Posts arquivados em: Tag: Editora Gutenberg

Resenhas 29mar • 2018

Herói nas Highlands, por Suzanne Enoch

resenha-heroi-highlands-suzanne-enoch

Suzanne Enoch não é um nome exatamente novo no mundo dos romances literários. Quem acompanhou os últimos lançamentos da Arqueiro sabe que Enoch é uma das favoritas de Julia Quinn, estando presente em seus livros de contos da Lady Whistledown, mas foi a Gutenberg quem trouxe a autora para o Brasil com a sua série Highlands, que causou bastante inquietação entre as leitoras de romances de época quando chegou as livrarias. Sendo bem honesta, eu adoro um enredo que se passa na Escócia e por isso a minha vontade de ler Herói Nas Highlands, mas a escrita de Suzanne Enoch foi um desafio e o enredo acabou não entregando tudo o que eu estava esperando do livro.

O romance de Enoch aposta naquele clássico conflito entre Escócia e Inglaterra e assim somos apresentados aos nossos personagens principais. Fiona e Gabriel tem personalidades completamente diferentes, mas, ao mesmo tempo, se encaixam perfeitamente um no outro. Com todos os conflitos que existe entre eles, não é muito difícil que o leitor compre a paixão arrebatadora que Suzanne Enoch tenta colocar no seu enredo, mas o desenvolvimento do enredo tornou isso quase impossível para mim – e olha que eu me esforcei bastante. Leia mais

Lista 18dez • 2017

3 motivos para você ler os livros da Tessa Dare

Romance de época é um gênero do qual eu realmente não me canso de falar. Desde que eu li O Duque e Eu já se passaram quatro longos anos e o meu número de romances só aumentou. Eu fui de Julia Quinn a Mary Balogh sem medo. Me apaixonei por personagens, arrisquei ler autoras que ainda não foram publicadas no Brasil e explorei o gênero de todas as formas que eu podia. Inclusive, estou trabalhando no meu primeiro original de romance de época. Mas não estamos aqui para falar dele, viu?

Como toda boa leitora de romance de época, ao longo das minhas leituras, eu fui colecionando algumas autoras cujo os personagens se encaixavam mais com o meu gosto literário. Foi assim que surgiu a minha paixão por Sarah MacLean, Julia Quinn e Lorraine Heath, autora que me conquistaram com suas heroínas, romances e heróis de tirar o fôlego. Mas tem uma outra autora que, por sinal, também é muito maravilhosa, que roubou meu coração com suas histórias nas highlands e fez com que eu me apaixonasse ainda mais pela Escócia: Tessa Dare.

A primeira série da Tessa publicada no Brasil foi a Spindle Cove, publicada pela editora Gutenberg, seguida pela série Castles Ever After – a minha série favorita dela. Apesar de as capas não serem as mais atrativas, eu posso garantir que a escrita da autora vale a pena cada segundo que você vai passar com esses personagens. Suas heroínas são determinadas, independentes e conseguem tirar qualquer duque ou marquês do sério num piscar de olhos. E se você ainda não está convencido a ler os livros da Tessa Dare, eis aqui uma lista de motivos para você fazê-lo:

Leia mais

Resenhas 13set • 2017

Entre o Amor e a Vingança, por Sarah MacLean

Para quem está chegando agora e ainda não tomou consciência do meu amor por Sarah MacLean, aqui está mais uma resenha de uma das séries dela que eu mais amo no mundo: O Clube dos Canalhas. Entre o Amor e a Vingança é o primeiro livro dessa série e, apesar de não ser um dos meus livros favoritos da Sarah, é um livro que traz personagens desafiadores, vingança e um casal perdidamente apaixonado um pelo outro, mas que ainda não tiveram a chance de descobrir isso. Quem não gosta de uma boa história de amor, não é mesmo?

Entre o Amor e a Vingança começa dez anos depois do último livro da série Os Números do Amor, e a personagem principal deste livro é ninguém menos que Lady Penélope Marbury, a ex-noiva do Duque Leighton – para aqueles que já conhecem a série Os Números do amor. Depois de ter seu noivado desmanchado com um Duque, Penélope recebeu uma série de propostas frustrante, fazendo com que a jovem permanecesse solteira por oito anos até seu pai resolver colocar a antiga propriedade do marquês de Bourne como par te do seu dote, afim de atrair pretendentes mais respeitáveis para sua filha.

Renegado pela sociedade, o marquês de Bourne está determinado a conseguir as terras de sua família de volta, mesmo que isso signifique se casar com Lady Penélope. Mas o que era para ser apenas um casamento por conveniência acaba se tornando um jogo extremamente perigo, afinal, Lady Penélope está determinada a conseguir um casamento por amor, mesmo que seu marido em questão não esteja de acordo.

Vocês não ficam arrepiados com essas sinopses da Sarah? Eu sempre fico. O Clube dos Canalhas é uma série completamente diferente das outras, principalmente porque ela traz personagem que vivem à margem da sociedade, roubados de seus títulos e propriedades e não mais bem-vindos entre os aristocratas. Eu gostei muito que Sarah tenha se dedicado a uma série inteira para falar de personagens com uma personalidade um pouco mais obscura, dispostos a passar por cima de tudo e de todos para conseguirem o que querem. Isso realmente deu um pouco mais de emoção ao livro.

Entre o Amor e a Vingança é um romance de época um pouco mais passivo, mas ainda assim de leitura bastante válida. Apesar de Penélope e Bourne não serem os meus personagens favoritos, a química do casal criado por Sarah MacLean é realmente gostosa de acompanhar. Diferente de outros casais, logo no começo do livro você descobre que eles se conhecem desde a infância e, claramente, já existe um certo sentimento entre eles, mesmo que isso seja negado por ambos, e eu gostei muito que Sarah tenha conseguido trabalhar o passado que eles tinham um com o outro, dentro do relacionamento que eles estavam tentando construir.

