Posts arquivados em Tag: Editora Valentina

12 dez, 2015

Minha Vida Mora ao Lado, por Huntley Fitzpatrick

Sabe aquele livro que todo mundo fala maravilhas, mas quando você lê acaba não tendo a mesma experiência que todo mundo? Minha Vida Mora ao Lado foi exatamente isso para mim. Desde que o livro foi anunciado pela Editora Valentina, eu li muitas resenhas positivas sobre ele e criei aquela expectativa de leitura maravilhosa, mas quando eu finalmente mergulhei na história de Huntley Fitzpatrick, a sensação foi que eu estava em uma piscina muito rasa.

Mas vamos começar do começo, se não vocês não vão entender o que eu quero dizer. Minha Vida Mora ao Lado é um Young Adult narrado em primeira pessoa e, conta a história de Samantha Reed, filha mais jovem de uma senadora e – até então – uma garota que seguia sempre as regras que lhe foram impostas. Uma dessas regras era não se misturar com os seus vizinhos, os Garrets, que tinham todas as características de uma família que a mãe detestava: bagunceiros e barulhentos.

Minha Vida Mora ao Lado

Samantha passou a vida observando os vizinhos de longe, sem nunca se aproximar. Porém, em um verão em que a sua mãe está completamente envolvida com a sua campanha e sua irmã mais velha resolve passar o verão inteiro viajando, Sam acaba – sem desejar – se aproximando de Jace, um dos Garrets do quintal ao lado. Tudo começa como uma amizade inocente, mas aos poucos o jovem casal começa a se envolver e Sam precisa fazer um esforço enorme para esconder o namoro dá mãe. O problema é que os Garrets são pessoas acolhedoras e quanto mais envolvida ela fica com Jace, mais envolvida ela fica com a família dele, até que chega um momento em que ela precisa escolher ao lado de qual família ela deseja ficar.

O que mais me chamou atenção foi esse pequeno mistério em torno da sinopse do livro. Digo, o que é que pode acontecer dentro desse enredo que obrigue uma garota tão jovem a ter que escolher entre a própria família e a família do recente namorado? Eu estava completamente obcecada por essa leitura. Assim que o livro chegou na minha cara eu parei todas as minhas leituras para devorá-lo, e foi assim, com essa mesma sede ao pote que eu comecei a me decepcionar com o livro logo nos primeiros capítulos.

Minha Vida Mora ao Lado

Minha Vida Mora ao Lado é aquele livro morno, ou como eu chamo: “Livro nada com nada”. Não é uma leitura ruim, mas também não entrega tudo o que a sinopse promete. Meu primeiro problema com esse livro começou com o enredo em si: eu sentia que a história não andava, nunca! Como o livro era narrado no ponto de vista da Samantha, eu senti que a história em si parava no tempo porque a personagem era meio parada. Ela não era de tomar atitudes ou de fazer coisas, então tudo acontecia em um ritmo bem devagar, e isso me deixava nervosa.

Huntley Fitzpatrick tem uma escrita ótima. Eu gosto da forma como ela descreve e cria as coisas, mas seus personagens acabaram sendo cansativos, cheios de dramas que não combinavam com as suas personalidades, tudo – até a coisa mais simples – se tornava em algo enorme e complicado e juntando ao enredo que não chegava a lugar algum, me deixava com muita preguiça de levar o livro até o final. Mas eu fui. Fui porque eu sou persistente e queria ver até onde ela iria com aquela balela toda. Se eu gostei? Não! Fui surpreendida? Nem um pouco! Compensou a vontade que eu estava de ler? Definitivamente não!

Minha Vida Mora ao Lado

A autora deixou tantas pontas soltas e coisas sem sentido nessa história que a minha vontade é de bater na porta da casa dela e perguntar cadê o resto da história? Sabe aquele enredo que deixa muitas coisas “por isso mesmo”? Foi exatamente isso que aconteceu em Minha Vida Mora ao Lado. Discussões que não foram terminadas, amizades que ficaram sem um desfecho, relacionamentos que não ficaram claros e diálogos que davam a sensação de que estava faltando alguma coisa – no caso, sentido! Quando eu finalmente cheguei na última página, eu não acreditei que era a última página porque o livro não tinha tido realmente um final!

