Posts arquivados em: Tag: Graphic Novel

Resenhas 15ago • 2018

Garota-Ranho, por Bryan Lee O’Malley e Leslie Hung

Eu vou ser muito sincero com vocês, quando eu ouvi o nome da graphic novel que eu vou resenhar hoje, eu realmente não sabia o que esperar. Afinal de contas, o que você imagina de uma história chamada Garota Ranho. Aí eu vi que esse graphic é do Bryan Lee O’Malley, e o meu interesse aumentou consideravelmente. E quando eu conclui essa leitura, cheguei a conclusão de que Garota Ranho não é nada do que eu esperava, e é inclusive bem melhor do que o quer que fosse que eu estava imaginando que seria.

Lottie Person é uma blogueira de moda com milhares de seguidores nas redes sociais. Para quem acompanha seus posts no instagram, Lottie vive uma vida de eventos badalados, roupas glamourosas e maquiagem perfeita. Mas na realidade, a vida de Lottie é tudo menos ideal. Seu namorado a trocou por uma menina mais nova e não tão bonita, sua alergia está fora de controle e seu nariz não para de escorrer. A vida de Lottie se torna ainda mais bagunçada quando ela conhece uma nova blogueira que joga a sua vida em um completa confusão. Leia mais

Notícias 18set • 2016

Anunciada a publicação de Seconds no Brasil

seconds-01

AGORA VAI!!! Depois de muito pedir pro universo, o cartunista Bryan Lee O’Malley, criador da série Scott Pilgrim, anunciou pelo twitter que a versão brasileira de Seconds vai finalmente ser lançada. Intitulada Repeteco (não curti o título, mas é aquele ditado né, vamos fazer o quê), o quadrinho vai ser lançado no mês que vem pela Companhia das Letras. Eu não tô me aguentando de felicidade, gente, eu queria esse quadrinho faz tanto tempo!

Repeteco conta a história de Katie, uma jovem chef que sonha em abrir o próprio restaurante. Apesar do talento como cozinheira, a vida profissional e a pessoal de Katie vai de mal a pior. Após ser visitada por uma misteriosa entidade, Katie descobre um cogumelo que lhe dá a oportunidade de voltar no tempo e corrigir seus erros. E daí pra frente, as coisas ficam cada vez mais complicadas.

Já tinha um tempo que havia sido anunciado que a Companhia das Letras ia lançar Seconds no Brasil, mas depois de meses sem notícias, eu já tinha começado a perder as esperanças. Aí, do nada, eu abri o twitter hoje, pra ver essa maravilha. Em maio, eu fiz um post sobre quadrinhos que deviam vir pro Brasil. Bom, 1 já foi, faltam 4. Qual editora se habilita a trazer as outras?

Imagem: Cat’s Shelf

Séries & TV 09ago • 2016

5 Séries Que A Marvel PRECISA Fazer

series-marvel-capa

Se tem uma coisa que ficou bem clara na cobertura Comic Con desse ano, é que a parceria entre a Marvel e a Netflix está humilhando todo mundo com as suas séries. Desde a estréia de Demolidor, no ano passado, as produções das histórias da Marvel para o serviço de streaming só tem recebido elogios. E isso não mostra nenhum sinal de parar, já que já foram anunciados mais quatro produções: Luke Cage, Punho de Ferro, Justiceiro, e The Defenders, que vai reunir todos os heróis em uma só história.

Partindo dessa ideia, eu achei que seria legal juntar uma lista de 5 quadrinhos que a Marvel poderia adaptar para o Netflix. Desse jeito, vocês ficam sabendo de alguns quadrinhos que talvez não conheçam, e quem sabe, a Marvel não se anima e acaba levando a ideia pra frente. Alguns dos quadrinhos que eu vou citar já foram adaptados, mas Demolidor também já foi, e a versão da Netflix ficou bem melhor, não é mesmo?

 

1 – Jovens Vingadores

series-marvel-01

Eu adoro um time de super-heróis jovens! A série dos Jovens Vingadores  começou em 2015, e conta a história de um grupo de jovens heróis que se juntam para combater o crime na cidade de Nova York, com a orientação dos Vingadores. O time consiste de Iron Lad, Patriot, Hulking, Stature, Wiccan, Vision e Hawkeye, todos adolescentes, que tem como mentores super-heróis como Capitão América, Homem de Ferro, Jessica Jones, entre outros.

A série fez bastante sucesso com o pessoal da internet, então eu acho que daria uma série de bastante sucesso se fosse produzida para a Netflix. Além disso, seria uma forma interessante de atingir um público jovem, já que os filmes da Marvel costumam ser protagonizados por adultos. E as sementes dessa história já foram plantadas no MCU, já que os personagens que causam a origem dos Jovens Vingadores já estão presentes no universo da Marvel.

2 – Runaways

series-marvel-02

Outro time, dessa vez um bem diferente. Runaways é a história de um grupo de jovens que descobre que os seus pais são, na verdade, um time de super-vilões. Alex, Nico, Chase, Karolina, Gertrude e Molly precisam então, fugir e se esconder das autoridades que estão sob o controle de seus pais. Ao longo da história, alguns deles ainda descobrem que tem poderes especiais, como no caso de Karolina e Molly.

