor nave, viu? Chambers tem um jeito muito acolhedor de te envolver no universo que ela cria e isso, por si só, já torna a leitura maravilhosa.

Eu adorei a leitura de Longa Viagem a Um Planeta Pequeno e Hostil, mesmo com todos os altos e baixos do enredo. Foi um livro que me levou para viajar e que me apresentou a personagens maravilhosos que me deixaram com aquela vontade de ficar. E quem acompanha esse blog sabe que é muito difícil hoje em dia eu ter essa sensação tão boa sobre um livro. Becky Chamber ganhou meu coração com seus personagens, com a forma como ela aborda alguns assuntos e principalmente com o seu universo.

Gostou da resenha? Então se inscreve na nossa newsletter para acompanhar os próximos conteúdos do blog!

1 2 3
Siga o @laoliphantblogInstagram