Samantha é uma personagem que eu achei muito difícil de lidar. Normalmente eu me encanto demais com as personagens de Young Adult por elas terem muito a mostrar, mas a Samantha era sempre “apenas a Samantha”. Até mesmo quando ela deveria estar “saindo da caixa” ela agia de uma forma que eu já esperava que ela fosse agir. Não tinha novidade, a personagem não crescia e quando eu achei que ela tinha evoluído um pouco, era tudo uma grande ilusão baseado no que estava acontecendo dentro do enredo. Basicamente ela não fazia o certo porque ela tinha evoluído, mas porque no universo todo mundo sabe que aquela atitude é a certa.

Minha Vida Mora ao Lado

Nem o romance em si me encantou tanto. Eu gostei que o casal principal seguiu o seu próprio tempo, e gostei muito da forma como o Jase conduzia as coisas com a Samantha, sempre respeitando o espaço dela, sempre tentando ser o melhor. Mas foi apenas isso. Não tinha uma real emoção por trás do amor deles. Não era um casal que eu conseguia imaginar shippando o resto da minha vida, ou citando por aí como Anna e St. Clair (de Anna e o Beijo Francês) ou Audrey e Linus (À Procura de Audrey). Sam e Jase são apenas um casal como qualquer outro, mais nada.

A família dos Garret acho que é a única coisa que realmente fez esse livro valer a pena. A família numerosa de oito filhos me lembrou muito a minha casa – já que eu tenho muitos tios e cresci rodeada de pessoas. Gostei muito de eles serem unidos e tomarem decisões em conjunto e não se importarem com as pessoas entortando o nariz ou falando mal deles pelas costas. Acho que a Huntley Fitzpatrick acertou muito na criação dessa família, porque mesmo eles não aparecendo tanto, eu já me senti parte daquela bagunça toda.

Minha Vida Mora ao Lado

De tudo, o que mais me deixou decepcionada foi o motivo que me fez querer ler este livro: “o mistério”. Quando eu finalmente percebi em torno de que giraria aquele enredo, eu fiquei com muita vontade de abandonar a leitura. Minha reação foi: “É sério isso?” e depois eu consegui prever exatamente o que iria acontecer e quais atitudes seriam tomadas e até mesmo as escolhas que a personagem principal iria fazer. Foi exaustivo de tão cansativo ter que insistir numa leitura que não conseguiu me surpreender.

Por fim, o que dizer? Eu senti uma dor enorme no coração por não ter gostado desse livro como todas as outras pessoas gostaram. Senti que faltou aquele “algo a mais” dentro do enredo, aquela sensação boa que faz você nunca querer abandonar aqueles personagens. Queria muito que a autora tivesse explorado mais do universo e dos personagens que ela estava criando e talvez, uma narrativa em terceira pessoa, quem sabe? Mas, se você é um leitor que gosta de Young Adult e está procurando uma leitura pra passar o tempo, acho que Minha Vida Mora ao Lado pode ser ótimo pra você.

08 fev, 2015

Alma?, de Gail Carriger

resenha-alma-protetorado-da-sombrinhade-gail-carriger-imagem

Alma? é um steampunk escrito pela autora Gail Carriger e publicado no Brasil pela Editora Valentina.

Primeiro volume da série O Protetorado da Sombrinha, o livro irá nos apresentar à Alexia Tarabotti, uma solteirona de 26 anos, de aparência exótica e um comportamento bem inadequado para a sociedade vitoriana da época.

Na sociedade vitoriana de Gail Carriger, humanos, lobisomens, vampiros e fantasmas convivem em sociedade. Há também o que chamam de “preternatural”, ou seja, pessoas que não possuem alma e, com apenas o toque, podem anular os poderes sobrenaturais de outros seres. Continue lendo