A série começou em 2003, e já houveram boatos de um filme e de uma série pra TV. Já tá mais do que na hora de isso virar realidade, sabe? Seria outra série voltada para um público jovem, e seria muito maneiro ver The Runaways fazendo crossover com os Jovens Vingadores, já que eles já se cruzaram várias vezes nos quadrinhos. Além disso, seria uma oportunidade da Marvel apresentar uma produção com mais diversidade.

3 – Blade

series-marvel-04

Blade já teve 3 filmes e uma série de TV, mas eu acho que merece outra chance. Os filmes foram prejudicados pelo comportamento do Wesley Snipes, e a série simplesmente não me agradou tanto quanto poderia. Uma série pro netflix permitiria um pouco mais daquela violência e do sangue que os quadrinhos tem, e seria muuuuuito legal ver um crossover dele com o Justiceiro.

Já apareceram vários boatos que a Marvel estava correndo atrás dos direitos de filmagem de Blade, ao mesmo tempo que estavam querendo os direitos do Motoqueiro Fantasma e do Justiceiro. Como a série do Justiceiro já foi confirmada, e o Motoqueiro Fantasma foi anunciado para aparacer na terceira temporada de Agents of S.H.I.E.L.D, acho bem provável que essa série vai acontecer mesmo. Ainda bem!

4 – Motoqueiro Fantasma

series-marvel-05

Então, como eu falei, o Motoqueiro Fantasma vai aparecer na terceira temporada de Agents of S.H.I.E.L.D, certo? Mas esse não é o mesmo Motoqueiro Fantasma dos filmes do Nicolas Cage. Na verdade, esse novo personagem se chama Robbie Reyes, e é um adolescente que vive numa área de Los Angeles que é dominada por gangues. Após ser morto por uma dessas gangues, Robbie se torna o Motoqueiro Fantasma quando é revivido pelo carro mau assombrado que dirigia (é uma história longa).

O Robbie que vai aparecer em Agents of S.H.I.E.L.D parece ser mais velho, já que Gabriel Luna, o ator que vai interpretá-lo, tem 31 anos. Quem sabe então, a Netflix possa produzir uma série que mostre a origem dele, como ele conseguiu seus poderes, a parada toda. A história de Robbie é muito interessante e emocionante, principalmente o relacionamento dele com seu irmão mais novo Gabe, que é deficiente. Daria uma série muito legal.

5 – Miss Marvel

series-marvel-03

Acho que essa é a série de quadrinhos que eu mais ouço falar na internet. Miss Marvel começou em 2013, e conta a história de Kamala Khan, uma adolescente muçulmana que ganha superpoderes e se torna a nova Miss Marvel, já que a antiga usa o nome de Capitã Marvel atualmente. Kamala precisa esconder de sua família que é uma super-heroína, e lidar com as problemas que vêem com ser uma adolescente muçulmana nos Estados Unidos.

Miss Marvel é uma das séries de quadrinhos mais elogiadas nos últimos anos. Kamala é uma ótima protagonista e já se tornou uma personagem importante no universo da Marvel. Ela até faz parte dos Vingadores! Miss Marvel seria uma adição incrível ao MCU, e se a Netflix e os estúdios da Marvel não produzirem essa série logo, eles vão estar jogando fora uma ótima oportunidade.

……………………………………………………………………………………………………………….

Eu tenho certeza que a Marvel já tem planos para o MCU até 2050, mas essas algumas ideias que eu gostaria muito de ver na Netflix, ou até na TV mesmo. Vocês curtem as séries da Marvel? Tem algum quadrinho que vocês querem ver adaptado? Conta pra gente nos comentários!

beda-2016

Literaría 04maio • 2016

HQs vs. Graphic Novels vs. Mangá

Coringa

Mais um mês se inicia, e mais uma vez trazemos para vocês um novo especial. Foi ideia do Vinicius que no especial de Maio falássemos um pouco sobre Histórias em Quadrinho, esse gênero literário que fez parte da minha infância durante anos, mas que com o tempo foi sendo deixado de lado. Particularmente? Eu achei ótimo, principalmente porque me deu oportunidade para levantar a questão que sempre me incomodou e que, até então – com a ajuda da Paac Rodrigues – eu nunca soube responder: Qual a diferença entre Graphic Novel, História em Quadrinho e os Mangás?

Podem me julgar. Eu não sou muito conhecedora do universo dos quadrinhos, acho que nunca li nenhuma Graphic Novel na minha vida e os mangás que eu leio são todos Shoujo e pouca gente conhece. Mas o gênero sempre me chamou atenção. As ilustrações são ótimas, as histórias estão ganhando os cinemas ultimamente e eu tenho uma quantidade boa de amigos engajados nesse tipo de leitura. Então acho que é justificável querer saber mais desse universo ao invés de fingir que eu domino o assunto, não é mesmo? Então vamos as minhas pequenas descobertas.