Meu único problema com esse livro é que, apesar dos diálogos serem muito engraçados e os personagens interagirem muito bem entre si, o enredo parece ser um pouco arrastado em alguns pontos, focando em partes da história que não precisam ser explicadas logo de cara que, na verdade, se encaixariam muito melhor se fossem reveladas aos poucos ao longo do enredo. Ainda bem que essa pequena falha é corrigida nos próximos volumes da série e, por isso, eu digo para vocês não desistirem de O Clube dos Canalhas, caso comessem pelo primeiro livro da série.

Eu gosto muito da Penélope como personagem, apesar de ela ser uma personagem bastante passiva, assim como Isabel, uma das personagens da série Os Números do Amor. Ainda assim, é admirável que depois de tudo o que passou com a dissolução do seu noivado com um Duque, ela ainda tenha disposição de tentar encarar um relacionamento por amor com um homem que, claramente, carrega muitos segredos e muita sede de vingança no coração. Uma mulher que consegue encarar esse tipo de coisa, consegue encarar qualquer desafio, não é mesmo?

Entre o Amor e a Vingança provavelmente não vai ser o melhor romance de época que você vai ler. Digo isso porque eu já fiz resenhas sobre romances de época mais entusiasmadas do que essa, mas vocês não devem desistir da série por isso. O Clube dos Canalhas é uma das minhas leituras favoritas da Sarah MacLean e eu garanto para vocês que vale a pena conferir cada um dos seus personagens.

Gostou da resenha?! Então se inscreva na NEWSLETTER do blog para acompanhar as novidades.

Resenhas 17jul • 2017

Entre a Culpa e o Desejo, por Sarah MacLean

Adivinha quem foi a bonita que começou a resenhar os livros da série O Clube dos Canalhas na ordem errada?! Eu mesma, prazer. Sarah MacLean roubou tanto o meu coração que eu comecei a ler os livros dela e deixando as resenhas para depois, como que pode?! Bem, mas agora eu estou aqui para contar para vocês o quão maravilhosa é a leitura de Entre a Culpa e o Desejo, segundo livro da série e o meu livro favorito da Sarah MacLean até então.

Em Entre a Culpa e o Desejo, Sarah MacLean nos apresenta a uma personagem que conhecemos no primeiro livro dessa série maravilhosa, Lady Philippa Marbury, a brilhante filha do Marquês de Needham e Dolby que se preocupa muito mais com os seus livros do que com vestidos de baile. Quando prometia a um noivo que não tem nada a ver com ela, Pippa vê no noivado uma última chance para explorar os prazeres da vida antes de se entregar a uma vida de devoção a casa e ao novo marido. Para realizar essa experiencia, Pippa escolhe ninguém menos do que Cross, um dos sócios do Anjo Caído.

Cross é um dos libertinos mais cobiçados de Londres. Sua fama foi construída em cima de vícios e devassidão, o tornando o tipo de homem com quem Pippa jamais deveria se envolver, se ele não fosse exatamente o que ela precisava para realizar a sua pesquisa. O que ela não contava era como seria difícil convencer esse homem cheio de segredos a ajuda-la e, quanto mais próximos eles se tornam, mais difícil fica para ambos negarem o desejo e a atração que existe entre eles.

Eu não sei nem por onde começar a dizer como esse livro é maravilhoso e o quanto vocês não podem desistir dele só porque a capa não ajuda muito. Sarah MacLean tem uma escrita maravilhosa. Eu gosto muito como ela desenvolve os personagens ao longo do enredo, sem pressa, fazendo com que todo o romance consiga fluir ao longo dos capítulos e o leitor consiga perceber exatamente o ponto em que os personagens estão se apaixonando um pelo outro.

Entre a Culpa e o Desejo tem um enredo um pouco diferente, principalmente porque no começo do livro a nossa heroína não está procurando por amor, mais sim por conhecimento. Diferente de outras personagens, Pippa procura Cross por curiosidade, porque ela tem o desejo de explorar a própria sexualidade e, dada a época em que o livro se passa, isso é realmente algo um tanto incomum. Achei muito inteligente da parte da Sarah dar espaço dentro de um romance de época para discutir o desejo feminino, coisa que eu não vejo muito em outros romances.

O desenrolar do enredo é envolvente. Depois que você começa a conhecer a Pippa melhor e entender todos os seus receios em relação ao casamento, é muito fácil se identificar com ela e simplesmente se apaixonar pelo livro. Eu gostei bastante de como a Sarah MacLean construiu os diálogos desse livro, deixando sempre aquele tom cômico e criando situações realmente engraçadas e que, no final, só fizeram com que os personagens naturalmente se aproximassem.

Gosto de como a Pippa é uma personagem inteligente, cheia de energia mesmo com toda a sua timidez. Acho que de todas as personagens da Sarah, ela é a que a gente tem mais facilidade de se identificar, até porque, em algum ponto da vida, toda a mulher vai sentir as mesmas inseguranças que a personagem sentiu durante o livro. Eu acho que o ponto alto da escrita da Sarah é, mesmo o livro se passando em uma época completamente diferente, você ainda consegue se identificar e se colocar no lugar da heroína do livro.

O romance do livro é outro ponto muito positivo para a história. Eu gosto de como Pippa e Cross funcionam como um casal desde o começo do livro. A química deles é perceptível, mas muito mais interessante do que isso, é ver como o casal funciona bem trabalhando juntos. Cross tem claramente um carinho e uma preocupação muito grande com Pippa, mas em nenhum momento ele subestima a inteligência dela, sempre respeitando as suas opiniões e ouvindo seus conselhos.

Eu realmente gostei da forma como a Sarah MacLean desenvolveu essa história. Depois do primeiro livro, que foi o único da série que não me prendeu tanto, eu estava preocupada que os livros seguintes seguissem o mesmo ritmo, mas Entre a Culpa e o Desejo me surpreendeu de todas as formas possíveis, principalmente por me dar uma heroína completamente fora da caixa. Valeu muito a pena me arriscar no segundo livro da série, assim como vale a pensa se arriscar em todos os livros da Sarah.

Confira também a resenha de Entre a Ruína e a Paixão, terceiro livro da série O Clube dos Canalhas.

Literaría 10jul • 2017

O universo completo dos livros de Sarah MacLean

Sarah MacLean é uma das autoras de romances de época que mais me conquistou nos últimos tempos. Desde que eu comecei a me aventurar nos livros dela, eu não consegui mais largar o gênero e acho que é seguro dizer que a autora se tornou meu novo vício. Com quase todos os seus livros lançados no Brasil, Sarah já ocupa boa parte da minha estante e suas heroínas estão na minha lista de personagens favoritas, afinal, como resistir a essas mulheres corajosas, não é mesmo?

Foi me aventurando nas séries de Sarah que eu percebi que todos os seus livros se passam dentro do mesmo universo. Ou seja, você sempre encontra personagens de outros livros dela sendo mencionados ou participando ativamente da história. Como, por exemplo, Duncan West, personagem principal do quarto livro da série O Clube dos Canalhas que, aparece ativamente em Amor Para O Escocês, contribuindo muito para o desenrolar da história.

Eu nem preciso dizer que isso me deixou elétrica, não é mesmo? E lendo todas as séries, mesmo que fora de ordem, percebi que de certa forma elas se completam e que lendo na ordem correta, o leitor consegue ter uma visão muito mais completa do universo que a Sarah criou. O único problema é que os livros da autora foram lançados por editoras diferentes no Brasil, e em uma ordem completamente aleatória. Pensando nisso, eu resolvi fazer esta publicação sinalizando a ordem correta de leitura das séries da Sarah, assim todo mundo vai conseguir aproveitar melhor essas leituras maravilhosas.

Confira abaixo a ordem de sugestão de leitura dos livros:

Os Números do Amor

O universo da Sarah MacLean começa na série Os Números do Amor, lançado no Brasil pela Editora Arqueiro. Essa série se passa 10 anos antes das outras séries da Sarah (O Clube dos Canalhas e Escândalos e Canalhas). É importante começar a ler por essa série, principalmente porque ela nos apresenta à personagens que só vamos conhecer mais adiante. Além disso, os personagens principais dessas séries são importantes para que você consiga conhecer e entender melhor o que aconteceu nos dez anos que se seguiram entre essa série e as seguintes.

Os Números do Amor é uma série composta por três livros focados na família St. John. O primeiro livro, 9 Regras A Ignorar Antes De Se Apaixonar, conta a história do Marquês de Ralston – um personagem que é bastante mencionado em outras séries da Sarah. O segundo livro, Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter, conta a história do Nicholas St. John e é um dos livros mais importantes desse universo por ser o primeiro a nos apresentar personagens que vão ter suas histórias contadas em outra série da autora. E, por último, nós temos, Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir, que vai contar a história da Juliana Fiori, personagem que nos é apresentada no primeiro livro da série – e também o gancho principal para que Sarah dê início a sua próxima série, O Clube dos Canalhas.

O Clube dos Canalhas

A série O Clube dos Canalhas começa exatamente dez anos depois de onde o último livro de Os Números do Amor nos deixou. Particularmente essa é uma das minhas séries favoritas da autora, principalmente porque ela acaba mostrando as consequências de coisas que aconteceram nos dez anos que se passaram entre um livro e outro – e, sendo honesta, não temos muitos livros do gênero que nos dão essa visão tão completa dos seus personagens, não é mesmo?! Apesar das capas da série não serem tão atrativas, eu recomendo que leiam os quatro livros antes de seguirem para a próxima série da autora. É sério, vale muito a pena!

Lançada no Brasil pela Editora Gutenberg, a série é composta por quatro livros, começando com Entre o Amor e a Vingança que, vai contar exatamente o que foi que aconteceu depois do final de Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir. Apesar de não ser meu livro favorito da série, de todos, ele é o que mais tem conexão com os acontecimentos seguintes do universo, então é importante que ele seja lido com muita atenção. O segundo livro da série é Entre a Culpa e o Desejo, e também o meu favorito da série. Se você não gostou do primeiro livro, eu tenho certeza que Entre a Culpa e o Desejo vai te convencer a continuar a leitura.

A série segue com Entre a Ruína e a Paixão, e é nesse livro que as grandes revelações da série começam a ser feitas. É preciso ler o livro com muita atenção porque a autora deixa vários ganchos nas entrelinhas – que eu só peguei depois que comecei a entender o universo como um todo. E por fim, a autora termina com Nunca Julgue Uma Dama Pela Aparência, onde finalmente tudo o que precisamos saber é revelado e grande parte dos personagens que conhecemos em ambas as séries até então aparecem novamente para matar a saudade dos leitores. Acredito que se você conseguiu ler na ordem até aqui, você já percebeu que Sarah MacLean é um gênio dos romances de época e já está tão apaixonada por ela quanto eu.

Escândalos e Canalhas

Se você chegou até essa série sem estar enlouquecida pela escrita da Sarah, então eu realmente não te entendo como ser humano. Escândalos e Canalhas começa mais ou menos um ano depois que O Clube dos Canalhas nos deixa, nos apresentando a novos personagens e novos dramas, mas sem abandonar os personagens que nos acompanharam até então.  Nesse livro você começa a conhecer As Irmãs Perigosas, e se você ainda não amou muito nenhum personagem da Sarah, essas mocinhas escandalosas com certeza vão te conquistar.

A série do Escândalos e Canalhas é composta, até a publicação deste post, por três livros, sendo que apenas dois deles foram lançados no Brasil pela Editora Gutenberg. O primeiro livro da série é Cilada Para o Marquês, e vai contar a história da Sophie Talbot, uma das irmãs perigosas. É importante que você leia a série na ordem porque as personagens apresentadas nesse livro desempenham um papel muito importante no segundo e no terceiro livro da série. O segundo livro da série, Amor Para Um Escocês, vai contar a história da Lillian Hargrove e seu escândalo. Apesar de não ser o livro mais importante da série, a história deixa vários ganchos para sua continuação ainda não lançada, mas que já tem um título em inglês: The Day of the Duchess.