Histórias em Quadrinhos (HQ)

histórias em quadrinhos

“HQ, são revistinhas, que você acompanha em um período determinado, algumas saem de dois em dois dias, uma vez por semana, uma vez por mês ou uma em cada dois anos, isso vai variar de acordo com o que a Editora quer.”

Já que estamos construindo essa publicação na base da honestidade, devo dizer que quando fui buscar a definição de HQ na internet, as respostas foram sempre curtas e óbvias, sem nenhum detalhe “a mais” que pudesse me ajudar. Foram poucos os links que realmente se aprofundaram no assunto, então eu resolvi fazer um copilado das informações que eu consegui e que foram relevantes para entender melhor o assunto.

Histórias em Quadrinhos é um termo já muito antigo e por isso acabou se tornando mais comum. São histórias contadas de forma gráfica e surgiram em folhetins de jornal, na época com uma linguagem muito mais limitada que hoje. Com o tempo, muitos artistas começaram a investir nesse tipo de mídia e, aos poucos, foram criando uma linguagem própria. Foi assim que histórias de detetives e super-heróis começavam a preencher páginas dos jornais e também ganharam suas próprias publicações em revistas semanais.

Graphic Novels

graphic novel

Graphic Novel, é uma edição mais especial, muitas vezes tem capa dura e folhas nobres, mas esse não é o principal motivo, e sim porque em um quadrinho só, ele conta apenas uma história e acaba ali, você não precisa acompanhar a série inteira, você não precisa comprar mais nenhuma, é apenas uma história.

As graphics sempre foram o tipo de leitura que mais me intrigou. Já vi diversas nas livrarias, mas confesso que nunca li uma de fato. E, pra ser sincera, a dúvida que eu tinha sobre a diferença de uma graphic para uma HQ foi o maior motivo de eu ter começado a escrever esse post. Afinal, por mais leigo que isso possa soar, eu sempre tive a sensação de ambos eram muito parecidos, apesar de virem em estruturas diferentes, e agora eu finalmente consegui abrir os olhos.

As Graphic Novels possuem histórias fechadas, com início, meio e fim. Vale ressaltar que, às vezes, elas podem ter uma continuação, mas nunca vão chegar a ser uma série de banca. O estilo do artista também é um grande fator que ajuda na diferenciação de Graphic Novels e HQs. Como são histórias fechadas, existe um pouco mais de dedicação no seu modelo gráfico, ganhando assim, um estilo de desenho diferenciado. Além disso, as Graphics têm um formato diferente e mais dedicação e cuidado na sua impressão.

Mangá

mangas

“Mangá é a forma como eles chamam no Japão uma História em Quadrinhos (HQ). Mangá literalmente significa “História em Quadrinhos” ou seja, é uma versão Japonesa de uma HQ. Além dos traços serem totalmente diferentes, a forma de desenhar e o comportamento dos personagens.”

A primeira coisa que eu acho importante falar é que a maioria – existem algumas edições especiais coloridas – dos mangás são em preto e branco, diferente das HQs que conhecemos, que são cheias de cores. O mangá também é  extremamente segmentados, e quando eu digo “extremamente”, eu não estou exagerando. Eles atingem diversas faixas etárias no japão e possuem diversos gêneros como Shounen (ou Shônen), que são mangás direcionados ao público masculino o e os mangás Shoujo (ou Shôjo), que são mangás direcionados para o público feminino.

Os magás possuem uma narrativa mais lenta e que privilegia o sentimento e a relação do protagonista com os outros a sua volta. Por isso, normalmente os mangás são compostos de arcos diferentes que se fecham na história completa. Basicamente, os mangás são divididos em vários capítulos, uma quantidade x de capítulos definem um arco da história e cada arco dessa história ajuda a compor a história completa do mangá. Confuso? Eu também achei, mas depois que eu refleti um pouco, fez sentido. Além disso, esse tipo de leitura possui traços mais complexos em relação as expressões do rosto e alguns detalhes são mais fantasiosos como os cabelos coloridos e roupas extremamente elaboradas.

Deu para pegar a diferença entre estes três tipos de leitura? Confesso que quando eu comecei a construir essa publicação eu me senti um pouco perdida. É tudo muito parecido, mas ao mesmo tempo são completamente diferentes. Além disso, eu preciso muito agradecer a Paac do My Little Garden of Ideas por ter sido a luz do meu caminho durante esse mergulho no universo dos quadrinhos. Me sinto bem mais confiante agora que desvendei os mistérios desse assunto.

E não se esqueçam, durante o mês de Maio estaremos explorando mais sobre esse universo, então não deixem de acompanhar as próximas publicações do La Oliphant para conhecer mais sobre HQs, Graphic Novels e Mangás. Ah, e comentem aqui qual desses três tipos de leitura vocês estão mais familiarizados, é sempre bom saber no que vocês andam se aventurando por aí!

Fontes de Pesquisa: Censanet, Conversa Cult, Rainha dos Livros, Midializado

Siga o @laoliphantblogInstagram