The Day of the Duchess, apesar de ainda não ter título traduzido para o Brasil, vai contar a história da Seraphina, personagem que conhecemos no primeiro livro da série. O livro ainda não tem previsão de lançamento aqui no Brasil, mas eu prometo atualizar essa publicação assim que uma data for anunciada pela editora.

Eu espero que vocês tenham gostado desse enorme tutorial de como ler os livros da Sarah MacLean. Eu tenho certeza de que, se vocês lerem o livro na ordem correta, vocês vão se apaixonar completamente pela autora, assim como eu me apaixonei.

Gostou dessa publicação?! Então não deixe de conferir as resenhas dos livros da Sarah MacLean aqui no blog!

La Oliphant 05jun • 2017

Precisamos falar sobre Sarah MacLean

Mais um mês se passou e, novamente, eu li romances de época. Eu sei, eu preciso urgentemente variar as minhas leituras, mas em minha defesa, é impossível resistir a todos esses duques e marqueses maravilhosos que autoras como Julia Quinn, Tessa Dare e Sarah MacLean criam para nós. Ainda mais quando as heroínas dessas histórias são inspiradoras, corajosas e não tem medo de se arriscar para conseguir o que querem.

A verdade é que romances de época não são apenas sobre o romance em si. Eu já falei isso em um outro post meu aqui no blog, mas sempre vale a pena repetir. Se você nunca leu um romance de época, você não sabe as aventuras maravilhosas que pode estar perdendo, sério! Por isso, no Round Up desde mês, eu vou compartilhar com vocês sobre as minhas leituras de Sarah MacLean, a minha mais nova rainha dos romances de época. E, acreditem, vocês vão ver muito dela por aqui.

Gostou do vídeo?! Não esqueça de se inscrever no canal do blog para acompanhar as novidades.

Resenhas 20maio • 2017

Um Amor Para Um Escocês, por Sarah MacLean

Sério, como que vocês ainda não estão enlouquecidos com a Sarah MacLean? Cada livro novo dela que é lançado aqui no Brasil, meu coração se entrega mais para a escrita dessa autora. Depois de me aventurar pela série O Clube dos Canalhas, agora foi a vez de conhecer sua nova série, também publicada pela Gutenberg: Escândalos e Canalhas – ou a melhor série que você vai ler na sua vida. Ah, vocês têm que sabe que eu comecei a ler a série pelo segundo livro, Amor Para Um Escocês, que é o mais recente lançamento da autora aqui no Brasil. Porém, apesar de ser o segundo livro, a série pode ser lida na ordem de preferência do leitor.  ❤

Amor Para Um Escocês conta a história da Lily, uma heroína sem dinheiro, título e família que foi colocada sob a guarda do Duque de Warnick. O problema é que o título parece não vingar já que nos últimos anos, 17 aristocratas diferentes assumiram o ducado e todos eles acabaram falecendo. Sendo assim, Lily cresceu sozinha, sem amigos e sem a chance de conseguir uma temporada na alta sociedade e fazer um bom casamento. Isso só tornou mais fácil para que ela fosse facilmente seduzida por um artista barato e convencida a posar nua para ele.

Quando sua pintura está para ser revelada diante toda a sociedade Britânica, Lily se depara com seu novo guardião, o escocês Alec Stuart, que recentemente assumiu o título de Duque de Warnick. Conhecido como “o Bruto Escocês”, tudo o que Alec não quer é ter que resolver a confusão que Lily causou. Por isso, sua melhor e mais rápida solução é casar a jovem e tornar esse problema o de outra pessoa. O que ele não esperava era que Lily fosse um escândalo que ele, talvez, pudesse querer para si mesmo.

Eu só tenho amor por esse livro, principalmente depois de perceber que a autora estava usando o escândalo da Lily para passar uma mensagem muito importante. Afinal, um nu pintado naquela época e exibido sem a permissão da musa, não é nada muito diferente do que as fotos que vazam hoje em dia na internet, não é mesmo? Eu achei muito importante que a autora tenha encontrado uma forma de abordar esse tema dentro de um romance de época e de uma forma saudável, passando uma mensagem positiva e ensinando que a gente não pode deixar a sociedade nos afundar.

A escrita da Sarah MacLean, mais uma vez, é impecável. Eu gosto muito da forma como ela cria os diálogos dos seus personagens de uma forma divertida e descontraída, fazendo com que o leitor consiga se envolver cada vez mais com a história. Os personagens são muito bem construídos, tendo o seu background apresentado aos poucos no livro, o que é muito bom para não deixar o enredo cansativo ou cheio de informação de uma vez só. Além disso, o fato de todos os enredos da Sarah se passarem no mesmo universo é maravilhoso para rever personagens como Georgiana e Duncan West, personagens principais de Nunca Julgue Uma Dama Pela Aparência.

Amor Para Um Escocês tem um romance doce e carregado de sinceridade. Eu gostei muito de ter contato com dois personagens principais que tinham receios sobre si mesmos e encontraram um no outro a resposta que faltava para poderem ser felizes. Lily tem uma personalidade forte, marcante. Apesar de um pouco tímida e as vezes irresponsável, ela tem aquela paixão pela sua própria liberdade e uma determinação de sobra para conseguir se salvar sem a ajuda de um cavalheiro – isso foi o que eu mais gostei nela. Por mais que a situação tivesse ruim, eu sabia que ela não precisava do Alec, ela queria Alec.

E eu nem preciso falar que o Alec é o mais lindo de todos, não é? Quem é capaz de resistir a um escocês maravilhoso? Eu gostei bastante que em Um Amor Para Um Escocês a autora teve um pouco mais de dedicação na história do mocinho, focando um pouco nas barreiras que o Alec tinha em relação ao amor e não construindo ele como um libertino. Foi muito mais fácil eu consegui me conectar com ele sem todo aquele papo de “pegador” que normalmente acontece em outros romances de época.

Não preciso nem dizer que Amor Para Um Escocês é um livro que vocês precisam ter na estante, não é mesmo?! Sarah MacLean é uma autora que tem me viciado cada vez mais em seus romances, e eu não perderia a oportunidade de conhecer cada um dos livros dela que foram publicados aqui no Brasil. E mal posso esperar para que a Gutenberg lance o terceiro livro da série Escândalos e Canalhas porque eu já sei que esse é meu novo vício literário.

GOSTOU DESTA RESENHA? ENTÃO CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK PARA ACOMPANHAR AS NOVIDADES DO BLOG!

 

Resenhas 11abr • 2017

Uma Noite Para Se Entregar, por Tessa Dare

Mais uma vez Tessa Dare vem para me surpreender com seus enredos. Depois de ler a sua série Castles Ever After, que foi sem dúvida uma das melhores séries de romance de época que eu li até então, resolvi que era – finalmente – a hora de conhecer outras séries da autora, começando com Spindle Cove, que foi lançada pela editora Gutenberg em 2015 aqui no Brasil. E sabem de uma coisa? Não me arrependi. Tessa Dare tem uma escrita espirituosa e todo um cuidado na construção dos seus personagens. É impossível você não se envolver com o enredo e não se apaixonar completamente por todo o universo que ela cria.

O primeiro livro da série Spindle Cove é Uma Noite Para Se Entregar e vai contar a história de Susanna, a anfitriã dessa vila – Spindle Cove – onde algumas moças que não se adaptaram muito bem a sociedade, buscam passar um tempo até se sentirem “reabilitadas”. Susanna é uma personagem de personalidade muito forte e até mesmo controladora. Ela faz tudo o que pode para incentivar as moças da vila a explorarem suas habilidades e a encontrarem em seus hobbys algo que realmente sintam paixão. Mesmo sendo um lugar muito pacato, Susanna acredita ter criado um lugar seguro para essas jovens, onde elas não precisam ter medo de ser elas mesmas. Bem, isso até o tenente coronel Victor Bramwell resolver criar uma pequena milícia em troca de conseguir do pai de Susanna, Sir Lewis Finch, uma recomendação para que ele consiga ter seu comando do exército de volta.

É claro que a relação de Susanna e Bramwell não seria fácil, afinal, Spindle Cove é uma vila que foi criada para ser um local seguro para as mulheres, sendo assim, os homens que vivem lá estão de acordo com o domínio feminino, o que dificulta demais para Bramwell encontrar voluntários para formar sua milícia e conseguir aquilo que deseja. E é claro que ele não conseguiria cumprir sua missão sem criar conflitos com Susanna, não é mesmo? O único problema é que quanto maiores são os conflitos entre os dois, maior é o desejo que cresce entre eles, colocando em risco não só suas reputações, mas também tudo aquilo que ambos se esforçaram tanto para conquistar.

Particularmente, eu gostei muito da ideia de existir um lugar onde as mulheres podem ir para exercer as suas personalidades, digamos assim. Considerando que a sociedade da época é muito difícil para as moças que não desejam apenas um casamento por conveniência, ou que tem interesses considerados inadequados, é meio que um certo “alívio” saber que Spindle Cove pode ser uma válvula de escape para elas. Eu gostei muito que Tessa tenha proposto um enredo onde o cenário é completamente dominado pelo sexo feminino. Ao contrário de outros romances, Spindle Cove não exige muito decoro dos personagens e isso resulta em diálogos maravilhosos e situações constrangedoras que são levadas com todo o bom humor que Tessa Dare tem a nos oferecer.

O interessante de toda essa sociedade de Spindle Cove é que rapidamente você percebe que o domínio feminino dá aos homens pouco espaço para se expressarem, o que é nada mais do que um espelho da sociedade da época que impedia as mulheres de se expressar. Grande parte do livro gira em torno desse conflito onde as mulheres não se sentem seguras para deixar que os homens expressem sua masculinidade, mas ao mesmo tempo, com isso, elas acabam oprimindo os mesmos – assim como são oprimidas na sociedade em si. Entendem onde a autora quer chegar com isso? Eu gostei muito dessa proposta dentro do livro, principalmente por causa da época em que ele se passa.

Susanna foi uma personagem mais do que interessante. A sua determinação em manter Spindle Cove como um lugar seguro para suas damas é contagiante. Eu gosto da ideia de ela não estar disposta a ceder o lugar que lutou tanto para criar apenas porque um homem lhe disse que era isso que ela deveria fazer. Ao mesmo tempo, conforme ela precisa lidar com Bramwell, e todo o sentimento que envolve estar perto dele e conhece-lo melhor, a personagem começa a olhar para o próprio mundo de uma forma diferente, deixando um pouco de lado os receios que ela tem em relação ao sexo oposto e finalmente compreendendo que existe sim uma alternativa para que todos na vila vivam tranquilamente com direitos iguais.

Talvez pelo livro ser bastante focado no que Spindle Cove tem a oferecer para as jovens damas, o romance não tenha me parecido tão interessante quanto em outros romances que eu já li. É claro que eu não posso negar que Susanna e Bramwell tem uma química inegável e que quando trabalham juntos a coisas simplesmente fluem de uma forma muito natural. Mas mesmo com todo o envolvimento deles sendo realmente interessante de se acompanhar, não achei que o casal principal tenha sido o ponto forte do livro, mas sim as situações em que eles se envolviam e como trabalhavam juntos para conseguir solucionar os problemas.

Eu gostei muito desse primeiro livro da série Spindle Cove. O enredo é leve e os diálogos são maravilhosos e envolventes. Eu dei boas risadas com algumas situações e me apaixonei por esse universo criado por Tessa Dare. Estou muito ansiosa para continuar a leitura da série, principalmente porque o segundo livro é de uma das personagens secundárias que eu mais gostei em Uma Noite Para Se Entregar. Se você gosta de romance de época, Tessa Dare é uma autora que você precisa muito conhecer!

Gostou de Spindle Cove? Então não deixe de conferir as resenhas da série Castles Ever After.

Resenhas 06abr • 2017

Codinome Lady V, por Lorraine Heath

Tudo o que você mais quer na vida é uma heroína que não tem medo de dar um gancho de esquerda nos abusados. Você pode até não saber disso ainda, mas Minerva Dodge é tudo o que você precisa ler para saber o que é uma mulher empoderada. De questionamentos simples como “porque as mulheres não podem participar dos negócios” a uma independência determinada, Codinome Lady V é, definitivamente, um romance de época que veio para desconstruir todos os pensamentos machistas de sua época, levando o enredo muito além de um romance água com açúcar.

Codinome Lady V, de Lorraine Heat, conta a história de Minerva, uma solteirona com um dos maiores dotes que a sociedade inglesa já viu. Depois de seis temporadas como debutante, Minerva se vê completamente cansada de ser cortejada por homens que claramente só tem interesse no seu dote – ela até mesmo escreveu um livro sobre isso, se querem saber. Decidida a aceitar sua condição de solteira, Minerva toma a decisão de ir no misterioso clube Nightingale, um lugar que permite que as mulheres tenham um amante sem manchar sua reputação. Afinal, ela pode até ficar solteira, mas ela não necessariamente precisa se privar dos prazeres de viver, não é mesmo?

É no Nightingale, sob o codinome Lady V, que Minerva desperta o interesse de um dos libertinos mais cobiçados da sociedade, o Duque de Ashebury, ou Ashe, como ele prefere ser chamado. Recém chegado de uma viagem à África, Ashebury encontra seus cofres vazios e percebe que o único jeito de recuperar sua fortuna é se casando. E adivinha quem tem o maior dote? Isso mesmo, Minerva. Quando o Duque começa a cortejá-la forma do Nightingale, nossa Lady V mal acredita que conseguiu conquistar atenção de Ashe, porém, por mais que ele seja exatamente tudo o que ela sonhou, Minerva não pode arriscar que ele descubra sua identidade e muito menos se apaixonar por outro caçador de fortunas.

Eu nunca achei que fosse encontrar um romance de época que fosse tão maravilhoso como Codinome Lady V. Primeiro de tudo, Lorraine Heat tem um cuidado extremo ao construir todo o universo do livro, nos dando detalhes importante sobre a vida dos seus personagens, mas sem deixar o enredo cansativo ou com informações demais. Os elementos da história se encaixam perfeitamente e o enredo consegue fluir em um ritmo que envolve o leitor em cada capítulo. Lorraine Heat tem uma escrita cômica e seus diálogos são, definitivamente, o ponto forte do livro. Com um bom humor inegável, ela transformou um romance cliché em uma história envolvente e muito divertida de se ler.

Codinome Lady V tem um discurso um pouco diferente do que vemos em romances de época, como Os Bridgertons de Julia Quinn. Minerva não é uma personagem que se vê obrigada a casar simplesmente por querer construir uma família. Ela deseja um casamento por amor, com um homem que respeite o fato que ela tem opiniões e uma visão maravilhosa para os negócios, e a sua família aceita e mais, incentiva que ela não se deixe iludir por qualquer título de nobreza que esteja interessado no seu dote. Aliás, o pai dela – talvez por ter vindo de uma origem muito humilde – é o primeiro a dizer que não vê problema nenhum caso ela não encontre um marido que julgue adequado.

Minerva é uma personagem impossível de não se amar com todo o coração. Sua língua é muito afiada e ao longo de todo o enredo de Codinome Lady V, ela levanta questionamentos feministas como: “porque as mulheres precisam estar com roupas sedutoras, quando os homens podem se vestir da forma que quiserem? ” ou “porque o prazer do homem é sempre melhor aceito na sociedade do que o da mulher?” Para aquela época, temos que admitir, que não é muito comum que as mulheres levantem esse tipo de questão, então me surpreendeu muito quando eu vi longos diálogos da Minerva falando justamente disso. Entendem porque não tem como não amar essa personagem?

Uma coisa que me chamou atenção – e é um detalhe bem idiota, mas que precisa ser mencionado – foi que muitos dos personagens secundário dos livros tinham nomes de personagens dos livros da Julia Quinn. Eu encontrei uma Lady Sarah, Honoria e Hyacinth. Talvez o primeiro seja o mais comum de todos, mas quantas Ladys Honoria e Hyacinth nós temos a oportunidade de conhecer nos romances de época, não é mesmo? Apesar de eu saber que isso não influenciou em nada na história, foi bem interessante encontrar essas personagens secundárias e começar a imaginar toda uma árvore genealógica para elas.

Para aqueles que gostam de romance de época, eu tenho certeza que Codinome Lady V vai ser uma ótima leitura. Os diálogos são muito divertidos e os personagens não deixam nada a desejar. Além disso, vocês não vão querer perder a oportunidade de conhecer o clube Nightingale. Com uma escrita leve e uma heroína com a melhor personalidade que você poderia querer, eu tenho certeza que Codinome Lady V vai ser uma ótima leitura.

Gostou da resenha? Curta a nossa página do Facebook e acompanhe as novidades.

Resenhas 26mar • 2017

A Noiva do Capitão, por Tessa Dare

Eu não sei nem como explicar para vocês o quanto eu estava esperando pelo lançamento de A Noiva do Capitão. Desde que li Diga Sim ao Marquês e fiquei completamente apaixonada pela escrita da Tessa Dare, eu sabia que precisa do próximo livro dessa série, e adivinhem só? Mais uma vez Tessa veio me provar porque eu preciso tanto dos livros dela. Com um enredo muito criativo e personagens apaixonantes, A Noiva do Capitão é um livro divertido e encantador que todo o leitor de romance de época precisa ter na estante.

A Noiva do Capitão conta a história de Madeline – ou Maddie, como gosta de ser chamada, uma jovem muito tímida cujo o maior medo era ser apresentada a sociedade. Quando o grande momento chega, ela acaba inventando para a família que está apaixonada e noiva de um tal Capitão MacKenzie, um escocês das terras altas que ela conheceu em uma viagem a Brighton. Para manter a farsa, Maddie escreve cartas e mais cartas para seu suposto noivo, porém, depois de anos sustentando esta mentira ela decide dizer a família que seu noivo foi morto em batalha, colocando um ponto final na sua fábula.

A única coisa que Maddie não estava contando é que um belo dia o tal Capitão MacKenzie iria aparece bem na sua porta, com as suas cartas na mão. Determinado a reivindicar a sua noiva, Maddie não tem outra opção a não ser aceitar se casar com aquele homem – tão maravilhoso quanto ela havia descrito em suas cartas – que ela nunca viu na vida, afinal, ela não poderia arriscar que toda a sociedade descobrisse sobre as suas mentiras. Mas o que deveria ser apenas um casamento por conveniência começa a se tornar algo mais e quando Maddie menos espera, o seu Capitão MacKenzie começa a se tornar mais parecido com as suas histórias do que ela imagina.

Conheça Romance com o Duque, primeiro livro da série.

Eu acho que nunca me diverti tanto com um enredo, principalmente com esses personagens que tem uma química inegável. Tessa Dare tem uma escrita muito suave e faz com que seus leitores se envolvam com a história logo no primeiro capítulo do livro. A narrativa em terceira pessoa flui muito bem ao longo dos capítulos e a autora cria situações muito engraçadas, fazendo com que o desenvolvimento do romance entre os personagens principais acabe sendo o mais natural possível para o cenário da época.

Particularmente, eu adorei a ideia de que os livros dessa série se passem em terras escocesas. Não que eu não goste de Duques e Marqueses, mas quem leu Outlander sabe como é difícil de resiste a um Capitão Escocês querendo te seduzir a qualquer custo. E isso Tessa faz muito bem em A Noiva do Capitão. Os diálogos entre os personagens principais são naturais e é possível ao leitor perceber exatamente o ponto em que eles começam a se ver com outros olhos. Diferente de outros romances, a aproximação dos dois não é forçada e isso é muito positivo para o enredo.

Adorei ter Logan como “herói” da trama. Diferente de outros romances, ele não é um lorde e não tem pretensão de ser. Sua boa educação e sua empatia são características próprias dele e eu acho que o fato de ele ter uma preocupação enorme de dar aos seus homens um lugar para morar – mesmo chantageando uma moça – muito admirável. Sua origem humilde é o que faz dele um verdadeiro herói e o par perfeito para Maddie. É incrível ver como os dois se encaixam perfeitamente.

Conheça Diga Sim ao Marquês, segundo livro da série.

Maddie é o retrato de toda a ansiedade social que eu já sofri na minha vida. Foi muito fácil me identificar com ela e, provavelmente, também inventaria um namorado de mentira para mim. Ela tem muita dificuldade em lidar com multidões, mas isso não a isola das pessoas, pelo contrário, você consegue perceber que ela é preocupada com o bem estar de todos a sua volta e que encontra nas suas ilustrações, uma válvula de escape para o mundo agitado fora do seu castelo.

A Noiva do Capitão é um enredo maravilhoso. Seus personagens principais em si, já fazem com que toda a leitura valha a pena. Tessa Dare tem uma escrita encantadora e eu gosto muito do fato de ela criar personagens independentes, que não se deixam abalar pela opressão masculina da época. Um dos pontos mais fortes do enredo foi perceber que Maddie nunca pretendeu deixar de seguir suas paixões para ser uma esposa e que jamais deixaria que um homem a julgasse menos só por ela ter se casado.

Se você é um leitor de romances de época e já passou por Julia Quinn e Sarah McLean, eu preciso dizer que Tessa Dare precisa muito ser o próximo nome na sua estante. Mas se você ainda não leu nada do gênero, a série Castles Ever After é, com certeza, a melhor série para começar a conhecer melhor o que os romances de época podem fazer por você.

Gosta de romances de época? Então curta a nossa página do Facebook para acompanhar as próximas resenhas.

Resenhas 11fev • 2017

Diga Sim ao Marquês, por Tessa Dare

Então, segundo livro da série Castle Ever After. Eu não achei que eu fosse continuar essa série, mas comoo segundo livro já estava na minha estante, por que não? Nesse segundo volume eu descobri que todas as personagens são beneficiadas pelo mesmo aristocrata com um castelo e que esse é o único elemento da história que liga uma coisa com a outra. Ah, também percebi que a personagem do primeiro livro não foi a primeira a receber o castelo, mas talvez a segunda, já que a personagem desse livro já estava com seu Castelo no começo da história. Mas vamos falar um pouco sobre o enredo desse segundo livro, Diga Sim ao Marquês, antes de ficar especulando sobre a série.

Diga Sim ao Marquês vai contar a história da Clio, uma jovem que teve seu destino traçado ainda no seu primeiro baile de debutante quando aceitou o pedido de casamento do Marquês de Granville. Tudo parecia um sonho, exceto pelo fato do seu noivo ser um diplomata e estar viajando a trabalho há oito anos, deixando Clio ansiando o seu retorno durante todo esse tempo. Clio vê a chance de sair desse noivado prolongado quando recebe de herança um castelo e nele vê a oportunidade de criar uma vida para si. O único problema é que ela não esperava que Rafe, o irmão mais novo de seu noivo, fosse tentar fazer de tudo para tentar impedir que ela desista do casamento.

diga-sim-ao-marques01

Rafe Brandon é um lutador implacável e irmão mais novo de Piers – o tão conhecido Marquês de Granville. Mesmo sendo um canalha, Rafe prometera ao irmão que cuidaria de Clio durante sua ausência, o que incluía não permitir que sua noiva desistisse do casamento. Para convencer Clio de que o casamento é a melhor escolha, Rafe propõe que ela se envolva com os preparativos da cerimônia e perceba que é se casar com Piers o que ela realmente deseja. O que Rafe não contava era que ele precisaria se convencer a não beijar a noiva.

Eu não fui com grandes expectativas para esse segundo livro, considerando que o primeiro me agradou, mas não foi a minha melhor leitura do gênero. Porém, o fato de eu ter percebido o que liga um livro ao outro me criou uma curiosidade muito grande para saber o impacto que herdar esses castelos teria na vida das personagens criadas por Tessa Dare. E adivinhem? Pelo menos nesse segundo livro eu não me decepcionei nem um pouco com o que a autora estava me propondo.

diga-sim-ao-marques03

O enredo de Diga Sim ao Marquês flui com muito mais facilidade do que o de Romance com o Duque. A escrita da autora é leve, cuidadosa e os acontecimentos não são nem um pouco apressados, dando oportunidade para que o leitor se conecte com todos os personagens de alguma forma. Eu gostei bastante da questão da independência que a autora tratou nesse enredo. Gostei de ter uma heroína que não quer ser apenas independente, mas que tem um objetivo para aquela independência. Isso me envolveu muito com a história porque mostrou que não seria mais um enredo sobre uma heroína frustrada.

Diferente do primeiro volume da série, esse enredo se desenvolve num ritmo bem mais agradável, dando tempo do leitor conseguir acompanhar o envolvimento entre os personagens principais, Clio e Rafe e perceber a mudança que um consegue causar no outro. Acho importante destacar que o romance dos dois acontece de uma forma tão natural, sem que ambos percebam que o sentimento existe há muito mais tempo do que eles mesmo tenham consciência, que deixa a história bem mais envolvente e muito mais convidativa ao leitor.

diga-sim-ao-marques02

Clio se tornou uma das minhas personagens favoritas de romances. Acho que o fato de ela ter um objetivo e de não querer apenas ser livre, mas viver essa liberdade de tal forma que se casar seja completamente irrelevante me deixou encantada.  Eu acho que para uma mulher na situação social em que ela se encontrava, herdar um castelo que lhe dá a oportunidade de criar um futuro para si própria, era ter muita sorte, e eu gostei de ver que Clio não era uma personagem que deixaria isso escapar por causa de um título de nobreza. E mais, eu acho que o fato de ela não ter medo de encarar desafios, mesmo com as pessoas dizendo que “porque ela é mulher”, só me fez amá-la ainda mais.

Um dos únicos pontos que eu não gostei tanto do livro foi o Rafe, mas não como personagem – porque como personagem e amante da Clio ele é maravilhoso – mas eu queria que a autora tivesse explorado mais o relacionamento dele com Piers. Eu acho que o background dele, principalmente por causa das questões familiares eram bem interessantes de se colocar na história, e foi uma pena que tenha sido tudo tão vago e muito rápido. Rafe é um dos personagens de romance de época que eu achei mais interessante até agora, ele tem uma personalidade complicada e fantasmas do passado que são fáceis da gente se identificar. Uma pena que ele tenha ficado limitado dentro da história, acho que a história dele contribuiria muito para o enredo.

Eu preciso admitir que estou me apaixonando demais pela Tessa Dare. Depois de ler esse segundo livro eu consegui perceber que a autora tem um talento incrível para criar heroínas que vão além do que a sociedade espera delas e é maravilhoso ver a forma como ela explora essas qualidades ao longo do enredo. Além disso, os romances são sempre de tirar o fôlego. É impossível você não se apaixonar junto com os personagens dela.  Tessa Dare conquistou muito o seu lugar na minha lista de autoras de romances que você precisa ler.

Leia a resenha de Romance com o Duque, primeiro livro da série Castles Ever After.

La Oliphant 02fev • 2017

Só li romances de época em Janeiro

Não é segredo para ninguém que eu tenho uma paixão muito grande por romances de época – ou romances históricos, como algumas pessoas chamam o gênero. Já fiz um especial sobre o assunto aqui no blog e sempre que eu vou fazer uma resenha eu dou um jeito de deixar claro o quanto eu sou apaixonada por esse tipo de leitura. Eu acho que falo tanto de romance de época, quanto eu indico Cinder nos vídeos do Canal.

Pois bem, durante o mês de janeiro eu me deparei com alguns livros de romances de época maravilhosos. Comecei com Lisa Kleypas para terminar a série Os Hathaways e, quando dei por mim, já tinha engatado em Sarah McLean e Tessa Dare, com os livros que eu havia comprado no final do ano nas promoções das lojas online. O resultado disso? Passei o mês de janeiro inteiro lendo esses romances, mergulhando de uma aventura para outra e me apaixonando demais por esses personagens.

Eu sei que muitos de vocês têm bastante resistência a ler o gênero, mas acreditem, romances de época não se tratam apenas de casamento, amor e encontrar o Duque perfeito para se casar. As heroínas são marcantes, independentes e realmente conseguem se destacar dentro da sociedade da época. O que mais me encanta nesse tipo de leitura, é ver como uma personagem consegue superar suas dificuldades e se manter sempre fiel a pessoa que é.

Por isso, quando eu fui pensar nos livros que eu colocaria no Round Up deste mês, decidi que faria um especial dedicado aos livros maravilhosos que eu li em janeiro. Tudo bem, por mais que eu tenha selecionado apenas quatro, o vídeo ficou um pouco grande porque eu não consegui conter a empolgação. Mas eu garanto que, depois de assistir tudo até o final, pelo menos uma dessas histórias irá te chamar atenção.

1 2
O Usuário laoliphantblog não existe ou é uma conta privada.